A Universidade Federal de Ouro Preto redesenhou este ano o seu tradicional Festival de Inverno. A proposta está de acordo com o Plano de Cultura da UFOP, aprovado em 2022.

Um dos reflexos da nova configuração foram as mais de 80 ações propostas pela comunidade acadêmica no edital de prospecção do Festival deste ano, o que permitiu aos organizadores entender a dimensão e a força da produção cultural ufopiana, tendo em vista a necessidade de convergir esforços para fomentar e potencializar os artistas e as produções de qualidade, mesmo diante das restrições orçamentárias das universidades nos últimos seis anos.

A maioria das propostas submetidas são de ações e atividades que valorizam os coletivos culturais e tratam das temáticas de diversidade, como gênero, LGBTQIAPN+, povos originários, quilombolas e movimentos relevantes ligados às pautas feministas, antirracistas e anticapacitistas  pautas urgentes e necessárias à formação cidadã e à educação para a diversidade.

Para evidenciar o compromisso da UFOP com o fortalecimento do campo cultural e artístico nos municípios de Ouro Preto, Mariana e João Monlevade, a organização do Festival de Inverno UFOP 2023 publicou uma carta à comunidade, explicando a nova proposta do evento.

+ Cinco festivais de inverno para curtir o frio em Minas Gerais

Íntegra da carta da UFOP

E se…” O que poderia ter sido? O que ainda pode ser alterado? O que temos para vivenciar? Mais que dúvidas e reflexões, a esperança em novos acontecimentos é o incentivo que nos impulsiona a buscar outros cenários. No espaço entre passado, presente e futuro estão as reflexões sobre possibilidades que nos convidam a realizar o Festival de Inverno UFOP 2023. “E se…” é a temática e o desafio que nos mobiliza este ano.

A UFOP aprovou sua Política de Cultura em 2019 e seu Plano de Cultura em 2022, documentos que direcionam as ações e objetivos da Instituição como agente da produção cultural acadêmica. A meta de redesenho do Festival de Inverno, contida nos documentos, e a realidade orçamentária precarizada das instituições de ensino brasileiras definem o contexto do Festival de Inverno UFOP 2023.

O planejamento está a cargo de uma comissão institucional ampla, que decidiu, diante da imposição temporal e orçamentária, pela realização de um evento composto principalmente pelas produções culturais da comunidade acadêmica ufopiana e de alguns parceiros institucionais externos dos três municípios que sediam os campi da Universidade: João Monlevade, Mariana e Ouro Preto.

A maior parte das ações é resultado de um edital de chamamento interno, divulgado no começo deste ano, que deu início ao processo de redesenho do Festival. Trata-se de uma mudança estrutural, centrada na necessidade de se pensar uma relação dialógica de cultura, que amplia o espaço para acolher os agentes culturais vinculados à Universidade. A proposta é que ele seja visto como o projeto que amplifica o alcance das produções dos coletivos culturais universitários, efetivando uma extensão comunicadora que visa fortalecer a relação entre a Universidade e a comunidade.

O fomento à cultura, promovido pela Universidade dentro de suas possibilidades, alcança os três municípios que sediam seus campi à medida que transborda a produção artística acadêmica para as comunidades do entorno. Dos municípios, espera-se um fortalecimento de suas políticas de cultura, por meio de fomento e condições de funcionamento dos mecanismos de gestão instituídos. Diante das possibilidades que propomos com o tema “E se…”, esperamos um futuro promissor para o evento, no qual tenhamos condições de financiamento que permitam ampliar a abrangência da produção e da programação.

O Festival de Inverno UFOP 2023 é para todas, todos e todes!

Que a arte venha para nos aquecer!

Hermínio Arias Nalini Júnior
Vice-reitor da UFOP

Sandra Maria Antunes Nogueira
Pró-Reitora de Extensão e Cultura
Coordenadora da Comissão Institucional do Festival de Inverno

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional – UFOP

COMENTÁRIOS
Share.

Perfil publicador de releases e guest posts, sem autoria própria. Consulte a fonte ao final das matérias/artigos.