O trabalho das igrejas evangélicas em meio à pandemia pelo novo coronavírus

A partir da primeira pessoa infectada pelo novo coronavírus do Brasil, em 26 de fevereiro, e com mais intensidade em meados de março, quando surgiu às recomendações de isolamento social, vimos mudanças drásticas em nossas vidas. As crianças estudando em casa por vídeo aula, cinema, teatro, comércio fechado e as igrejas evangélicas também fechadas em meio a tanta angústia, incertezas e medo, vemos que as igrejas evangélicas estão dando uma lição de como não deixar esfriara a fé em meio à distância.

A equipe do Mais Minas realizou uma entrevista com o Pastor Sérgio José dos Santos, da Igreja do Nazareno do Paiol, na cidade de Nilópolis (RJ), visando saber como está a realidade das igrejas evangélicas em meio à pandemia pelo novo coronavírus. O Pr. Sérgio falou na entrevista sobre a dinâmica dos cultos virtuais, atendimentos dos membros, trabalho social, e na forma como desde antes da pandemia ele já estava fazendo um trabalho de evangelização pela internet chamado “Uma igreja sem paredes”.

Veja a entrevista com o Pastor Sérgio Santos:

MM – Como a Igreja se posicionou quanto ao isolamento social?

Pr. Sérgio – Assim que chegaram as orientações do governo aqui, do governador do Rio de Janeiro, que não foi um decreto, foi uma orientação, imediatamente nós paramos de fazer trabalhos com aglomerações na igreja e partimos para o trabalho na internet, sendo que o mesmo já existia na igreja, então não tivemos dificuldade.

Como estão sendo as dinâmicas de cultos, ensinos religiosos e outras atividades da igreja?

Estamos fazendo uma dinâmica de cultos, aonde todos os departamentos estão participando. Perceba, a única dificuldade nossa é o berçário, pois nós temos aqui:

  • Departamento de 0 a 2 anos;
  • Departamento de 2 a 7 anos;
  • Departamento de 7 a 9 anos;
  • Departamento de 9 a 13 anos;
  • e de 13 até 16 anos.

Todas essas faixas etárias tem líderes ou tem professores ou “pastores iniciantes”, que chamamos de “pastores locais”, que desenvolvem tudo isso através do Instagram, porque o jovem geralmente usa mais ele do que o Facebook. O pessoal mais adulto usa a minha página e perfil pessoal do Facebook e entre outras coisas que nós temos, como podcasts, lives, etc.

Algumas igrejas evangélicas tem algum trabalho social, a igreja que o Pastor lidera tem algum trabalho social? Se sim, como está funcionando?

Nós ajudamos uma igreja em Moçambique. Depois houve um furacão lá, que desencadeou uma imensa tristeza, então nós os ajudamos fazendo um “Natal mais que feliz”, lá e outro aqui. “Mas o que é ‘Natal mais feliz’?”, é quando a gente pega as crianças da comunidade, as pessoas menos favorecidas que nós, e damos cestas de natal, arrumamos padrinhos que são patrocinadores e providenciam calçados, roupas, brinquedos, todas as coisas. Calculamos ajudar aproximadamente centenas de crianças, além de fazermos a EBF ( Escola Bíblica de Férias) o “mais doce que o mel”, que são realizados no dia do São Cosme e Damião, que residem em tirar as crianças das ruas e levá-las para a igreja para que elas fiquem lá das 8 da manhã até as 18 da tarde, para que elas não peguem doces “sacrificados”. Nesse período que elas ficam na igreja, elas tomam café, almoçam, ganham brinquedos, doces, e mais outras coisas. Temos mais outros trabalhos sociais que fazemos, como por exemplo, as cestas, que nós distribuímos de 40 a 50 mensalmente.

No começo período de pandemia, nós achávamos que a arrecadação dos alimentos ia cair, mas não caiu, subiu. Só interrompemos Moçambique porque realmente não temos condições de enviar (os alimentos e afins), mas os outros nós estamos tentando levar, vamos ver como vai ficar no final do ano.

Como está sendo a Santa Ceia?

