Servidores da rede municipal de ensino de BH manterão greve

Em assembléia realizada na Praça da Estação, região Central de Belo Horizonte, os servidores da rede municipal de ensino da capital mineira decidiram manter a greve iniciada no dia 27 de fevereiro. A paralisação havia sido anunciada no dia 19 do último mês.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, sete das 323 escolas de Belo Horizonte, aderiram totalmente a greve. Mas, segundo o SindRede, 60% das escolas estão total ou parcialmente paralisadas.

O Sindicato dos Trabalhadores de Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte (SindRede) afirmou que a situação ainda não mudou desde o anúncio e início da greve, já que ainda não houve reunião com o governo.

A reivindicação principal dos servidores é que o piso salarial nacional, reajustado em 12,84% neste ano, seja cumprido e aplicado para todos os níveis de carreira da educação.

Os grevistas não concordam com a política da prefeitura de dar o reajuste salarial para apenas os funcionários nos níveis mais baixos da carreira. Tal prática representa a quebra da carreira dos trabalhadores em educação em vigor desde 1995.

Por sua vez, a Prefeitura de Belo Horizonte declara que paga valores acima do piso nacional do magistério para os níveis de ingresso e que o reajuste de 12,84% é somente obrigatórios aos municípios que pagam abaixo desse piso.