O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Bolsonaro revoga decreto de armas e publica novas regras sobre o tema

Rodolpho Bohrer 26 de junho de 2019 às 10:22
Tempo de leitura
2 min

O Presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), recuou e revogou o decreto que flexibilizava o porte de armas. Entretanto, o presidente editou três novos decretos que tratam do mesmo tema. Além dos novos decretos, Bolsonaro ainda enviou um projeto de lei para a Câmara.

Tanto a revogação quanto os novos decretos foram publicados no Diário Oficial. Com o recuo do decreto voltam a valer a regulamentação sobre o porte e posse de armas, criada em 2004.


As novas propostas foram apresentadas no Congresso Nacional pelo ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni. De acordo com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), o projeto de lei trata do porte de armas em zonas rurais. O projeto visa permitir a posse de armas de fogo por toda propriedade rural, e não mais apenas na sede.

No mesmo dia da publicação da revogação o porta-voz da Presidência, Otavio Rêgo Barros, havia afirmado que o governo não revogaria o decreto e aguardaria a tramitação no Congresso. O presidente havia publicado o decreto em maio. Desde então, o governo recebia fortes críticas e o projeto foi derrubado no Senado na semana passada.

As derrotas do decreto

No dia 18 de junho o Senado aprovou a revogação do decreto de Bolsonaro, por 47 votos a 28. A discussão no Plenário foi que a alteração no estatuto do desarmamento por meio de decreto era inconstitucional. De acordo com os senadores, a atualização do estatuto deve ser feita por meio de projetos de lei.

O presidente Jair Bolsonaro criticou a decisão do Senado por meio das redes sociais. “O direito a legítima defesa não pode continuar sendo violado”, escreveu Bolsonaro.

Após a derrota no Senado, o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia afirmou que a os deputados provavelmente iriam barrar o decreto. “Depois da decisão do Senado de derrubar o decreto de armas, na minha opinião esse pode ser o caminho da câmara.”, afirmou Maia.

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 3 de novembro de 2021 às 21:56