BelezaDatasEntretenimentoMúsica

Madonna, a Rainha do Pop, chega aos 60 anos

Ela influenciou mais de uma geração com sua aparência transgressora, sua rebeldia, seus vídeos provocativos e sua música viciante, mas cheia de críticas, reflexões e autoanálise. Agora, completando 60 anos de idade, Madonna Louise Veronica Ciccone continua a ser um ícone pop indiscutível e atemporal, a Rainha do Pop.

Madonna nasceu em Michigan em 16 de agosto de 1958. Símbolo do pop, provocativa, estrela indiscutível da indústria da música, matriarca e grande ativista dos direitos humanos, ela ganhou o seu lugar no Olimpo da música a partir de sua estreia com o álbum “Madonna”, em 1983.

De lá para cá, foram 13 álbuns de estúdio, aproximadamente 300 milhões de cópias vendidas de todos os seus discos e uma vasta videografia, beirando a marca dos 70 videoclipes. Além disso, soma-se a esses números: 10 turnês mundiais, três peças de teatro, atuação em 22 filmes, 10 livros, 7 Grammys e 2 Globos de Ouro, e também diversas premiações na MTV de diversos países.

Amando ou odiando, o fato é que Madonna tem força. Seu desejo constante de se reinventar e reinventar a música, o show e a dança permitiu que a estrela internacional se tornasse um show business e liderasse uma das carreiras musicais mais bem-sucedidas do mundo. De acordo com o Guinness World Records , ela é a artista feminina mais vendida de todos os tempos e detém o recorde de número de hits em primeiro lugar.

  Anitta abre shows do festival "Viva Mariana Rodeio Show"

E a Igreja Católica? Sim, Madonna tem uma relação de amor e ódio com o catolicismo, ela já foi até excomungada pelo Vaticano. “Tenho longa história com o Papa, com o Vaticano, com a Igreja Católica e com a minha excomunhão”. “Fui educada no catolicismo, e, em qualquer percurso espiritual que eu escolha, sempre me deparo com um tipo de ligação inexplicável com ele. Isso é presente em quase todo o meu trabalho, como talvez você já tenha notado”, contou a cantora em entrevista à revista Rolling Stones Itália.

Na turnê “Confessions on a dance floor”, Madonna surge numa cruz brilhante gigantesca e uma coroa falsa de espinhos na cabeça, ao som de “Live to tell”. Em sua turnê mais recente, a “Rebel Heart Tour”, a cantora usa uma cruz como pole dance e traz dançarinas caracterizadas de freiras ao som de “Holy Water” (água benta em português). Veja:

  30 anos sem Raul Seixas: o Pai do Rock Brasileiro deixou seu legado

Paralelamente ao seu aniversário de 60 anos, um dos seus trabalhos mais polêmicos também completa mais um ano: “American Life”.

Lançado em 2003, AL é o nono álbum de estúdio da cantora, que faz uma crítica à sociedade americana e, ao então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush.

Há 15 anos, o primeiro single, faixa-título do álbum, teve o seu videoclipe censurado por conta da violência presente nele, todavia, esse é o videoclipe que mais representa a essência da Madonna: críticas, ironias e sarcasmos. O clipe mostra Madonna em um desfile de moda com tema militar, terminando com ela lançando uma granada de mão em George W. Bush . Antes de seu lançamento, o vídeo causou polêmica sobre suas implicações políticas, raciais e religiosas, levando Madonna a divulgar uma declaração explicando seu conceito.

Depois que a invasão do Iraque começou, Madonna cancelou o lançamento do videoclipe original, por causa do clima político do país na época, e lançou uma versão alternativa, apresentando-se diante de um cenário com bandeiras de todos os países do mundo.

  3° temporada de '13 Reasons Why' está disponível na Netflix

Nas onze faixas do álbum, Madonna critica o materialismo e o superficialismo Hollywoodiano, mas também promove uma reflexão sobre si mesma e termina com um “ar filosófico”, tentando encontrar o seu lugar para se encaixar nele. Na verdade, o álbum já começando com ela dizendo que tentou ser um garoto, tentou ser uma garota, tentou ser uma bagunça, tentou ser a melhor, mas parece que fez isso de forma errada. Ao término do álbum, ela reconhece que ainda precisa trabalhar muito para se encontrar.

O fato é que Madonna tem luz própria, conquistou aplausos e fez de tudo para conquistá-los. Em seus trabalhos é possível ver uma aversão dela à mesquinhez humana e ela mostrou isso da forma mais impactante e original possível. Claro, um pouco de exibicionismo também fez parte sua trajetória. Madonna é a Madonna!

Feliz aniversário, Rainha!!

Para celebrar assista as duas versões do polêmico clipe “American Life”:

Leia também: Quando bate aquela saudade

Fechar