O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Em Raul Soares, a maior enchente da história destruiu lares e sonhos, mas é na união que a população começa a reconstruir a cidade

lucasbarbosa 29 de janeiro de 2020 às 15:00
Tempo de leitura
8 min

Minas Gerais pede socorro. Nas últimas semanas, uma abundante cheia vem castigando o estado. Em Raul Soares, na região da Zona da Mata, não foi diferente. Após dias seguidos de fortes chuvas e influências de cidades vizinhas, o local sofreu a pior enchente de toda sua história. Consequentemente, diversas famílias perderam seus bens materiais, tiveram de sair de suas casas e estão em situação de extrema dificuldade. Contudo, é na solidariedade humana e na força de seu povo que o município encontra forças para renascer.

Para entender melhor o ocorrido, a reportagem do Mais Minas esteve em Raul Soares.


De acordo com Rafael Machado Vieira, coordenador da Defesa Civil municipal, as causas das enchentes na cidade, além das intensas chuvas que se estenderam na localidade na última semana, foram os impactos de regiões vizinhas nos dois rios que cortam Raul Soares. Segundo Rafael, o Rio Santana recebeu grande quantidade de água das cidades de Sericita e Abre Campo. Já o Rio Matipó, próximo aos bairros mais afetados, ganhou um enorme volume vindo da cidade de Matipó e o distrito abrecampense de Granada. Assim como Raul Soares, os quatro lugares também foram fortemente afetados pela cheia.

Dessa forma, as regiões raulsoarenses do Bairro Tarza, Bairro Alvorada, Vila Barbosa, Vila Esperança, Santana, Capa Bode, Rua Bom Jesus, Vila Parente e Rua de Ubá foram duramente assoladas. Segundo o coordenador da Defesa Civil, consequentemente, mais de 300 casas foram alcançadas pela água, mas ele acredita que esse número deve aumentar. Além disso, 40 imóveis foram interditados por conta de riscos de desabamentos. Uma ponte e 12 residências vieram abaixo. Destaque para as impressionantes imagens de uma residência, localizada na devastada Vila Parente, ao lado da conexão de concreto citada, que desmoronou e foi carregada pelo Rio Matipó. 

Pontos públicos da localidade também sofreram perdas gigantescas com a ação da água. Situadas na Rua Rufino Rocha, a premiada e bem conceituada Escola Municipal ‘João Domingos’ e creche APROMAI foram arrastadas pela tragédia. Diversos materiais educacionais e informáticos foram perdidos com o fato. Além, claro, de toda sujeira causada pela lama.

Todavia, felizmente, não houveram vítimas. Mas o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar tiveram de resgatar, com barcos, pessoas ilhadas em determinados lugares. 

Todavia, felizmente, não existiram vítimas, mas o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar tiveram de resgatar, com barcos, pessoas ilhadas em determinados lugares. 

Resgate ocorrido na Vila Parente – Créditos da foto: Reprodução/Redes Sociais

Maior enchente da história

Tamanho estrago foi causado por aquele que é um dos maiores desastres naturais da região em todos os tempos. Em 95 anos anos de história, Raul Soares jamais viveu uma situação igual. Segundo moradores antigos do local, as lendárias enchentes de 1979 e 1985 foram superadas pelo ocorrido em 2020.

Para Wilson Vieira, de 56 anos, o recente ocorrido foi inédito. “Em 85, a gente passou tranquilo no pontilhão da Rua Bom Jesus. Na realidade, tudo que vinha batia no fundo do pontilhão, e a agora passou por cima. Um corrimão que fica ali na passarela esse ano a água tampou ele. Cerca de 1 metro e meio a mais. A maior enchente da história de Raul Soares”, afirmou o pedreiro.

Em Raul Soares, a maior enchente da história destruiu lares e sonhos, mas é na união que a população começa a reconstruir a cidade

Na imagem, o famoso Pontilhão da Rua Bom Jesus, que foi superado pela água – Créditos da foto: Reprodução/Redes Sociais

Outro fato que chamou atenção na atual ocorrência foi a água ter chegado no centro da cidade, mesmo que em um nível menor. Isso nunca havia acontecido antes.

Atingidos

Com o desastre natural, famílias perderam tudo. Desde documentos pessoais, móveis e, até mesmo, os lares. Contudo, há quem tente encontrar otimismo e olhar o acontecido por um lado bom. Como no caso do afetado Aldair Honorato Lopes, que minimizou o prejuízo financeiro e material, e comemorou a preservação da vida. 

