O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Câmara de Mariana aprova projeto de lei que impede circulação de ônibus sem auxiliar de viagem

Rodolpho Bohrer 20 de dezembro de 2018 às 16:22
Tempo de leitura
2 min

O projeto de lei de autoria do vereador Bruno Mól que exige a presença de auxiliares de viagens nas linhas de transporte público circular da cidade de Mariana foi aprovado nesta quinta-feira(20) em reunião ordinária da Câmara Municipal.
A aprovação do projeto de lei é uma resposta do legislativo à polêmica que envolve a empresa Transcotta, que no último dia 06, desligou 27 auxiliares, também conhecidos como “trocadores” ou “cobradores”, das linhas municipais da cidade.
Ao apresentar o projeto de lei, o vereador Bruno Mól destacou que a demissão dos auxiliares pela empresa que possui a concessão do transporte coletivo da cidade foi uma ameaça à Prefeitura pelo reajuste da passagem.  “A empresa não pode tomar nenhuma medida sem antes pedir autorização ao poder público. E isso não aconteceu. E como forma de pressionar a Prefeitura em dar o reajuste em um momento inapropriado, em que a população está desempregada, sem recurso e precisa do transporte público coletivo, ela vem ameaçar a prefeitura a dar o reajuste mandando 27 auxiliares embora”, apontou Bruno.
Hoje, Bruno Mól voltou a falar sobre o assunto ao publicar um vídeo no seu perfil do Facebook. No vídeo, ele disse que o prefeito Duarte Jr. esteve na reunião e assumiu o compromisso de sancionar a lei e colocá-la em prática, impedindo a prática ilícita que a empresa estava cometendo. Bruno finalizou afirmando que a Câmara mostrou aos marianenses que existe um poder constituído e que ele tem que ser respeitado. E que a empresa trate a população de forma respeitosa, de forma digna, e que não cometa essa atrocidade e tantas outras que ela vem cometendo na cidade.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 9 de setembro de 2021 às 19:33