O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Minas Gerais tem 324 cidades em estado de calamidade pública devido à pandemia

Rômulo Soares 5 de junho de 2020 às 12:05
Tempo de leitura
4 min

De acordo com o Projeto de Resolução (PRE) 100/20, que reconhece o estado de calamidade pública em razão da pandemia do novo coronavírus, Minas Gerais tem 324 cidades em estado calamitoso, o que corresponde a mais de um terço de todos os 853 municípios.
Na última quinta-feira (4), a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou em um turno único o estado de calamidade de mais 50 municípios, resultando nos 324 no total.
Entre os municípios abrangidos pelo PRE 100/20, estão as cidades históricas de Ouro Preto e Tiradentes, na Região Central do Estado. Agrupados segundo as macrorregiões mineiras, veja todas as cidades que entraram em estado de calamidade pública durante a pandemia:

  • Região Central (incluindo municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte): Augusto de Lima, Buenópolis, Joaquim Felício, Morada Nova de Minas, Nova Era, Ouro Preto, Papagaios, Pompéu, Raposos, São José do Goiabal e Tiradentes;
  • Região Norte: Berizal, Catuti, Chapada Gaúcha, Divisa Alegre, Francisco Sá, Grão Mogol, Jaíba, Japonvar, Montalvânia, Olhos-d’Água, Patis, Rubelita e Ubaí;
  • Zona da Mata: Alto Caparaó, Coimbra, Luisburgo, Paula Cândido, Pedro Teixeira, Piranga, Santa Rita de Ibitipoca e Tocantins;
  • Região Sul: Capetinga, Carrancas, Machado, Passa-Vinte, São Bento Abade e São Tomé das Letras;
  • Rio Doce: Dom Cavati, Fernandes Tourinho e São João do Manteninha;
  • Noroeste: Arinos, Lagamar e Presidente Olegário;
  • Jequitinhonha e Mucuri: Ladainha e Pavão;
  • Triângulo Mineiro: Araporã e Itapagipe;
  • Centro-Oeste: Bambuí;
  • Alto Paranaíba: Lagoa Formosa.

Apesar de os decretos municipais de calamidade pública dos 50 municípios listados pelo PRE 100/20 já estarem em vigência, as respectivas prefeituras precisam da aprovação da ALMG para obter o direito de suspensão de prazos e limites referentes a despesas com pessoal e dívida pública fixados pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).
O estado de calamidade nesses municípios terá validade por um prazo de 120 dias, a partir da data de entrada em vigor do respectivo decreto municipal. Esse reconhecimento poderá ser prorrogado pela Assembleia Legislativa enquanto houver a pandemia de Covid-19 no município.


Suspeitas de fraudes nas calamidades

Em maio, o deputado estadual Cleiton Gontijo de Azevedo (PPS), conhecido como Cleitinho, gravou um vídeo no Hospital de Campanha construído pelo Governo de Minas Gerais no Expominas, em Belo Horizonte, denunciando que o estado não sofre tanto com a pandemia como os demais estados do Sudeste. Além disso, ele acusa que municípios estejam decretando estado de calamidade pública para utilizar recursos sem licitação, o que o próprio deputado denomina de “roubar dinheiro da população”.
O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (NOVO), explicou que o que fala no vídeo é real, mas que trata-se de um hospital de campanha com o custo mais barato do Brasil e que o estado tem se preparado para o pior cenário. “O nosso hospital de campanha tem 768 leitos e custou R$ 5,3 milhões, e pelo que tenho conhecimento, é o mais barato do país. Lembrando que 80% do valor foi doado pela Fundação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG). Além disso, eu posso afirmar que nós fizemos a compra de 1.047 respiradores que serão entregues agora em junho, julho e agosto, utilizando um recurso de uma multa aplicada às empresas Vale e Samarco pelas tragédias de Brumadinho e Mariana. Então, estamos preparando Minas para o pior que ocasionalmente venha a acontecer”, declarou Zema.
Veja o vídeo:

Veja também: “Minas Gerais não adere ao teste rápido por causa do preço”, afirma representante da Secretaria de Saúde

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 28 de agosto de 2021 às 17:17