Segunda Turma do STF mantém Lula preso

Publicado: última atualização em 0 comment

A Segunda Turma do STF, composta pelos ministros Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Celso de Mello, Edson Fachin e Ricardo Lewandowski, decidiu, no início da noite desta terça-feira (25), em rejeitar o 1º habeas corpus da defesa de Lula envolvendo o STJ, e adiar o julgamento do 2º habeas corpus da defesa de Lula, que questiona a suspeição de Sergio Moro na 1ª condenação de Lula, em que o atual ministro do governo de Bolsonaro condenou Lula a mais de 9 anos de prisão. A maioria dos ministros também rejeitou a proposta de Gilmar Mendes de conceder liberdade à Lula enquanto não se termina de julgar o caso envolvendo a conduta de Moro.

O adiamento do julgamento do habeas corpus da defesa de Lula que questiona a parcialidade do ex-juiz Sérgio Moro foi uma proposta do ministro Gilmar Mendes, que após votar pelo adiamento, votou para que o ex-presidente Lula aguarde em liberdade até o fim do julgamento da causa. A primeira proposta de Mendes foi aceita pelo ministro Edson Fachin, que considerou que o caso não poderia ser votado agora já que a autenticidade das mensagens divulgadas pelo site “The Intercept” ainda não foi comprovada pela Justiça. Em relação à segunda proposta de Gilmar Mendes em conceder liberdade à Lula, Fachin foi contra. Lewandowski concorda com Gilmar Mendes e vota pela liberdade de Lula até que o STF termine de julgar o caso. Carmen Lúcia, Celso de Mello votaram com Fachin contra a concessão de liberdade à Lula, e concordaram com o adiamento da análise da matéria.

O 1º habeas corpus impetrado no STF pela defesa de Lula, e rejeitado hoje (25) por 4 votos a 1 pela corte, tinha como principal argumento o questionamento da atuação do relator da Lava Jato no Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Felix Fischer, que, em uma decisão individual, rejeitou recurso da defesa de Lula que pedia a absolvição do ex-presidente. A concessão do primeiro habeas corpus foi negado, tendo apenas a seu favor o voto do ministro Ricardo Lewandowski.

O 2º habeas corpus tem como foco principal à suspeição (parcialidade) do agora ministro da Justiça, Sérgio Moro. Na época da primeira condenação de Lula, quando Moro era juiz federal responsável pelo caso, ele condenou o ex-presidente petista a 9 anos e 6 meses de prisão após acusação do Ministério Público de que Lula era o dono oculto de um apartamento triplex no Guarujá, recebido como propina paga pela empreiteira OAS, em troca de benefícios em obras da Petrobras. A defesa de Lula questiona a imparcialidade do juiz, contestação reforçada pela defesa após o vazamento de conversas de Moro com o procurador Deltan Dalagnol sobre o processo do ex-presidente, enquanto a defesa de Lula ainda respondia pelas acusações impetradas pelo MP na 13.ª Vara Criminal Federal de Curitiba.

Após a decisão do STF, o julgamento do segundo habeas corpus deve acontecer somente no 2º semestre de 2019.

Comentários Facebook

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. aceitar LER MAIS