O que você procura?


Golpistas usam redes sociais para levar usuários a sites fraudulentos

Elis Bohrer 21 de setembro de 2021 às 14:06
Tempo de leitura
4 min
Foto: Pixels
Foto: Pixels

São cada vez mais comuns os relatos de pessoas lesadas em compras fraudulentas por meio da internet. Essa prática de golpe se tornou mais intensa após o aquecimento do comércio eletrônico entre 2020 e 2021. 

De acordo com dados do MMC-ENET, índice responsável por um acompanhamento sistemático da evolução de preços no varejo online, houve alta de 13,5% nas vendas de varejo online brasileiro no primeiro semestre deste ano.

No mesmo ritmo que as compras pela internet crescem disparadamente, a quantidade de crimes cibernéticos também elevou. 

Uma das principais práticas observadas ao longo dos últimos anos é a de golpistas que conduzem usuários de redes sociais a sites fraudulentos.

Sites Fraudulentos

O crime que vem ocorrendo com mais frequência acomete usuários do Facebook, que ao clicarem em uma postagem de oferta, são conduzidos a sites falsos. Geralmente são sites clonados, e quando a oferta é comparada com os valores praticados no site verdadeiro, observa-se uma divergência de valores.

Sites de empresas famosas, como Lojas Americanas, Mercado Livre e iFood, têm páginas clonadas e são utilizadas de isca pelos golpistas. Segundo a Konduto, empresa especializada em pagamentos antifraude, 280 mil compras fraudulentas foram identificadas e evitadas somente em junho de 2021.

LEIA TAMBÉM:  WhatsApp, Facebook e Instagram caíram, o que fazer?

Esse número já é maior que o registrado em maio deste ano (264 mil). A empresa, especialista em proteção de pagamentos seguros e administradora dos pagamentos do iFood, revela que o prejuízo seria de R$ 96 milhões se não tivesse sido realizada uma análise segura das transações realizadas no período.

Identificando sites confiáveis

É muito importante ter cuidado com as ofertas de produtos com valores muito baixos, divulgados em redes sociais.

Em caso de dúvidas, uma simples pesquisa no Google pode ajudar a descobrir se uma loja é confiável.

Supondo que o consumidor esteja interessado em comprar na Amazon e tenha dúvidas sobre a confiabilidade da loja, basta pesquisar por “Amazon é confiável“ e conferir o que dizem sobre a empresa.

Existem vários sites que publicam análises de lojas e comentam sobre a confiabilidade delas, então o consumidor tem vários recursos disponíveis para descobrir os melhores sites para fazer compras.

Além disso, sites de cupons de desconto e ofertas estão em alta hoje em dia, então é mais seguro recorrer a este tipo de alternativa ao acreditar em promoções duvidosas.

LEIA TAMBÉM:  Compartilhar print de conversa de WhatsApp pode gerar indenização

Por exemplo, quando o comprador estiver interessado em descontos para comprar na Amazon, basta pesquisar no Google por “desconto da Amazon” e verificar as alternativas disponíveis nos sites que aparecerem.

Como funciona a prática de golpe em redes sociais?

Segundo relatos de vítimas que foram seduzidas por anúncios de promoções no Facebook e em outras redes sociais, os principais golpes ocorrem quando a suposta empresa é limitada na forma de pagamento. 

É perceptível a falta de infraestrutura na forma de pagamento online de sites maliciosos, tendo como opção de pagamento somente boleto bancário, transferência e Pix. Os golpistas forçam os consumidores a usarem estes tipos de pagamentos, nos quais o ressarcimento dos valores é praticamente impossível, quando há má fé.

Neste sentido é importante esclarecer que, normalmente, empresas confiáveis também concedem descontos para clientes que pagam à vista, por boleto ou PIX, pois elas recebem o valor rapidamente e pagam taxas menores. Então o problema não está exatamente no modo de pagamento, mas sim na limitação de alternativas.

LEIA TAMBÉM:  Facebook terá plataforma de pagamentos, diz diretor

Empresas sérias, oferecem várias formas de pagamento, incluindo o cartão de crédito, e deixam o cliente livre para escolher o como vai pagar, pois estão focadas em criar um ambiente favorável para os mais variados perfis de consumidores. Afinal, o foco é gerar vendas e conquistar o cliente.

Já os ambientes criados para aplicar golpes, normalmente não aceitam cartão de crédito, pois este modo de pagamento envolve um trâmite “burocrático” que faz com que o valor leve mais tempo para chegar ao vendedor, enquanto os criminosos querem receber o dinheiro rapidamente.

Desconfie de e-mails

Os especialistas em proteção de dados na internet também aconselham os usuários de redes sociais a ficarem atentos com e-mails suspeitos. 

Empresas confiáveis, têm o mínimo de infraestrutura de tecnologia para serem identificadas com facilidade e exclusividade, então o consumidor deve desconfiar de promoções enviadas de e-mails de domínios como Gmail, Hotmail, Yahoo, UOL e etc.

Em tempos de crise financeira, é normal que o desejo de economizar aumente, mas é importante que a população controle o impulso de fazer compras, antes de se certificar que realmente está entregando dinheiro a um vendedor confiável.