EntretenimentoNetflixTV

‘O Menino que Descobriu o Vento’: a história do menino africano que salvou uma aldeia da fome

Chiwetel Ejiofor nos apresenta a história do jovem William Kamkwamba, que cresceu na pobreza no Malawi, país da África Oriental, enfrentou a fome e construiu um moinho de vento com inteligência e engenhosidade que mexe com a sensibilidade do telespectador.

“O Menino que Descobriu o Vento” conta a história real de William Kamkwamba, que inventou um uma turbina impulsionada pelo vento e que salvou sua aldeia da fome. A história mudou tanto Ejiofor que ele decidiu transformá-la em um filme, marcando sua estreia como diretor.

William, personagem interpretado por Maxwell Simba, de 14 anos, cresce em uma pequena aldeia no Malawi. Seu pai Trywell (Chiwetel Ejiofor) é um agricultor que está ansioso para salvar sua família de escorregar abaixo do nível de subsistência. Mas o dinheiro é escasso e as fortes chuvas destruíram a colheita. A filha Annie (Lily Banda) espera poder ir para a universidade.

William também sonha com uma vida melhor, mas como seu pai não tem mais como pagar as mensalidades da escola, ele tem que deixá-la. Um dos professores, no entanto, permite que ele ainda frequente a biblioteca e assim possa adquirir conhecimento através dos livros. Com sucesso: de peças de sucata à posse mais valiosa de seu pai, uma bicicleta, ele consegue construir um moinho de vento, que gera eletricidade para toda a aldeia.

Nascido em Londres e filho de imigrantes nigerianos, Chiwetel Ejiofor conta a história de “O menino que descobriu o vento” em uma história purista africana em que não aparece um único homem branco – dos protagonistas aos políticos corruptos que não estão nem um pouco preocupados com as necessidades da população rural.

A vida na aldeia sem eletricidade, dominada pela agricultura de subsistência, que sempre corre o risco devido as oscilações das condições meteorológicas – às vezes pelo excesso de chuvas, por vezes, da falta de chuva. A única saída é a educação. Os alunos muitas vezes levam horas caminhando até a escola mais próxima em uma cidade remota. A aldeia parece ter mudado pouco ao longo das décadas. O tempo parece ter ficado parado ali. Mas Ejiofor não transfigura essa existência tradicional, mas a mostra de maneira bastante sóbria, com todas as suas vantagens e desvantagens.

Isso acontece com uma casualidade de atuação ocasionalmente quase inacessível, que, no entanto, se encaixa muito bem com essa história. A maneira mais óbvia e mais fácil teria sido dramatizar ainda mais as dificuldades da família, e especialmente sua fome, para finalmente estilizar a salvação da ingenuidade de William em um momento empolgante e heróico. Às vezes, os violinos choramingam na trilha sonora, enquanto a luz brilha cheia de beleza sublime, mas em geral Ejiofor evita o sentimentalismo.

O destino de Williams e sua ingenuidade falam por si mesmos, ao invés de pelos meios cinematográficos exaltados serem simplesmente mantidos. Tão grandioso quanto “Diamante de Sangue”, que mostra a extração de diamantes em zonas de guerra africanos e “Lágrimas do Sol”, que mostra a guerra civil na Nigéria.

O filme está disponível na Netflix.

Assista o trailer:

Fechar