O que você procura?


VALE S.A.

Por um lado, uma das maiores empresas do mundo, geradora de grande quantidade de empregos e parte importante da economia brasileira, por outro, uma organização envolvida em dois dos maiores desastres ambientais da história, criticada pela exploração mineral e por algumas de suas barragens de rejeitos colocarem um enorme número de lares em risco brasil afora. Quando o assunto é a Vale S.A., os fatos e opiniões costumam seguir caminhos diferentes, se distanciando poucas vezes de polêmicas e controvérsias.

Notícias sobre a Vale

A empresa, que completou 79 anos em 2021, figura entre as maiores mineradoras do mundo, mas também tem forte atuação em logística – com ferrovias, portos, terminais e infraestrutura de última geração -, e também em energia e em siderurgia, empregando cerca de 120 mil pessoas em todo o mundo, entre funcionários próprios e terceiros. Vamos, agora, conhecer um pouco mais sobre a organização, sua história, particularidades e polêmicas.

Fundação da Vale

A então Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) nasceu como uma empresa estatal, criada pelo presidente Getúlio Vargas, na cidade de Itabira (MG), por meio do Decreto-Lei nº 4.352, em 1º de junho de 1942, com prazo de duração de 50 anos. A fundação se tornou possível com o arrendamento da Companhia Itabira de Mineração e da Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia, tendo como objetivo inicial alavancar o fornecimento de minério de ferro para a indústria bélica americana na luta contra os nazistas.


Primórdios

Apesar de oficialmente só passar a existir em 1942, a Companhia Vale do Rio Doce deu seus primeiros passos mais de 30 anos antes, em 1908, quando dois engenheiros ingleses consultaram a então Companhia Estrada de Ferro Vitória a Minas (CEFVM) para saber sobre a possibilidade de transportar, por ela, minério das jazidas de ferro de Itabira, em Minas Gerais.

Com a viabilidade do projeto sendo confirmada, foi criada a Brazilian Hematite Syndicate, que em 1911 viria a se tornar a Itabira Iron Ore Company, sediada em Londres, Inglaterra, mas com representantes no Brasil. Essa foi a primeira empresa autorizada a explorar ferro naquela região, o marco inicial do que viria a ser a principal atividade econômica da região, estado e uma das maiores do país, nas décadas seguintes.

Em 1939, o empresário estadunidense e dono da Itabira Iron Ore Company, Percival Farquhar, se uniu a mais seis brasileiros para fundar a Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia. Pela necessidade da empresa de escoar o minério produzido para venda, surgiu o interesse de incorporação da Companhia Estrada de Ferro Vitória a Minas.

Dois anos depois, em 1941, um grupo de empresários sócios de Percival Farquhar fundou a Companhia Itabira de Mineração, com o objetivo de explorar as minas da Itabira Iron Ore. No ano seguinte, essa empresa se uniria à Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia, por meio do decreto de Getúlio Vargas, que defendia a necessidade de nacionalização das reservas naturais brasileiras, para criar a Companhia Vale do Rio Doce.

Acordos de Washington

Essas ações que possibilitaram tais viradas na mineração brasileira só foram possíveis com os Acordos de Washington, uma série de negociações que visavam garantir o apoio do Brasil e demais nações da América aos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. Com a entrada do país norte-americano no conflito, se fez necessária a logística destas nações em prol do país então presidido por Franklin D. Roosevelt.

Os acordos obrigaram o governo britânico a adquirir e transferir ao governo brasileiro as jazidas de minério de ferro pertencentes à Itabira Iron Ore, além de garantirem aportes financeiros e material bélico ao Brasil, dentre outros pontos. Essa primeira questão foi o que possibilitou a criação da Companhia Siderúrgica Nacional e da Companhia Vale do Rio Doce.

Inauguração da Vale

A inauguração da Companhia Vale do Rio Doce se deu pelas mãos do engenheiro, então superintendente, e futuro presidente da empresa, Israel Pinheiro. Na ocasião, ele pediu uma tesoura, cortou a manga de sua camisa e proferiu as seguintes palavras: “Agora, mãos à obra”, dando início, assim, a uma nova era da mineração no Brasil.

50 anos?

