Governo de MinasMinas GeraisOuro PretoPolíticaPouso AlegreSão João del ReiTrânsitoVarginha

Rodovias de Ouro Preto e outras estradas do estado serão privatizadas

Romeu Zema, governador de Minas, anunciou, nesta sexta-feira (31), o programa de concessão das rodovias

O estado de Minas Gerais terá cerca de 2.500 quilômetros de rodovias privatizadas, nas regiões Centro, Sul e Triângulo Mineiro. O anúncio do projeto foi feito pelo governador do estado, Romeu Zema e o secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Marco Aurélio Barcelos. Segundo os políticos, a expectativa é que com as obras, sejam gerados 9,5 mil empregos. Também se esperam cerca de R$ 7 bilhões em investimentos.

A concessão englobará sete lotes de rodovias estaduais. Os contratos terão duração entre 25 e 30 anos. Cerca de 100 municípios mineiros serão contemplados. Segundo Marco Aurélio Barcelos, as obras serão licitadas uma de cada vez. A primeira delas deve sair por volta do mês de outubro. Portanto, se espera que até o fim do ano que vem, todas as licitações já estejam regularizadas.

Rodovias de Ouro Preto e outras mineiras serão privatizadas
Governador Romeu Zema participa da Coletiva do Lançamento do novo Programa de Concessões Rodoviaria do Estado – Crédito da foto: Renato Cobucci/Imprensa-MG

Desenvolvimento econômico

O governador Romeu Zema comentou sobre a importância da cessão para Minas Gerais. Segundo ele, pelas condições financeiras do estado, se tornou impossível investir na revitalização das estradas. Portanto, ele justifica assim a entrega destas à iniciativa privada.

  Romeu Zema recebe ministra Damares Alves na Cidade Administrativa

“A infraestrutura é essencial para o desenvolvimento econômico, e um Estado na situação financeira de Minas não tem condições mínimas de fazer novos investimentos. Esse nosso programa de concessões vem ao encontro dessa realidade, nós temos de ser realistas e fazermos aquilo que é viável para o Estado”, afirmou.

Zema disse ainda que as obras atrairiam investimentos ao estado, que possui a maior malha rodoviária do país. São 273 mil quilômetros de estradas. Sendo 8.881 quilômetros de rodovias federais, 25.933 quilômetros estaduais e 238.191 quilômetros de vias municipais. Tais números representam, portanto, 16% do total de estradas do país.

“Nós temos que lembrar que temos de equacionar esse gargalo da infraestrutura, que hoje é um impeditivo ao desenvolvimento. Com rodovias melhores, algumas delas duplicadas, mais seguras, com toda a certeza, acaba sendo um atrativo para mais investimentos. O projeto é um marco para nós. É o maior programa de concessões que Minas Gerais já teve, provavelmente um dos maiores do Brasil, e isso está dentro do nosso projeto de atrair novos investimentos”, finalizou.

  Polarização política pode pautar eleições municipais de 2020 em Ouro Preto
Rodovias de Ouro Preto e outras mineiras serão privatizadas
Crédito da arte: Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade/Divulgação

Lotes

Segundo a comunicação do governo Zema, a escolha dos lotes a serem cedidos foi adotada por meio de critérios específicos. Foram pensadas principalmente estradas que levam à cidades históricas e turísticas. No terceiro trimestre deste ano, está prevista a retomada da licitação do lote composto pela MG-424 – entre a MG-010 e a entrada de Sete Lagoas, com 51 quilômetros de extensão.

Já no último trimestre de 2019, haverá o lançamento de edital do lote Triângulo Mineiro, que compreenderá rodovias das cidades de Araxá, Uberlândia e Uberaba (BR-452, BR-462, MG-190, LMG-798), em um total de 488,5 quilômetros de extensão.

No próximo ano, as licitações serão finalizadas após a cessão dos lotes de Pouso Alegre-Itajubá (423,6 quilômetros de extensão), Varginha-Furnas (434,5 quilômetros), São João del-Rei (376,7 quilômetros), Itapecerica-Lagoa da Prata (496,9 quilômetros) e Ouro Preto (242,4 quilômetros).

  Future-se ou Privatize-se? | por Pedro Peixe
Rodovias de Ouro Preto e outras mineiras serão privatizadas
Crédito da arte: Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade/Divulgação

Valores

O secretário Marco Aurélio Barcelos afirmou não poder precisar os valores dos pedágios. Segundo ele, os valores sairiam do bolso da população de qualquer forma. Isso porque sem a cobrança, a manutenção das estradas seria paga com a arrecadação de impostos e tarifas.  Portanto, cobrar pela passagem dos veículos seria a maneira mais transparente de lidar com a situação.

Fechar