A Santa Ceia está sendo feita online. Estou pedindo para os pastores distribuírem os alimentos sábado, que é um dia antes da Santa Ceia, das 08h às 22 h, e no domingo pela manhã, aproximadamente 9 horas, acontece a escola dominical, também online. As 11 horas, ainda no domingo de manhã, eu ministro a Santa Ceia na igreja junto aos músicos, e as pessoas que estão em casa participam online, pois pegam o material antes.

Os doentes, aqueles que não podem ir a igreja, e também os idosos que não tem acesso a internet, os pastores pegam todo o levantamento com a secretaria da igreja, e vão higienizar devidamente o ambiente e a si mesmos com máscara, álcool gel, touca, sapatilhas nos pés, e etc., sendo assim, a ceia dessas pessoas é feita no sábado separadamente.

Como está sendo feito o atendimento individual dos membros da igreja? O recolhimento de dízimos e ofertas também que é um ato feito presencialmente nos cultos, como isso está sendo realizado?

O atendimento as pessoas são feitos através dos “plantonistas”, que são pastores e missionários escalados, além de termos funcionários da igreja e a secretaria que funciona das 13h até as 17h, e os pastores que tem escala de domingo a domingo. Então as pessoas são atendidas lá, e eu faço o gabinete. Alguns casais eu consigo atender via WhatsApp, com a chama da vídeo que agora podem ser com várias pessoas, e os que eu não consigo atender por esse meio eu encontro outra alternativa, sendo uma delas o atendimento na igreja que é organizado também pela secretaria.

E as necessidades básicas das pessoas que chegam lá, os pastores e as missionárias atendem tranquilamente.

Concernente aos dízimos e ofertas, é outra coisa da qual nós não estamos tendo trabalho. Nós não estamos fazendo apelo financeiro, nós deixamos os ofertórios que estão ali, e os irmãos que estão em casa vão com seus próprios pés e suas próprias pernas para igreja dizimar e ofertar.

Eu posso te afirmar que nós não estamos no vermelho, que não houve uma queda, e que nós não levamos a igreja em termos de comércio, então Deus tem abençoado a gente cada vez mais.

É claro que houve uma queda percentual dos dízimos e das ofertas, mas o que consideramos é o progresso, ou seja, a economia de luz, energia e outras coisas.

Sei que o pastor tem um canal no Youtube, como é realizado esse trabalho tão importante, principalmente nesse momento de distanciamento social?

Concernente ao meu canal no Youtube, é uma coisa que fizemos com pouquinho recurso, o que aconteceu foi que há vinte anos, nós fazemos um “trabalho de evangelização dos homens de terra”, mas há 3 anos, não sabíamos que outras páginas haviam começado o pegar sem nem nos comunicar.

Se você for pesquisar “Igreja do Paiol”, no Youtube, encontrará diversos vídeos com o número de visualizações entre 10 e 200 mil, mas as pessoas que os publicaram não citaram o nome do nosso canal, e sim apenas o nome da igreja. E eu agora tenho um canal, o “Pr. Sérgio Santos”, que nós começamos agora, mas se preferir, visite o canal da “Igreja do Nazareno do Paiol” para nos conhecer!

Por último, quero deixar uma mensagem para todas as igrejas e seus líderes religiosos.

O momento de fazer lives, mostrar que o vírus existe e que é extremamente necessário tomar todas as medidas preventivas e ser prudente e que isso não é sinônimo de “falta de fé”, que não se pode de jeito nenhum fazer aglomerações, que a igreja do senhor está viva e não vende política, desespero, pânico ou medo, e sim mostra fé, alegria e certeza de que vamos sair dessa forte e vencedores, e que maior é o que está em nós, é agora.

Para conhecer mais e acompanhar o trabalho de Fé e evangelização do Pastor Sérgio dos Santos saiba a agenda de suas lives abaixo:

As igrejas evangélicas em meio a pandemia pelo novo coronavírus
Crédito da imagem: Facebook Igreja do Nazareno no Paiol.

Live: falando de Vida de segunda a sexta-feira no Facebook da Igreja do Nazareno do Paio. segue o link Igreja do Nazareno do Paiol.

Canal do Pastor Sérgio dos Santos no YouTube: Pr. Sergio Santos

Comentários