Um fato curioso já citado acima é a parte do decreto de fundação da Vale do Rio Doce que dava tempo de existência de 50 anos para a empresa. A determinação aparecia no artigo 4º do Estatuto de Criação da Companhia Vale do Rio Doce (anexo ao Decreto-Lei n o 4.352, de 1 de junho de 1942) da seguinte forma: “O prazo de duração da Companhia será de 50 (cinquenta) anos, a contar da Assembleia Constitutiva da mesma, reservada, en – tretanto, à Assembleia Geral, a faculdade de deliberar, a qualquer tempo, sobre a prorrogação deste prazo ou sobre a dissolução da Companhia antes do termo fixado.”

Hoje, com quase 80 anos de empresa, podemos afirmar que a Vale contrariou seu próprio estatuto de fundação, já tendo o dobro do tempo estipulado de sua existência em vista, já que seu centenário será comemorado no ano de 2042.

Primeiro embarque de minério, ataque alemão e piratas

Ainda em 1942, a Vale do Rio Doce realizou o primeiro embarque de minério de ferro da sua história, transportando o produto para os Estados Unidos, que buscavam matéria prima para produção de armamentos. Mas a viagem inaugural não teve um final feliz. O navio inglês SS Baron Napier foi atacado por alemães após sua partida, em julho do mesmo ano, resultando na perda de um carregamento de nada menos que 5,7 mil toneladas.

Um fato curioso é que, naquela época, os navios possuíam seguros de transporte e, dentre estes, se encontrava a cobertura acerca de prejuízos causados pelos “Inimigos do Rei e pelos piratas”.

Consolidação e expansão

Após seus primeiros passos, a Vale do Rio Doce passou a expandir, aos poucos, sua produção de minério de ferro. Apesar das grandes reservas do mineral no país, a demanda ainda não era das mais altas, o que impossibilitava um aumento considerável na extração. 

A expansão para outros mercados só veio a ocorrer com a gestão do engenheiro civil, Francisco de Sá Lessa, como presidente da Vale do Rio Doce, entre os anos de 1952 e 1960. No período, ele deixou para trás a era em que a empresa vivia de fornecimento de matéria prima para empresas siderúrgicas nacionais, buscando outros mercados e modernizando seus postos, além de inaugurar os primeiros escritórios da Vale no exterior.

Brasil – Japão: a Vale aumenta sua produção

Neste movimento de expansão, entrou em cena, em 1961, o novo presidente da Vale,  Eliezer Batista, que se tornou conhecido como “o engenheiro ferroviário que ligou a Vale ao resto do mundo”. Batista criou o conceito de distância econômica, ao perceber a necessidade do Japão de expandir seu parque siderúrgico, que havia sido imensamente danificado durante a derrota na Segunda Guerra Mundial.

O próprio Eliezer explicou o conceito de distância econômica da seguinte forma: “Abrimos o mercado para um produto que podia valer pouco, mas a ideia era ganhar dinheiro com a ‘logística’, transformando uma distância física (a rota Brasil-Japão-Brasil) numa ‘distância econômica’ (o valor para colocar o minério nas usinas japonesas)”.

Em 1962, a Vale do Rio Doce assinou contratos de exportação com validade de 15 anos com 11 siderúrgicas japonesas, que representariam uma produção de 5 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, o que quase dobraria a produção da companhia. Ainda naquele ano, a Vale viria a produzir nada menos que 8 milhões de toneladas do mineral.

O transporte foi facilitado com a inauguração do Porto de Tubarão, localizado em Vitória (ES), no ano de 1966. Nesse movimento, a Vale passou a competir em preço com as mineradoras australianas.

A Vale em franca expansão

Ainda em 1962 foi criada a empresa de navegação Vale do Rio Doce Navegação S.A., também conhecida como Docenave, e que atualmente opera com uma frota chamada de Valemax. Essa fundação, em conjunto com a inauguração do Porto de Tubarão, quatro anos mais tarde, resultou num crescimento vertiginoso da companhia, que foi de uma produção de 10 milhões de toneladas por ano, em 1966, para 18 milhões, em 1970.

O aumento de 80% na produção em em quatro anos pareceu pequeno se comparado ao quadriênio seguinte, quando a produção foi para 56 milhões de toneladas por ano, em 1974, significando um aumento de mais de 310%. Foi aí que a Vale assumiu a liderança mundial na exportação de minério de ferro, que jamais perdeu. A Docenave, que nasceu para levar 40% do minério produzido ao Japão, por sua vez, alcançou o posto de terceira maior empresa de navegação graneleira do mundo.

A Vale no mercado do ouro

Durante a expansão da Vale do Rio Doce, nos anos 1970, a companhia começou a investir noutro setor, ainda não explorado: o do ouro. Na ocasião, foram empreendidos estudos para que se conseguisse aproveitar o ouro encontrado junto do minério retirado das reservas em Itabira.

