O que você procura?


Imóvel centenário de Mariana é restaurado e vai abrigar a história de uma das primeiras bandas do Brasil

O imóvel histórico possui cerca de 100 metros quadrados de área construída e, como está localizado em uma região tombada pelo Patrimônio Cultural, terá seu tamanho e fachada preservados.

admin 21 de setembro de 2021 às 21:39
Tempo de leitura
4 min
Foto: Pedro Ferreira/Fundação Renova
Foto: Pedro Ferreira/Fundação Renova

A história da Sociedade Musical São Caetano ganha um novo capítulo com a restauração da Casa da Banda, imóvel centenário localizado no distrito de Monsenhor Horta, em Mariana (MG). Após as intervenções, executadas pela Fundação Renova, o espaço irá abrigar o acervo histórico da música marianense.

As obras, iniciadas em setembro, estão sendo realizadas em atendimento à condicionante para a construção do reassentamento de Paracatu de Baixo. As intervenções seguem o projeto conceitual elaborado pela Prefeitura de Mariana e foram definidas pelo Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Mariana (Compat), tendo em vista os impactos causados pelo tráfego de caminhões em Monsenhor Horta para as obras do reassentamento.

O imóvel histórico possui cerca de 100 metros quadrados de área construída e, como está localizado em uma região tombada pelo Patrimônio Cultural, terá seu tamanho e fachada preservados. Serão realizadas melhorias de acessibilidade, com a construção de uma rampa de acesso e a adaptação do banheiro para pessoas com mobilidade reduzida, substituição de telhas degradadas, restauração do piso e manutenção na alvenaria.

LEIA TAMBÉM:  Após seis anos da tragédia de Mariana, primeira parede do Novo Paracatu é levantada

As intervenções estão sendo executadas de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h. Para o trabalho, a Fundação Renova adotou medidas de prevenção à Covid-19, como testagem de 50% dos trabalhadores de forma alternada a cada 20 dias, aferição diária de temperatura e uso obrigatório de máscaras e álcool em gel.

Durante o período de execução das obras, os tapumes utilizados no entorno do imóvel trarão informações sobre as intervenções do local e também contarão um pouco da história da Sociedade Musical São Caetano, incluindo detalhes sobre o seu reconhecimento como patrimônio imaterial de Mariana, e do nascimento da Casa da Banda.

As obras têm previsão de duração de oito meses. Após a conclusão, o imóvel será entregue para a gestão da Prefeitura de Mariana. 

LEIA TAMBÉM:  Mariana e Ouro Preto podem ter chuvas em todos os dias na última semana de outubro

História

Foto: Pedro Ferreira/Fundação Renova

O imóvel histórico foi usado pela Sociedade Musical São Caetano, fundada em 1836, para aulas de música. Em 1993, a comunidade encontrou partituras, fotos e cartas no sótão de outra casa, de propriedade da família Ramos – que foi uma das fundadoras da banda de Monsenhor Horta.

O acervo, bastante deteriorado, foi entregue ao Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) para que pudesse ser restaurado. 

A Casa da Banda nasce, então, como um espaço para abrigar os materiais encontrados, reunindo parte da história do distrito e de sua relação com a música.

A Sociedade Musical São Caetano é a mais antiga da região dos Inconfidentes, a terceira de Minas Gerais e a quarta do Brasil. Em 2016, foi reconhecida como patrimônio imaterial de Mariana.

LEIA TAMBÉM:  Mariana: Linha de ônibus para Belo Horizonte partirá do centro da cidade

Sobre a Fundação Renova

A Fundação Renova é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar os programas e ações de reparação e compensação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão.

A Fundação foi instituída por meio de um Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas Vale e BHP, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente, dentre outros), em março de 2016.