O que você procura?

Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Proposta de cronograma de ações a serem realizadas pela Renova, no caso Samarco, é homologada pela Justiça

Rodolpho Bohrer 5 de novembro de 2019 às 16:55
Tempo de leitura
3 min

Foi homologada pela Justiça Federal uma proposta de cronograma de ações a serem realizadas pela Fundação Renova, em relação ao rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, com a determinação de entrega de resultados de recuperação/reparação socioambientais que tragam benefícios concretos para a sociedade e que deverão ser produzidos a curto, médio e longo prazos. Além disso, foi designada para o dia 11 de dezembro de 2019 uma audiência para que as partes na Ação Civil Pública (ACP) apresentem os eixos temáticos definidos como prioritários, eventuais acordos, e na hipótese de não haver acordo, pontos controversos, que serão apreciados pelo Justiça.

Na próxima sexta-feira, 8, haverá uma reunião na sede do Ministério Público Federal, em Belo Horizonte, para negociação da proposta apresentada pelos órgãos públicos. A expectativa do MPMG é que neste dia seja firmado um acordo com a Renova, a Samarco e suas controladoras, Vale e BHP, para impulsionar o processo de reparação, possibilitando a entrega de resultados efetivos para a sociedade, tanto nos aspectos socioambientais, como socioeconômicos.

Homologação da proposta de cronograma


Em audiência realizada no dia 15 de outubro, na 12ª Vara Federal, em Belo Horizonte, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) propôs, às partes envolvidas na ACP, que seja estabelecido um acordo para definir ações a serem realizadas pela Fundação Renova, com a determinação de entrega de resultados de recuperação/reparação socioambientais. A ACP contra a Samarco Mineração, Vale e BHP Billiton foi proposta pela União, Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, Ministérios Públicos Federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo, Defensorias Públicas da União, de Minas Gerais e do Espírito Santo.

Definição dos eixos prioritários

No dia 31 de outubro, na sede do MPMG, em Belo Horizonte, foi realizada reunião que contou com a presença de Promotores de Justiça, Procuradores dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, representantes técnicos dos dois estados e das empresas de auditoria independente que prestam serviços ao Ministério Público no caso Samarco (Aecom, Ramboll, Lactec e Fundação Getúlio Vargas), para definir eixos prioritários para as ações da Fundação Renova para 2020.

Durante a reunião, foram definidas nove grandes áreas, dentre as ações realizadas pela Renova, com a determinação de entrega de resultados de recuperação e reparação socioambientais e socioeconômicos que tragam benefícios concretos para a sociedade e que deverão ser produzidos até o mês de setembro do próximo ano.

Reunião com especialistas

No dia 1º de novembro as partes envolvidas estiveram reunidas na sede do MPF, em Belo Horizonte. O encontro contou com a presença dos representantes técnicos e do corpo jurídico da Fundação Renova e das empresas Vale, Samarco e BHP. Foram discutidas propostas de medidas de curto e médio prazos apresentadas pelos órgãos públicos dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo e seus respectivos cronogramas de implementação.

Ata de audiência do dia 15 de outubro:

[wp-embedder-pack width=”100%” height=”400px” download=”all” download-text=”” attachment_id=”85336″ /]

* Texto com informações do Ministério Público de Minas Gerais

Leia também: Interativo: 4 anos do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, e a busca por justiça

DEIXE SEU COMENTÁRIO

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.