Amazônia Mineração e Carajás

Outro ponto importante da história da Vale foi no final da década de 1960, a Cia Meridional de Mineração, subsidiária da United States Steel (USSteel), descobriu as jazidas de Carajás, localizadas no sudeste do Pará, que possuíam um enorme potencial de extração, que chegavam ao impressionante número de 36 bilhões de toneladas de minério de ferro de alto teor.

Tal descoberta com tamanho potencial fez com que o governo brasileiro aconselhasse a USSteel a negociar com a Companhia Vale do Rio Doce uma associação, que resultaria numa divisão 50/50 por cento de ambas as empresas. Assim, foi criada a Amazônia Mineração, que passou a deter os direitos de pesquisa e, posteriormente, de lavra.

Além das grandes quantidades de minério de ferro, Carajás possui grandes reservas de manganês, cobre, ouro e minérios raros. No projeto da Vale para o complexo, foram construídas diversas estruturas, como a Usina Hidrelétrica de Tucuruí, uma das maiores do mundo, a Estrada de Ferro Carajás-Itaqui e o porto de Ponta da Madeira, localizado em São Luís, (MA).

A Estrada de Ferro Carajás tem papel importantíssimo nas operações da Vale, possuindo 892 quilômetros onde são transportados 120 milhões de toneladas de carga e 350 mil passageiros por ano.

Núcleo Urbano de Carajás

Carajás é, hoje, a maior mina de minério de ferro a céu aberto do mundo e em 2018 produzia cerca de 150 milhões de toneladas de minério de ferro. Além disso, há no local o Núcleo Urbano de Carajás, localizado a 17 km das minas e a 25 km de Parauapebas.

A área do núcleo é totalmente cercada e ocupa aproximadamente 306 hectares, tendo uma população de cerca de seis mil pessoas, que ocupam os 1346 imóveis residenciais e 70 imóveis comerciais. O local, que recebeu seus primeiros moradores em 1986, foi projetado para receber os empregados que vieram trabalhar na implantação do projeto Carajás.

Chamado de projeto Grande Carajás, a operação no local foi iniciada em 1985, trazendo ganhos importantíssimos para a Vale, possibilitando que a companhia batesse novo recorde na extração de minério de ferro, em 1989, com 108 milhões de toneladas métricas.

Privatização da Vale

Ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso – Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Uma outra grande virada na história da Vale aconteceu no ano de 1997, quando, no governo de Fernando Henrique Cardoso, a empresa foi privatizada. O financiamento da companhia foi disponibilizado aos compradores pelo BNDES. A venda da companhia foi selada em 6 de maio de 1997, sendo adquirida pelo Consórcio Brasil,  liderado pela Companhia Siderúrgica Nacional, de Benjamin Steinbruch.

O controle acionário da Vale foi adquirido por mais de 3,3 bilhões de dólares, na ocasião. O valor representava 27% do capital total da empresa, antes pertencente à União, que representavam 41,73% das ações ordinárias (com direito a voto) da empresa. As ações preferenciais (sem direito a voto) continuaram nas mãos de acionistas privados.

Confronto

Um triste episódio marcou a privatização da Vale. Na ocasião, cerca de 5 mil pessoas protestaram em frente a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. A manifestação se tornou um confronto entre os presentes no protesto e 600 policiais militares, o que resultou num saldo de 33 pessoas feridas.

Samba-enredo

Em contraposição aos protestos ocorridos, poucos anos depois, em 2003, a Vale foi homenageada pela escola de samba Grande Rio com o samba “O Brasil que Vale”, que celebrava a mineração como uma aliada da preservação ambiental e a chave para o desenvolvimento do país.

Aquisições

Após a privatização da Vale, os primeiros anos mantiveram uma produção estável, de cerca de 114 milhões de toneladas a cada 12 meses. Mas, na virada do século XX para o XXI, os lucros da empresa aumentaram consideravelmente, graças a diversas aquisições feitas. As incorporações da Samitri, Socoimex e da participação na GICC foram alguns dos movimentos que possibilitaram a expansão.

Nos anos seguintes, as aquisições seguiram. Em 2002, a Vale adquiriu a Ferteco e, em 2003, a Caemi. Ainda em 2003, foi firmada uma parceria com o Sebrae, que buscava qualificar cerca de 300 micro e pequenas empresas nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Pará, Maranhão e Mato Grosso do Sul.

