O que você procura?


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Manifestantes ocupam entrada da Samarco e fecham MG-129 em protesto aos 6 anos do desastre em Mariana

“O lucro não vale a vida”, essa é uma das frases utilizadas pelos protestantes que estão em frente à Samarco.

Rômulo Soares 5 de novembro de 2021 às 10:52
Tempo de leitura
4 min
Fotos: Agatha Azevedo / MST
Fotos: Agatha Azevedo / MST

Cerca de 500 pessoas do Movimento Sem Terra (MST), junto com o Levante Popular da Juventude e o Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM), foram até a entrada da mineradora Samarco, em Mariana, perto da mina de Fazendão, que pertence à Vale, na manhã desta sexta-feira, 5 de novembro. O protesto trata do rompimento da barragem de Fundão, que matou 19 pessoas e foi a maior tragédia ambiental do Brasil, que completa seis anos hoje.

Cerca de cinco ônibus chegaram por volta das 5h para protestar em frente à empresa. “O lucro não vale a vida”, essa é uma das frases utilizadas pelos protestantes que estão em frente à Samarco. Além disso, o grupo ocupou todas as faixas da MG-129, mas por volta das 10h30, o trânsito foi liberado.

De acordo Silvio Netto, da Direção Nacional do MST, o crime da Samarco em Mariana expôs os problemas do modelo de mineração que é feito em Minas Gerais, que continua resultando graves problemas como o rompimento da barragem em Brumadinho, ocorrido em janeiro de 2019, matando 272 pessoas.


“É importante ressaltarmos que esse modelo de mineração cria problemas ambientais e sociais, gera baixa arrecadação aos municípios, cria dependência e empregos que oferecem risco a toda a população mineira. Enquanto isso, toda a riqueza explorada beneficia o capital estrangeiro, materializado em empresas como a Samarco, a Vale e a BHP”, denuncia Silvio.

O terceiro prazo de entrega dos reassentamentos completou seis meses de vencimento em agosto e apenas 10 das 203 casas do novo Bento Rodrigues foram finalizadas. Em Paracatu de Baixo, outra comunidade atingida pela lama, a lentidão na entrega das residências é ainda maior, sem nenhuma parede das casas construída. De acordo com a Fundação Renova, entidade de reparação da Vale e Samarco, seis residências tiveram obras iniciadas, mas apenas a montagem de instalação foi concluída.

Segundo o MPMG, o prazo inicialmente informado pela Fundação Renova para a entrega das casas era março de 2019. Depois, a partir de decisão judicial, foi fixado o dia 27 de agosto de 2020. Por fim, uma nova determinação da Justiça definiu o dia 27 de fevereiro deste ano como a data final para a entrega das casas.

Para Esther Hoffmann, também da Direção Nacional do MST, o ressarcimento financeiro é insuficiente diante das consequências do rompimento da barragem, tanto no âmbito ambiental, quanto social e de vidas perdidas.

“Quando nós (os movimentos sociais) propomos um projeto popular de mineração, regulado pela necessidade social, com a participação das comunidades, além de instrumentos de fiscalização mais eficazes e prevenção de desastres, estamos pautando a vida acima do lucro, estamos defendendo a soberania do nosso país e os nossos direitos a uma vida digna com moradia, alimentação saudável, saúde, entre outras”, salienta.

Segundo Silvio Netto, não há previsão para que o grupo deixe o local e os manifestantes aguardam um posicionamento da empresa. “Hoje é o dia todo de protesto, seja na (porta) Samarco, nas redes sociais, no centro de Mariana. Vamos ter diversas atividades”, destacou. 

Viaturas da Polícia Militar Rodoviária acompanham o ato. A reportagem do Mais Minas entrou em contato com a Samarco, que enviou o seguinte posicionamento:

“A Samarco segue firme em seu compromisso com as ações de reparação e compensação dos impactos decorrentes do rompimento da barragem de Fundão, que jamais serão esquecidos pela empresa.

A empresa reafirma, mais uma vez, seu comprometimento com a reparação de danos e com o Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC) firmado, em março de 2016, pela Samarco e seus acionistas, Vale e BHP, governos federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo e outras entidades. Até o momento, já foram indenizadas mais de 336 mil pessoas, tendo sido destinados mais de R$ 15,57 bilhões para as ações executadas pela Fundação Renova, que conduz ainda ações de recuperação da flora e fauna, além dos processos de reassentamentos que contam com a participação direta dos atingidos e do poder público em todas as etapas e são acompanhados pelo Ministério Público de Minas Gerais”.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 5 de novembro de 2021 às 17:17