Rima em Prosa #25: KL Jay, do Racionais, fala com exclusividade sobre o single “Território Inimigo”

Lenda viva do rap nacional, KL Jay é integrante do grupo Racionais MC’s e autor de diversos trabalhos solo, sendo a série de discos KL Jay na Batida o seu projeto individual de maior destaque. Além de sua longa carreira como produtor e DJ, o paulistano também ajudou a levar o rap para os grandes meios de comunicação, tendo apresentado o saudoso programa Yo!, na MTV, e mais recentemente o Estamos Vivos, para o canal internacional da Noisey (Vice). 

Convidado dessa semana na Rima em Prosa, o DJ mais famoso do rap nacional nos contou em entrevista detalhes da produção de Território Inimigo, seu novo single em parceria com Amiri, Anarka e Jota Ghetto.

Confira:

Território Inimigo 

Amanhã, dia 02/10, vai ao ar Território Inimigo, a nova música do DJ KL Jay. Intitulada em referência a uma frase do filme Duro Aprendizado (1995), que conta com direção de John Singleton, a faixa tem como tema central a luta contra o racismo no Brasil, o genocídio negro e o pan-africanismo.

Apesar de estar sendo lançado apenas agora, o single começou a ser produzido cerca de um ano e meio atrás. Perguntado a respeito, KL Jay nos contou um pouco sobre o início do projeto:

“A ideia da faixa surgiu a partir do sample. Tava fazendo uma pesquisa aqui, vi o sample, achei muito foda e fiz um looping dele. Diminuí a velocidade, fiz um looping dele e fiquei ouvindo. E aí eu mostrei pra outros artistas e eles não responderam. Ficou em stand-by. Depois eu mostrei pra Anarka, ela aceitou. Depois eu mostrei pra outros artistas também, e ficou no ar. Ficou de stand-by. Eles não responderam. E aí a minha intuição falou pra eu chamar o Jota Ghetto e o Amiri. E a música era pra eles, né? Pra eles três. Porque ficou muito boa. Em matéria de letra, em matéria de levada, de flow… Ficou muito boa”. 

Primeira artista mencionada pelo produtor, Anarka é uma jovem MC paulista. Até aqui, seu trabalho de maior repercussão é o primeiro volume do projeto PSICOPRETAS, lançado em 2018. Destaque também para seus versos em X da Questão e Mina de Ouro, do Projeto Preto. Mais conhecido pela faixa Boa Esperança, a qual divide com Emicida, Jota Ghetto já é veterano da cena e já havia participou de grandes projetos como Rap Box, Coligações Expressivas e a já mencionada série de discos KL Jay na Batida. Por último, temos Amiri. Autor do álbum O.N.F.K, o rapper é um dos mais habilidosos da cena brasileira e já foi destaque aqui na coluna. Seu lançamento mais recente, é o clipe de Nóis no Topo, single lançado no canal da produtora carioca PineappleStormTV. 

Contexto social da faixa

Em um vídeo teaser lançado no YouTube, KL Jay cita o período pós-morte de Marielle Franco como um dos fatores decisivos para o surgimento de Território Inimigo. Em nossa entrevista, o deejay falou um pouco sobre o contexto social em que ela surge e o atual momento de lutas anti racismo no Brasil e no mundo.

“Na verdade, essa perseguição sempre existiu. Só que com esses governos na América – Estados Unidos e Brasil – essa perseguição se acentuou. Ficou mais nítida. Mais na cara. Então a música cabe para esse momento. Embora outros grupos e outros artistas tenham falado isso há 20, quase 30 anos atrás – Racionais é um deles – isso voltou meio que à tona. Virou um estopim. Então cabe falar de novo. Na minha opinião, cabe falar de novo. E o momento é esse, não pode deixar passar, né?” disse ele.

Liberdade no rap e posicionamento 

“Eu acho que o rap tem que ser livre. Ele não pode ficar preso a um assunto só. Ficar preso a um comportamento só. Como disse o Nas, o rap não é politicamente correto. E isso é poder, certo? É livre. Então o rap tem que ter a liberdade de falar de qualquer assunto. Com inteligência, com boas letras e com bom flow, entendeu? Cada um fala o que quiser, e cada um que segure o seu BO. Mas, por outro lado, esse pessoal aí: Baco Exu do Blues, Djonga, BK’, Emicida… Eles trouxeram uma força pro rap. Trouxeram um outro olhar. Trouxeram uma outra bagagem. Ficou mais forte. Ficou mais verdadeiro”, assim falou KL Jay, mostrando sua visão quanto à liberdade de expressão e posicionamento no rap. “Tô dizendo o rap aqui do Brasil”, completou o DJ. 

Ao ser perguntado sobre como enxergava o posicionamento do rap brasileiro no momento conturbado em que o país vive, ele foi enfático na resposta:

“Então, o posicionamento é uma coisa muito individual. Não dá pra cobrar. Não dá pra cobrar posicionamento. É algo muito particular de cada um. Você pode ser um rapper político e se você não quiser posicionar, você não se posiciona. Acho que o posicionamento já tá nas próprias letras. Na própria música. A música já é um posicionamento. Então eu não cobro posicionamento de nenhum rapper, de nenhum deejay… Eu não cobro posicionamento de ninguém”. 

Mencionado na matéria, o teaser oficial de Território Inimigo está disponível no YouTube e você pode conferir no link abaixo.

Rima em Prosa é a coluna especializada em rap do Mais Minas. Nela, são publicadas notícias, matérias e entrevistas relacionadas à tudo de principal que tem ocorrido no rap nacional. Caso tenha gostado da entrevista com o KL Jay, recomendamos as nossas matérias com Kamau, Edi Rock e Rashid.

Comentários estão fechados.