Trabalhadores da educação estadual anunciam greve a partir da próxima terça-feira (11)

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Globo transmitirá final da Copa do Mundo de 2002 no domingo (12)

Parece ironia querer sentir alegria na época da pandemia? Bom, pelo menos para o fã de futebol, sim. Os...

Previsão do tempo em Minas Gerais de segunda-feira (06/04)

Nesta segunda-feira (6), áreas de instabilidade atmosféricas que ainda atuam na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás...

Estudo revela que remédio antiparasitário pode parar o coronavírus em 48 horas

Pesquisas recentes mostram que a droga Ivermectina pode matar o novo coronavírus, que causa o Covid-19, em 48 horas....

Secretaria de Meio Ambiente de Belo Horizonte realiza processo seletivo

No dia 20 de abril inicia-se as inscrições do Processo Seletivo 001/2020 da Secretaria Municipal de Meio Ambiente da...

Quatro pessoas da mesma família morrem em acidente de trânsito em MG

Na manhã deste domingo (5), um grave acidente envolvendo um caminhão e um carro de passeio, na BR-262, KM...

Os trabalhadores da educação da rede estadual anunciaram que irão entrar em greve a partir da próxima terça-feira (11). A decisão foi tomada nesta quinta-feira (5), no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. A motivação é para que haja um reajuste salarial para os profissionais que trabalham na área.

O posicionamento do Sindicato Único dos Trabalhadores de Educação em Minas Gerais (Sind-Ute) é que a greve é necessária para cobrar do estado o cumprimento da lei estadual 21.6010 e da Constituição estadual que prevê o pagamento do piso salarial.

Veja o comunicado oficial do Sind-UTE/MG:

“Ao longo de 2019, o Sind-UTE/MG reivindicou o pagamento do 13º, bem como propostas de cumprimento da Lei Estadual 21.710/2015 e da Lei Federal 11.738/2008, que estabelecem o Piso Salarial Profissional Nacional como um direito legal. Deixando parte da categoria sem o 13º e apresentando propostas de reajuste salarial a apenas um setor do funcionalismo, o governo do Estado relegou a Educação a segundo plano.

No ano passado, a categoria viu uma política de desemprego ser implementada a partir de milhares de demissões no programa Escola de Tempo Integral, com o Plano de Atendimento, fusão de turmas, municipalização de escolas estaduais e redução do Quadro Escola.

Além disso, a informatização dos trâmites educacionais se mostrou fracassada e só trouxe o caos para estudantes, famílias e à categoria. O sistema de pré-matrículas online não respeitou o zoneamento e até alocou alunos no sistema prisional!

O Diário Escolar Digital (DED) foi utilizado pelo governo Zema como instrumento de assédio moral contra educadores e educadoras, a Remoção de Pessoal feita online transferiu trabalhadores para municípios que não foram escolhidos, e o sistema que gera o Quadro Informativo (QI), necessário para a designação, apresentou problemas no processo de contratação para 2020.

A forma como a Educação mineira vem sendo tratada pelo governador, desde o início da atual gestão, só demonstra a urgência de interromper essa postura e reivindicar o atendimento a direitos básicos, como o emprego, acesso ao ensino público e dignidade remunerativa.”

Leia também: Agora sim! Secretaria de Educação divulga primeira chamada de quem fez a pré-matrícula na rede estadual de ensino

 

- Advertisement -