O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

SOS Amarantina: caos, perdas e a solidariedade para a recuperação dos atingidos pela chuva

Segundo a prefeitura, até ontem, 30 famílias foram removidas de áreas de risco e abrigadas em casa de familiares próximos ou na Escola Municipal Major Raimundo Felicíssimo.

Rômulo Soares 20 de outubro de 2021 às 18:01
Tempo de leitura
8 min
Foto: Ane Souz / PMOP
Foto: Ane Souz / PMOP

Pelo menos 100 casas foram afetadas pela chuva que atingiu Ouro Preto, principalmente no distrito de Amarantina. De acordo com o secretário de Defesa Social do município, foram registrados 200 mm de chuvas na segunda-feira, 18 de outubro. Segundo a prefeitura, até ontem, 30 famílias foram removidas de áreas de risco e abrigadas em casa de familiares próximos ou na Escola Municipal Major Raimundo Felicíssimo.

Ítalo Meira mora de aluguel em uma casa bem próxima ao Rio Maracujá, que transbordou, em Amarantina e perdeu seus móveis com a enchente. Ele conta ao Mais Minas que a água chegou até 1,5 metro dentro de sua residência e teve que agir bem rápido para pegar pelo menos as roupas de sua filha, de apenas dois anos de idade, há tempo.


“A gente estava começando a fazer uma janta e, com pouco tempo, começou a chegar água, foi questão de segundos. Com 15 segundos a água já estava invadindo dentro de casa. Deu tempo de tirar as roupas da minha criancinha e, graças a Deus, consegui resgatar poucas coisas, mas os móveis não deram para recuperar. Nós não tivemos mais acesso à casa, devido o grande perigo, a correnteza estava muito forte, então nós não entramos dentro de casa mais, porque ficamos com muito medo”, conta Ítalo.

O morador atingido pela chuva conta que recebeu as doações na escola, além de uma geladeira e um fogão. No entanto, Ítalo pede doações de móveis para guardar comida e as roupas de sua filha.

“Nós precisamos, com urgência, de um armarinho de cozinha, que nós também perdemos, para colocar a alimentação, ou uma cômoda pequena para colocar a roupa da minha criança de 2 anos que eu tenho. A nossa dá para deixar até dentro de um saco mesmo que, em nome de Jesus, Deus vai abençoar, alguém vai nos ajudar nesse momento. Não foi só eu que sofri não, muitas famílias também”, disse Ítalo.

SOS Amarantina: caos, perdas e a solidariedade para a recuperação dos atingidos pela chuva
Moradores se ajudam para recuperar as casas do distrito / Foto: Reprodução / PMOP

Outro morador que foi fortemente atingido pela chuva em Amarantina foi Bruno Rioga, que precisou de uma escada do vizinho para ele e sua mãe pularem o muro de sua casa, que foi tomada pela água.

“Nós perdemos todas as mobílias da nossa casa, tudo. A água subiu muito rápido. Em menos de 30 minutos a água já estava na altura. Não conseguimos resgatar nada. Mas, graças a Deus, a gente está bem, conseguimos sair a tempo. A água subiu muito rápido, os vizinhos jogaram uma escada, a gente pulou o muro e fomos para a casa deles, que é mais alta”, conta Bruno ao MM.

Rioga disse que sua família tentou ligar o fogão e uma trempe funcionou. Já a geladeira, liga e desliga o tempo todo. De resto, a família de Bruno perdeu tudo o que tinha para a água.

Bruno disse que na madrugada de segunda para a terça, depois que o Rio Maracujá diminuiu, sua família foi para a casa da sua irmã, que mora perto e também foi atingida, porém em menor escala. Eles tiveram que limpar a residência, que ficou coberta até a altura da panturrilha, para dormir.

Já de terça para esta quarta-feira, Bruno dormiu na casa de uma amiga, porque passou o dia inteiro tentando tirar o barro da casa que mora com sua mãe. Para retirar a lama, foi utilizada a água da chuva mesmo, já que não tem água na residência e o caminhão-pipa não foi até sua rua ontem.

“A força-tarefa continua. Tem uma casa aqui na rua vizinha que tem uma bomba. Eles deixaram pegar água lá se a gente precisar, porque o terreno nosso é longe da casa, ficou muita lama, se o caminhão-pipa, mesmo se vier, não vai conseguir entrar, porque ele vai ficar atolado na lama. A gente está utilizando essa água do vizinho para terminar de lavar a casa”, disse Bruno.

De acordo com o morador de Amarantina atingido pela chuva, apesar do mutirão na escola para arrecadação de doações, a contribuição para a limpeza das casas foi feita completamente pelos populares, que estão se ajudando neste momento difícil. Quanto ao futuro, Bruno ainda não sabe dizer como vão conseguir novos móveis, mas disse que toda ajuda é bem-vinda.