Em 2005, a produção de minério de ferro da Vale ultrapassou a casa das duas centenas de milhões, chegando a 255 milhões de toneladas, sendo 58 milhões destinadas às siderúrgicas brasileiras e 197 milhões destinadas à exportação. Esses números já englobavam aquilo que era produzido nas outras empresas adquiridas, como a Samitri.

Valorização do Minério

Entre os anos de 2005 e 2006, a lucratividade da Vale voltou a ter grande aumento. Isso ocorreu devido ao aumento da procura pelo minério de ferro mundo afora, sobretudo pela China. A valorização foi enorme, subindo 123,5% no período. Vendendo mais e por um preço mais alto, a companhia conseguiu, então, fazer investimentos maciços e implementar controles de gestão. Assim, a empresa conseguiu se manter como a maior exportadora do mineral no planeta.

Ainda em 2006, mais uma marca chamou a atenção na empresa. Após incorporar a INCO canadense, o novo conglomerado empresarial CVRD Inco tornou-se a 31ª maior empresa do mundo, atingindo um valor de mercado de R$ 298 bilhões, superando até mesmo a Petrobras.

Este foi um período de franca expansão da Vale, com a incorporação de diversas outras empresas mundo afora. Os resultados foram expressivos e a companhia nascida em Itabira, pouco menos de sete décadas antes, se tornou a segunda maior empresa de mineração do mundo, atrás da anglo-australiana BHP Billiton.

Polêmica

Até os dias atuais, a privatização da Vale gera polêmica, pois muitos economistas questionam a valorização da empresa no momento de sua venda. Isto ocorre porque, quando negociada, os bancos escolhidos pelo governo de Fernando Henrique Cardoso para precificar a companhia levaram em conta tão somente o critério de fluxo de caixa existente à época, descontado. Ou seja, ignoraram o valor potencial da organização, que possui reservas para abastecer o mundo por mais 400 anos. Muitas pessoas consideram que a venda lesou o patrimônio do Brasil e ainda hoje buscam formas de revertê-la, o que, de acordo com especialistas, tem remotas chances de sucesso.

A Vale além do ferro

Durante sua trajetória de expansão, a Vale também buscou caminhos além do minério de ferro para explorar. De 2005 para cá, entre os segmentos em que a empresa atuou estão: cobre, carvão antracito, coque metalúrgico e carvão térmico. O trabalho com estes materiais foi possibilitado por novas aquisições, incorporações e associações com outras companhias mundo afora.

Mudança de Nome

Até então Companhia Vale do Rio Doce, a Vale mudou seu nome fantasia para Vale S.A. em 22 de maio de 2009, como parte do processo de unificação da marca, que já vinha utilizando o nome Vale desde 2007, em todos os países em que operava.

Pior empresa do mundo

Em janeiro de 2012, uma eleição colocou a Vale como a pior empresa do mundo no que refere-se a direitos humanos e meio ambiente. O título foi dado pelo “Public Eye People’s”, premiação realizada desde o ano 2000 pelas ONG’s Greenpeace e Declaração de Berna, sendo a companhia nascida em Itabira a primeira organização brasileira a receber a indigesta classificação, conhecida também como “Oscar da Vergonha”.

A votação foi feita de forma pública, tendo a empresa brasileira recebido 25 mil votos, superando a japonesa Tepco, responsável pela operação das usinas nucleares de Fukushima, atingidas por um tsunami em março de 2011.

Barragens

Apesar da eleição de 2012 ter sido extremamente vergonhosa para a Vale, as piores máculas da história da empresa ainda estariam por vir: os rompimentos das barragens de rejeitos nas cidades mineiras de Mariana, em 2015, e Brumadinho, em 2019. Dois desastres catastróficos social, ambiental e economicamente, que vitimaram, juntos, centenas de pessoas, incluindo trabalhadores e civis, além de causarem perdas irreparáveis ao meio ambiente e desencadearem crises econômicas em locais direta ou indiretamente afetados.

Mariana

Na tarde de 5 de novembro de 2015, um dia normal se tornou um pesadelo inimaginável para moradores de distritos da cidade histórica de Mariana, localizada na região central de Minas Gerais. Na ocasião, uma barragem da Samarco, empreendimento conjunto das maiores empresas de mineração do mundo, a Vale S.A. e a anglo-australiana BHP Billiton, se rompeu, varrendo tudo que se encontrava em seu caminho e tirando a vida de 19 pessoas.

