Mais Minas
Portal de notícias de Minas Gerais

Tela Quente exibe o filme ‘Kong: A Ilha da Caveira’ nesta segunda-feira (20)

PUBLICIDADE

A TV Globo vai exibir o filme “Kong: A Ilha da Caveira” na noite desta segunda-feira (20), logo após o Big Brother Brasil 20. O filme foi originalmente lançado em 2017 e tem direção de Jordan Vogt-Roberts (“Os Reis do Verão”).

Neste novo filme, Kong está de volta e maior. Isso pode, sem dúvida, ser devido ao fato de que “Kong: A Ilha da Caveira” (“Kong: Skull Island”) é uma nova versão da franquia King Kong e o segundo filme da nova série de filmes MonsterVerse, que deve levar a um confronto entre Kong e Godzilla.O primeiro filme a ser lançado no Monsterverse foi “Godzilla” (2014), um reinício da franquia.

“A Ilha da Caveira” é agora o nono filme sobre Kong. Enquanto o filme de Peter Jackson em 2005 foi um remake do clássico “King Kong”, a versão de Jordan Vogt-Robert é um filme de ação pura, quase um filme de guerra.

Por isso, também difere no momento em que a ação ocorre. Logo após o final da Guerra do Vietnã, um grupo foi à Ilha da Caveira para explorar a ilha. Isso nunca foi visto em um filme de Kong antes e os primeiros trailers também prometeram uma emocionante mistura do material clássico de Kong e do processamento da Guerra do Vietnã.

Portanto, não é de surpreender que algumas cenas sejam claramente baseadas em clássicos como “Apocalypse Now” (1979). Imagens de helicópteros voando em direção ao sol são capturadas muito bem. Em geral, a câmera faz um bom trabalho e apresenta uma ou outra perspectiva que é muito convincente.

O elenco também é convincente com Tom Hiddleston (“Thor”), John Godman (“Rua Cloverfield, 10”) ou a maravilhosa Brie Larson (“Capitã Marvel”). O que não é muito convincente é o roteiro com diálogos desajeitados e personagens sem profundidade. Apenas a motivação de Samuel L. Jackson (“Vidro”) pode ser entendida, mas seu papel é tão estereotipado que você deseja que ele seja comido por um dos seres da ilha a qualquer momento.

O filme está opticamente correto. O CGI (Imagens geradas por computador, a famosa computação gráfica) está em um bom nível e principalmente as imagens de Kong parecem muito realistas. Por outro lado, infelizmente, tudo parece artificial demais, já que o filme provavelmente foi filmado contra uma parede verde e isso é perceptível.

A natureza humana de King Kong sempre tocou fortemente em filmes anteriores. A sensação de poder entender Kong, sua dor e a tragédia de sua figura. Isso também não tem lugar em “Kong: A Ilha da Caveira”.

Alguém pode perguntar se o filme quer isso? Ele quer trazer profundidade aos personagens? Ele quer nos tocar como “King Kong”? A resposta parece ser não. Ele quer ser divertido ou só mais um filme de ação, o que o torna inconsistente e às vezes ridículo. Momentos de silêncio com Kong são arranhados e imediatamente interrompidos. O profundo vínculo sugerido entre a fotógrafa Mason Weaver (Brie Larson) e King Kong é deslocado e retratado por cenas sem emoção.

Apesar das falhas, é um bom filme, com boas atuações e batalhas épicas. Vale a pena dar uma chance para ele.

Leia também: ‘A Cabana’: o lugar onde sofrimento e eternidade se encontram

Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

Participe gratuitamente do nosso grupo de notícias no Telegram -> ENTRAR.
você pode gostar também