“Foi tudo tão forte, de repente, que estamos meio desorientados, mas toda ajuda é bem-vinda. Uma moça me ligou hoje, falou que vai trazer colchão para nós, porque a cama minha e da minha mãe ficaram de baixo de água. Então, toda ajuda é bem-vinda”, finalizou.

Veja como está a casa de Bruno Rioga após a chuva forte dessa segunda-feira:

Reprodução / Instagram Bruno Rioga

Leandro Rodrigues, outro morador de Amarantina atingido pela chuva, contou à Prefeitura de Ouro Preto como foi o momento da enchente. Ele ficou em uma situação muito complicada, tendo que resgatar o seu veículo, seu pai, sua esposa e sua filha, de apenas cinco anos.

“A casa do lado é do meu pai, ele é cadeirante. Do outro lado é a casa da minha tia, onde eu guardo o meu carro. O tempo que eu fui tirar o veículo já estava entrando água na casa do meu pai. Eu tirei o carro, fui para socorrer ele. Quando eu fui socorrer ele, começou a entrar água na minha casa. Eu tenho uma filha de cinco anos. Ela ficou apavorada com a minha esposa. No tempo que eu vim na minha casa, já estava totalmente alagado lá na casa do meu pai. Por sorte, meu irmão chegou e conseguiu retirar o meu pai. Isso tudo aconteceu em 10 minutos”, conta o morador.

Leandro ainda disse que ele, seu pai e seu irmão não conseguiam passar pela correnteza para sair da casa, então outros moradores tiveram que ajudar a família. Assim que eles conseguiram sair da residência, metade da casa caiu.

“Vieram, fizeram o mapeamento, pegaram alguns dados e estão encaminhando para a gente pegar uma moradia do meu pai até ver o que vai ser providenciado”, disse Leandro.

Sob supervisão da defesa Civil, a casa do senhor Durval, pai de Leandro, precisou ser totalmente demolida. O morador está recebendo apoio da assistência social do Município, de acordo com a Prefeitura de Ouro Preto.

A Secretaria de Defesa Social de Ouro Preto diz que mapeia os danos causados nas residências e o suporte aos atingidos. Um plano estratégico está sendo elaborado para amenizar os problemas causados pelas chuvas, em especial nas casas construídas próximas ao nível do rio Maracujá.

“Estamos com equipes mobilizadas em todos os pontos críticos do nosso município, com o apoio das prefeituras de Itabirito e Mariana, além de empresas, como a Ferro Puro e Irmãos Machado. Todos estão liberando veículos, recursos materiais e mão de obra para que, nesse grande mutirão, nós possamos enfrentar a destruição causada pela tromba d’água. Amarantina está em um ponto mais baixo, é atravessada pelo Rio Maracujá, recebendo toda a água que vem de Cachoeira do Campo e Santo Antônio do Leite. Nós estamos com um quadro assustador. É importante toda essa mobilização que está sendo muito bem coordenada pelas equipes de Defesa Civil, Secretaria de Obras e Desenvolvimento Social, com essa rede de solidariedade que envolve os municípios vizinhos, as empresas, as pessoas e as igrejas”, disse o prefeito Angelo Oswaldo (PV) através das redes sociais da Prefeitura de Ouro Preto.

Angelo ainda disse que a administração municipal espera superar os danos causados pela chuva em Amarantina ainda nesta semana, recuperando o máximo possível das residências locais.

“Nós esperamos, durante esta semana, superar os obstáculos, limpar e reorganizar tudo, reconstruir o que for possível, adotando um plano estratégico com relação àquelas casas que foram construídas quase no nível do Rio Maracujá. Havendo uma chuva mais forte, claro, ocorrerão, sempre, danos graves como esse que vimos agora”, finalizou o prefeito.

Doações

As doações estão sendo recebidas na Escola Municipal Major Raimundo Felicissimo, em Amarantina. Em Ouro Preto, os donativos podem ser feitas na Casa de Gonzaga (Secretaria de Turismo) e no Centro de Atendimento ao Cidadão, localizado na Câmara Municipal.

Em Cachoeira do Campo, as doações estão sendo recebidas na Escola Municipal Professora Haydée Antunes, também conhecida como “CAIC”, localizada na Avenida Um, s/nº, no Bairro Vila Alegre.

Também há a possibilidade de realizar doações pelo PIX: 3198591-4602, em nome de Sandra Aparecida da Silva. Após a contribuição, é necessário enviar o comprovante para o mesmo número de telefone.

Inclusive, o lateral-direito do América, Patric, se mobilizou com o caso e esteve presente em Amarantina ontem para doar 100 cestas básicas para os atingidos.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 20 de outubro de 2021 às 18:04