A estrutura ficava localizada no distrito de Bento Rodrigues, localizado a 35 km do centro do município de Mariana, e que foi totalmente varrido pela enxurrada de rejeitos de minério de ferro. O rompimento da barragem de Fundão, como se chamava, foi classificado como o maior desastre ambiental da história do Brasil, e o maior do mundo, se considerados apenas aqueles envolvendo barragens.

Impactos

Com o rompimento, foram despejados 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos que, além de varrerem distritos como Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, e ceifarem vidas humanas e animais, chegaram ao Rio Doce, cuja bacia hidrográfica abrange 230 municípios dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, e posteriormente ao mar.

No caso do Rio Doce, além da tragédia ambiental, foi prejudicado o abastecimento de água em diversas cidades e a subsistência de moradores que necessitavam do rio para sobreviver, como tribos indígenas e pescadores. Falando do mar, especialistas afirmam que o efeito dos rejeitos continuará por pelo menos mais cem anos, sem ser possível detalhar melhor todos os danos causados pelo rompimento.

Inicialmente, foi divulgado que duas barragens haviam se rompido: Fundão e Santarém, mas a segunda não chegou a se romper, tendo a impressão sido causada pelo vazamento dos rejeitos que passaram por cima da estrutura que se manteve de pé.

Outras críticas recorrentes à situação foram pela falta de infraestrutura para uma situação de rompimento. Não houveram sinais sonoros para avisar a população e também não havia um plano de contingência, nem rotas de fuga que permitissem aos moradores se deslocarem a tempo para regiões seguras. A tragédia humana não foi maior pelos esforços da própria comunidade que passou a evacuar o distrito para áreas mais altas quando perceberam o que estava acontecendo. Uma escola, inclusive, recebia aulas no momento do desastre e os próprios moradores e professores conseguiram evacuá-la antes dela ser destruída pela lama.

Consequências à Samarco

Como consequência do rompimento, a Samarco teve sua licença ambiental suspensa e suas atividades embargadas, retomando suas atividades cinco anos depois, em dezembro de 2020, além do recebimento de multas. Com sua economia dependendo fortemente da mineração, a cidade de Mariana foi fortemente afetada economicamente, o que rendeu protestos da população pedindo o retorno da empresa durante o período de paralisação.

Inicialmente, em acordo como o Ministério Público Federal, a Samarco se comprometeu a realizar um pagamento de uma caução socioambiental de R$ 1 bilhão. Em novo acordo no ano de 2016, o valor aumentou para R$ 4,4 bilhões a serem pagos até 2018, com a presidente Dilma Rousseff acrescentando que após 2018 haveria um aporte anual de R$ 1,8 bilhão.

Fundação Renova

O DESENHO, O TAMANHO E OS LIMITES DO REASSENTAMENTO DE BENTO RODRIGUES, ALÉM DA DISTRIBUIÇÃO DAS RUAS E QUADRAS, FORAM AMPLAMENTE DISCUTIDOS COM A COMUNIDADE. | FOTO: BRUNO CORREA / NITRO

A Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, assinaram, em conjunto com os governos federal e dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, um Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC). Com o acordo, foi criada a Fundação Renova, instituição responsável por conduzir os programas de reparação, restauração e recuperação socioeconômica e socioambiental nas áreas impactadas pelo rompimento da barragem de Fundão.

Brumadinho

Vista aérea do rastro da lama da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho – Foto: Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais

Pouco mais de três anos após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, o impensável voltou a acontecer e outra onda de rejeitos de minério de ferro causou um enorme estrago, matando, desta vez, 14 vezes mais pessoas do que na primeira tragédia. Ou seja, o desastre ocorrido em 25 de janeiro de 2019, no município localizado na Região Metropolitana de Belo Horizonte, vitimou 270 pessoas, sendo que nove corpos ainda não foram encontrados.

A barragem que se rompeu era denominada barragem da Mina Córrego do Feijão e controlada pela Vale S.A., tendo classificação de “baixo risco” e “alto potencial de danos” pela mineradora.

Lista macabra

O alto número de mortes colocou o Brasil no topo da triste lista de países com mais mortos em decorrência de acidentes com barragens: 292, somando Brumadinho ao rompimento da barragem da Herculano Mineração, em Itabirito (2014, com três mortes) e ao rompimento da barragem em Mariana (2015, com dezenove mortes).

