ESTOCOLMO (AP) – É um termo comum hoje em dia, utilizado para descrever o vínculo que as vítimas de sequestros ou situações de reféns às vezes desenvolvem com seus captores: “Síndrome de Estocolmo”. E recebeu esse nome há 50 anos esta semana, durante um assalto fracassado a um banco na capital da Suécia.

A síndrome de Estocolmo – inicialmente apelidada de “síndrome de Norrmalmstorg”, em homenagem à praça onde ocorreu o assalto ao banco – tem sido usada desde então em conexão com tomadas de reféns em todo o mundo, incluindo o sequestro da herdeira de jornais Patty Hearst na década de 1970.

Aqui está uma olhada na síndrome de Estocolmo e como ela recebeu esse nome.

O que é Síndrome de Estocolmo?

Refere-se ao vínculo que pode se desenvolver entre os reféns e seus captores em situações de tomada de reféns e sequestro. Em alguns casos, os reféns podem desenvolver simpatia pelos seus captores e pela sua causa – e até virar-se contra a polícia. Em vez de um diagnóstico de uma doença, os especialistas descrevem-na como um mecanismo de resposta psicológica utilizado por alguns reféns para suportarem o facto de serem mantidos em cativeiro e sofrerem abusos.

Como é que recebeu esse nome?

O termo remonta ao criminologista e psiquiatra sueco Nils Bejerot, que aconselhou a polícia num impasse durante um assalto a banco na capital sueca em agosto de 1973. Durante o impasse, alguns dos reféns pareciam estar do lado dos sequestradores e contra a polícia, um fenômeno que Bejerot chamou de “síndrome de Norrmalmstorg”. Internacionalmente, ficou conhecida como síndrome de Estocolmo.

Filha de Bejerot, Susanne diz que seu pai, que morreu em 1988, nunca pensou que o termo ganharia tanta força em todo o mundo. “Ele não entendia que isso se tornaria algo tão grande”, disse ela na quarta-feira.

+ O copo ou taça ideal para cada tipo de drinque

O que aconteceu durante esse roubo a banco?

Em 23 de agosto de 1973, o ladrão condenado Jan-Erik Olsson, 32 anos, tentou roubar um banco no centro de Estocolmo enquanto estava de licença da prisão. A polícia respondeu rapidamente e seguiu-se um impasse.

Olsson, armado com uma submetralhadora, fez quatro funcionários do banco como reféns e exigiu 3 milhões de coroas suecas, um colete à prova de balas e um carro de fuga. Ele também exigiu que seu ex-companheiro de prisão, Clark Olofsson, fosse libertado da prisão e levado ao banco. As autoridades concordaram.

O drama foi transmitido ao vivo na televisão na Suécia, enquanto a polícia tentava persuadir Olsson e Olofsson a se renderem. Até o primeiro-ministro Olof Palme se envolveu nas negociações.

A certa altura, uma refém, Kristin Enmark, disse a Palme por telefone que tinha medo da polícia, não dos dois criminosos. Ela apelou às autoridades para que atendessem às suas demandas. Enmark disse mais tarde que desenvolveu um vínculo com Olofsson, a quem ela via como o garante de sua segurança.

Dois policiais ficaram feridos com ferimentos a bala durante o impasse, que terminou em 28 de agosto, quando a polícia, usando gás lacrimogêneo, invadiu o banco, prendeu Olsson e Olofsson e libertou os reféns.

Outros exemplos de Síndrome de Estocolmo

Um dos casos mais conhecidos aconteceu no ano seguinte, 1974, quando Patty Hearst, a neta de 19 anos de um rico magnata da imprensa, foi raptada nos Estados Unidos pelo Exército Simbionês de Libertação, um grupo revolucionário armado desconhecido.

Dois meses depois, surgiram questões sobre os laços de Hearst com os seus captores – e a noção da síndrome de Estocolmo – depois de Hearst declarar a sua lealdade ao SLA, denunciar a sua família e posar para uma fotografia carregando uma arma em frente à bandeira do SLA. Ela foi presa em 1975 e condenada a sete anos de prisão. O presidente Jimmy Carter comutou sua sentença em 1979. Mais tarde, ela foi perdoada pelo presidente Bill Clinton.

A síndrome de Estocolmo também tem sido aplicada no contexto de vítimas de violência doméstica ou abuso sexual infantil que desenvolvem ligações com os seus agressores.

Real ou mito?

A síndrome de Estocolmo não está listada como diagnóstico pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Psiquiátrica Americana ou pela Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Alguns especialistas questionam se se trata de uma condição psicológica ou apenas de uma estratégia de sobrevivência – escolhas racionais feitas por algumas pessoas quando enfrentam perigos extremos.

Nos EUA, alguns especialistas em aplicação da lei afirmaram que o fenómeno é raro e excessivamente publicitado pelos meios de comunicação social. Mas ainda aparece frequentemente na cultura popular, incluindo livros, filmes e música, e entrou no léxico inglês como um termo informal para designar pessoas que criam laços inesperados com outras pessoas que as tratam mal.

A síndrome de Estocolmo inspirou filmes como o thriller de 2013 “Labor Day” com Kate Winslet, Josh Brolin e Gattlin Griffith e o filme de 2018 “Estocolmo” com Ethan Hawke e Noomi Rapace. Este último relatou o assalto fracassado ao banco em 1973. É também o título de músicas de bandas como One Direction, Muse e Blink-182.

Fonte: Karl Ritter e Jan M. Olsen de Associated Press, via National Post

COMENTÁRIOS
Share.

Perfil publicador de releases e guest posts, sem autoria própria. Consulte a fonte ao final das matérias/artigos.