O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Posto em Ouro Preto tem fila e paralisação dos tanqueiros preocupa

Motoristas de caminhões que transportam combustíveis – os tanqueiros – iniciaram uma greve e pararam de rodar na madrugada desta quinta-feira em Minas Gerais.

Rômulo Soares 21 de outubro de 2021 às 23:23
Tempo de leitura
2 min
Foto: Ane Souz
Foto: Ane Souz

No posto das Lajes, na rua Conselheiro Quintiliano, em Ouro Preto, foi registrado uma grande fila de carros na noite desta quinta-feira, 21 de outubro. O motivo é a falta de gasolina por conta da paralisação dos tanqueiros em Minas Gerais.

Veja o vídeo:


Vídeo: Ane Souz

Também foi registrado fila em posto na Av. do Andradas, no bairro Santa Efigênia, em Belo Horizonte, devido à ameaça de desabastecimento.

Motoristas de caminhões que transportam combustíveis – os tanqueiros –  iniciaram uma greve e pararam de rodar na madrugada desta quinta-feira em Minas Gerais. De acordo com o Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (SindTaque-MG), cerca de 80% dos caminhoneiros estão parados.

A paralisação se trata de um ato de protesto contra o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis em Minas e os altos custos dos combustíveis praticados pela Petrobras. Dois caixões, simbolizando a “morte do frete”, foram colocados na entrada da BR Distribuidora. O movimento também está sendo realizado no Rio de Janeiro e Espírito Santo.

O Governo de Minas ainda não disse quando vai se reunir com os manifestantes, mas lembrou que no último dia 13, a Câmara dos Deputados aprovou um Projeto de Lei que estabelece um valor fixo para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis em todo o país. 

Os governos estaduais já se posicionaram contra a mudança e afirmam que ela representaria perda anual de R$ 32 bilhões em arrecadação, R$ 3,6 bilhões só em Minas Gerais. 

“Essa redução também terá impacto direto nos cofres dos 853 municípios mineiros, uma vez que 25% (R$ 900 milhões) são destinados às prefeituras. Importante ressaltar que esses recursos são essenciais para o funcionamento dos serviços públicos necessários para toda a população”, declarou o Governo de Minas Gerais, por meio de nota. 

Mais uma vez, o governo de Minas reforçou que os últimos reajustes nos valores dos combustíveis devem-se à política de preços praticada pela Petrobras, e não ao ICMS. 

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 22 de outubro de 2021 às 02:46