CelebridadesCinemaCulturaEntretenimentoSériesTV

Viola Davis adaptará clássico “O Beijo no Asfalto”, de Nelson Rodrigues

“O Beijo no Asfalto”, um clássico teatral do escritor brasileiro Nelson Rodrigues, será adaptado para a TV por ninguém menos que Viola Davis e seu marido, Julius Tenoon. Juntos, eles comandam a produtora JuVee Production. A Wise Entertainment, empresa da qual o neto de Nelson Rodrigues, Mauricio Mota, faz parte como um dos fundadores, é parceira desse projeto.

Parece que a adaptação será feita para os palcos em Los Angeles e na Broadway, para o cinema e para a TV, segundo informações do site Deadline. Eles ainda estão em busca de diretores e escritores que levem a obra para esses dois últimos ambientes citados.

Em sua conta no Twitter, Viola comenta, “Estamos muito empolgados com a parceria com a Productions Wise por trazer a inovadora peça do dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues, O Beijo no Asfalto, para a vida”.

Sobre a peça e o escritor

Nelson Rodrigues era pernambucano e é considerado o mais influente dramaturgo do Brasil. Ele foi jornalista, romancista, teatrólogo, contista e cronista de costumes e de futebol brasileiro. Ele nasceu em Recife, em 1916, mas se mudou para o Rio de Janeiro ainda com 4 anos de idade. Ele morreu em dezembro de 1980 por conta de complicações cardíacas e respiratórias.

  21ª edição do FestCurtasBH acontece entre os dias 30 de agosto e 8 de setembro

O Beijo no Asfalto foi publicada em 1960 e conta a história de Arandir, um homem que ajuda um sujeito à beira da morte na calçada, no Rio de Janeiro, e atende seu pedido: um último beijo. Um repórter e um delegado exageram a história à mídia e leva o ato a consequências inimagináveis para Arandir e sua família. A história lida com sensacionalismo, brutalidade e julgamentos, abordando reflexões sobre juízo de valor, poder da imagem, dúvidas e afeto.

Sonia Rodrigues, filha de Nelson, comentou sobre a trama em um comunicado “O Beijo no Asfalto fala sobre brutalidade policial no Brasil. “É sobre desrespeito contra mulheres, especificamente a tortura de mulheres negras e pobres pela polícia. Tratou de ‘fake news’ muito antes da invenção do termo. E fala sobre homofobia através do retrato do amor de um homem por outro homem, mesmo que os personagens não tenham ideia do significado da palavra.”

A história já teve diversas adaptações. A primeira, em 1981 e a última, em 2018.

  Clássicos do cinema e temporadas novas chegam à Netflix em setembro

Veja algumas reações de brasileiros no tweet de Viola Davis:

Fechar