Dificuldades de fuga

Segundo cálculos, a onda de lama chegou a atingir uma velocidade de 80 km/h no momento mais rápido, perdendo força com seu avançar. Assim como em Mariana, as sirenes de alerta de rompimento não tocaram, mas é provável que mesmo se fossem soadas, dificilmente os funcionários da empresa conseguiriam escapar, pois a área administrativa e refeitório eram muito próximos da barragem.

Apesar da grande maioria das vítimas fatais serem funcionários da Vale, muitos deles almoçavam na hora do rompimento, a lama também vitimou pessoas da comunidade da Vila Ferteco, nas proximidades da Mina.

Após o rompimento da barragem da Mina de Feijão, riscos de nova quebra, dessa vez na barragem 6, fizeram com que 24 mil pessoas fossem evacuadas de Brumadinho, interrompendo, ainda, a busca por desaparecidos.

Impactos

A lama da barragem ainda chegou ao rio Paraopeba, que abastece um terço da Região Metropolitana de Belo Horizonte. 12 milhões de metros cúbicos de rejeito foram liberados com o rompimento, bem menos que os 62 milhões de Mariana, mas com um potencial mortal maior, pela localização da estrutura.

Os rejeitos tiveram impacto ao alcançar rios, como o Paraopeba e o São Francisco, além de prejuízos incalculáveis para fauna, flora e solo. Após o desastre, a agência de risco ambiental Sustainalytics, uma das mais importantes do gênero no cenário internacional, rebaixou a Vale logo após o desastre, que passou da categoria 4 para a categoria 5, a mais baixa, que indica risco considerado severo.

Houveram muitas críticas vindas de grupos ambientalistas à Vale e Governos Federal e Estaduais por não tomarem medidas que evitassem outra tragédia do tipo depois da ocorrida em Mariana. Outro ponto reclamado por estas associações foram as formas de sacrifício de animais que ficaram presos na lama, com policiais federais disparando com fuzis, muitas vezes de dentro de helicópteros.

Poucos dias após o rompimento da barragem, a Vale já tinha perdido 71 bilhões de reais em valor de mercado, maior queda diária da história do Brasil. Isso resultou na perda de três posições no ranking de empresas mais valiosas do país, caindo do terceiro para o quinto lugar.

Punições

Após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, diversos bloqueios financeiros e multas foram aplicadas na empresa, além do indiciamento do presidente da Vale à época do rompimento, Fabio Schvartsman, outros dez funcionários da mineradora e cinco da empresa de consultoria alemã TÜV Süd, que passaram a responder por homicídio duplamente qualificado por cada uma das 270 mortes causadas pelo rompimento da barragem B1 em Brumadinho.

A TÜV Süd foi a empresa que deu o laudo atestando a segurança, recomendando que a Vale adotasse medidas para diminuir o risco do rompimento da estrutura, como evitar a indução de vibrações, proibir detonações nas proximidades, evitar o tráfego de equipamentos pesados na barragem e impedir a elevação do nível de água no rejeito.

No dia 4 de fevereiro de 2021, firmou-se o maior acordo indenizatório da história do Brasil e segundo na história mundial, quando ficou definido que a Vale, junto com o Governo Estadual, Ministério Público Estadual e Federal, Tribunal de Justiça de Minas Gerais e Defensoria Pública de Minas Gerais, acertaram o valor de mais de R$ 37 bilhões pelos danos causados, em um acordo com vigência de dez anos. Em caso de descumprimento do acordo, a Vale receberia multa diária de R$ 100 mil.

A Vale também precisou indenizar as famílias dos mortos, com pagamentos por danos morais, seguros e com pensões até que estes completassem 75 anos, que é a expectativa de vida do brasileiro.

Pós-tragédias

Após as tragédias consumadas em Mariana e Brumadinho, as barragens de rejeitos passaram a despertar grande temor no Brasil, principalmente em Minas Gerais. De 2019 em diante, alguns momentos de tensão tiraram o sono de moradores de cidades que possuem estas estruturas.

A partir de 2019 houveram evacuações em cidades como Barão de Cocais, São Gonçalo do Rio Abaixo e Mariana, por risco de rompimento de barragens, o que, felizmente, não acorreu.

A Vale hoje

Atualmente, a Vale está presente em 14 estados brasileiros e nos cinco continentes do planeta Terra, com seus diversos empreendimentos, que passam por mineração, logística, transporte, energia elétrica, entre outros. Sozinha, a empresa consome 5% de toda energia elétrica gasta no Brasil.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.