Kalil decreta uso obrigatório de máscaras nas ruas de Belo Horizonte

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), anunciou nesta terça-feira (14), durante uma entrevista coletiva, que a partir da próxima sexta-feira (17) será obrigatório o uso de máscaras para circular pelas ruas da capital mineira.
As pessoas que não cumprirem o decreto, inicialmente, serão proibidas de entrar nos locais públicos, porém Alexandre Kaili ainda não detalhou como será feita a fiscalização.

De acordo com o prefeito, a nova medida é uma forma de cuidar da população. “Nós precisamos da população, não estamos enfrentando eles. Precisamos de todos juntos contra o coronavírus”, disse Kalil.

Na última segunda-feira (13), a prefeitura de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, determinou o uso obrigatório de máscaras para as pessoas que circulam na cidade e que também começa a ser válido na próxima sexta-feira. As cidades de Pedro Leopoldo e Lagoa Santa, ambas também da região, também adotaram a medida para os moradores.

Outras duas capitais brasileiras já adotaram o decreto do uso obrigatório de máscaras nas ruas, Florianópolis, em Santa Catarina, e Cuiabá, no Mato Grosso.

Comércio

Além do decreto, na entrevista coletiva, Alexandre Kalil disse que não tem data para o fim do isolamento social em Belo Horizonte e que vai permanecer ainda mais resistente com a quarentena para evitar a proliferação do coronavírus na capital mineira. “Eu prefiro 10 mil desempregados do que 50 mil mortos”, declarou o prefeito.
O comércio de Belo Horizonte está fechado desde o dia 9 de abril, sendo permitido apenas o funcionamento de estabelecimentos essenciais como hospitais, supermercado, hipermercado, padaria, farmácia, sacolão, mercearia, hortifruti, armazém, açougue e posto de combustível.
Ao final, Alexandre Kalil afirmou que só irá reabrir o comércio quando os especialistas do comitê de combate ao coronavírus afirmarem que está seguro e autorizarem a ação.

Belo Horizonte já registrou seis óbitos pelo coronavírus e 367 casos confirmados da doença.

Comentários