“Perdas materiais eu não ligo não, salvou a vida, ‘tá’ bom demais. Começou a água a subir, aí começamos a sair. A água tava batendo na boca do estômago. Aí a água invadiu e foi no andar de cima. Bens materiais não salvou nada, mas isso eu não ligo não, a gente consegue outro”, comentou o homem de 48 anos, que mora com sua esposa e dois enteados.

Em Raul Soares, a maior enchente da história destruiu lares e sonhos, mas é na união que a população começa a reconstruir a cidade

Sentado na porta de seu domicílio, o popular disse que, durante a enchente, a água chegou a invadir o segundo andar de sua casa – Créditos da foto: Lucas Barbosa/Mais Minas

Além de lares, a enchente invadiu meios de trabalho. Assim foi a situação da estudante de nutrição Ana Carolina Bitencourt, já que a água provocou estragos na oficina mecânica de sua família. De acordo com a acadêmica, três carros estavam no local, e apenas um possui seguro. Ademais, boa parte do material de trabalho foi embora junto à enxurrada.

Cenário de terra arrasada

No dias seguintes à enchente, após a diminuição dos níveis das águas, as ruas de Raul Soares parecem verdadeiros campos de guerra. Nas portas das residências, móveis e objetos estragados pela enchente, que aguardam a passagem do caminhão de lixo para o recolhimento. Como se não bastasse, as ruas se tornaram enormes lamaçais, assim como as residências. Além, a atuação limpeza doméstica urbana está comprometida, pois a forte correnteza danificou equipamentos do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), que tem tido extremas dificuldades para executar o abastecimento hídrico na cidade.

Em Raul Soares, a maior enchente da história destruiu lares e sonhos, mas é na união que a população começa a reconstruir a cidade

As ruas afetadas pela enchente estão tomadas de lixo e lama – Créditos da foto: Reprodução/Redes sociais

União para a reconstrução

Agora, os moradores de Raul Soares buscam a união para ajudar a quem precisa. Desde o fatídico dia do ocorrido, diversas doações de roupas, mantimentos, água, produtos de higiene bucal e outros vêm sendo arrecadados na Casa de Cultura, localizada no centro do município.

Como medida paliativa, a Prefeitura Municipal de Raul Soares vem disponibilizando abrigos para quem teve de sair de sua casa. Os locais são o Ginásio Poliesportivo, a Escola Estadual ‘Benedito Valadares’ e a Casa da Cultura, segundo o coordenador da Defesa Civil.

Além disso, o órgão executivo vem liberando veículos para fretes. Para a limpeza das ruas,  têm sido tratores, caminhões e mão de obra.

Até o momento, altos volumes de donativos já foram arrecadados. Além dos raulsoarenses, cidadãos de diversas cidades vizinhas têm se solidarizado com as famílias atingidas pela enchente.

Para uma vítima das águas retirar as doações, é preciso se cadastrar na Casa de Cultural local e comprovar o ocorrido por meio de seus dados pessoais.

Além dos materiais, outra maneira de auxílio é financeira. Por isso, vaquinhas virtuais vem sendo criadas por moradores da região. Como é a situação de Luiza Tartaglia, de 19 anos, que fez uma uma conta de arrecadação de fundos na internet no sábado (25). Desde então, a vaquinha já arrecadou mais de R$ 4,8 mil.

Em contato com a reportagem do Mais Minas, Luiza conta como surgiu a ideia para realizar o projeto e quais os objetivos com a quantia que for arrecadada.

“A ideia da vaquinha surgiu em um grupo de amigos do ensino médio que se comoveram com o sofrimento de pessoas próximas, como parentes e vizinhos, e decidiram compartilhar nas redes sociais a ‘vakinha’ criada com o objetivo de conseguir ajudar, mesmo que pouco, as pessoas que perderam tudo por consequência da enchente e não tem condições de retomar a vida sem passar dificuldades financeiras. O objetivo é exatamente esse, a equidade. Colocar na frente quem tem menos condições e que perdeu mais, mas, torcendo aqui para conseguirmos ajudar todos os cidadãos que foram prejudicado”, comentou a jovem.

Confira o link da vaquinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajuda-para-os-moradores-de-raul-soares-que-perderam-tudo

Outra possibilidade de doação é por meio de uma conta bancária disponibilizada pela Prefeitura Municipal de Raul Soares.

Em Raul Soares, a maior enchente da história destruiu lares e sonhos, mas é na união que a população começa a reconstruir a cidade

A campanha de arrecadação financeira da Prefeitura – Créditos da foto: Reprodução/Redes Sociais

E é assim, nos braços de seu aguerrido povo que a cidade de Raul Soares deposita suas esperanças por dias melhores.

Leia mais: 101 cidades estão em situação de emergência em Minas Gerais após as chuvas

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.

Última atualização em 14 de setembro de 2021 às 15:49