Globo exibe o filme ‘Liga da Justiça’ na Tela Quente desta segunda-feira (20)

A TV Globo vai exibir o filme “Liga da Justiça” (Justice League”) na Tela Quente desta segunda-feira (20). Lançado em 2017, o longa reúne uma equipe de super-heróis para impedir o supervilão Lobo da Estepe de destruir a Terra. O filme será exibido logo após a novela “Fina Estampa”.

SOBRE O FILME:

No gênero de filmes de super-heróis, Marvel e DC competem com grande resistência pela lucrativa participação de mercado. Nos últimos anos, a Marvel ordenou seus recursos criativos com filmes artísticos com lucro máximo. Isso é especialmente notável nos filmes “Vingadores”, nos quais um arsenal em constante crescimento de super-heróis de propriedade da empresa compete coletivamente. A DC parece estar querendo seguir o mesmo conceito com “Liga da Justiça” (2017), mas ainda falta alguma coisa.

Esse novo conceito de agrupamento de super-heróis já havia sido testado no filme “Batman vs Superman: A Origem da Justiça” (2016), porém eles foram nadar com um processo de adição sem inspiração. As expectativas para a criação da Liga da Justiça eram modestas, não fosse a heroína da DC “Mulher-Maravilha”, que finalmente injetou na indústria dos super-heróis as proporções femininas necessárias. Infelizmente, o diretor Zack Snyder continua de onde parou com “Batman vs Superman”.

No início do filme, o mundo chora por Superman (Henry Cavill), que morreu no decorrer das lutas com Batman. Evidentemente, após a partida do salvador universal, o mal sente sua chance. O supervilão Lobo da Estepe – um homem alto com chifres e um machado elétrico – aparece com uma série de mosquitos gigantes sanguinários para fazer o que ele sempre faz: destruir o mundo.

Mas, para isso, ele precisa de ainda mais superpotências, que são armazenadas em três cubos mágicos chamados de caixas maternas, que devem ser encontrados e derretidas. Batman sofre de grandes complexos de culpa pela morte de Superman. Mas ele vê o mundo em perigo e reúne uma equipe que deve fazer o que os heróis fazem: impedir a destruição do mundo. Juntam-se a ele Mulher-Maravilha (Gal Gadot), o garoto de alta velocidade “The Flash” (Ezra Miller), o deus do mar muscular Aquaman (Jason Momoa) e o ciborgue de alta tecnologia (Ray Fisher).

O recrutamento parece interminável e a dinâmica de grupo no coletivo de heróis, num primeiro momento, parece não existir. Após algumas escaramuças, fica claro que a força coletiva do coletivo não será capaz de superar o Lobo da Estepe. É aí que começa o processo de ressurreição do Super-Homem.

Roteiro fraco, diálogos superficiais, sem humor, fixação em um super-herói superior são alguns dos problemas do filme. É apenas sintomático que, depois de seu solo furioso começar sob a direção de Patty Jenkins, “Mulher-Maravilha” agora é reduzida para a tia psicótica sob o reinado de Snyder. A Amazônia tem que ponderar que ela nasceu lutadora, mas não líder.

Comentários