14 perguntas e respostas sobre Covid-19, gravidez e fertilidade

Diante da pandemia da Covid-19, muitas mulheres que planejavam uma gravidez ainda em 2020 têm se questionado sobre o futuro dos seus planos. Principalmente aquelas que, para realizar esse sonho, precisam passar por tratamentos para fertilidade.

Desde que as principais sociedades de Reprodução Assistida do mundo inteiro e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendaram que os tratamentos fossem suspensos, milhares de mulheres se viram numa situação de incerteza e muitas dúvidas.

Por isso, baseada nas orientações da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva – ASRM, a médica especialista em Reprodução Assistida, Cláudia Navarro, responde aqui as perguntas mais comuns sobre a relação entre Covid-19,  gravidez e fertilidade.

1- Adiar meu tratamento pode afetar minha capacidade reprodutiva?

É extremamente difícil pensar em adiar, ainda mais algo que já esperou tanto para acontecer. Mas não há evidências de que atrasar o tratamento por um mês ou dois acabe afetando sua capacidade de ter um filho, mesmo se você tiver preocupações sobre idade avançada e / ou diminuição da reserva ovariana (baixa oferta de ovos).

2- FIV e outros tratamentos são considerados eletivos?

Infertilidade é uma doença e seu tratamento é necessário. Há uma diferença entre tratamento de urgência, como uma cirurgia do apêndice, e tratamento sensível ao tempo, mas não urgente, como a Fertilização In Vitro, que pode aguardar alguns dias ou semanas para ser realizada. Entretanto, não há um consenso universal sobre a terminologia. O que sabemos é que, assim como os tratamentos de fertilidade, diversos outros tiveram que ser adiados devido à pandemia (cirurgias ortopédicas, cirurgias nos olhos, retirada de pedra nos rins, etc).

3- Minha clínica pode impedir que eu seja infectado através da triagem de pacientes e funcionários?

Passar por tratamento de fertilidade é ter que passar por consultas e procedimentos clínicos. Mesmo que a clínica esteja totalmente preparada para reduzir o risco de transmissão do vírus, não há como garantir que a prevenção tenha 100% de eficácia. Muitas pessoas já estão infectadas mas ainda não apresentam os sintomas, sendo extremamente difícil detectar.

4- Por que devo atrasar os cuidados durante a pandemia de COVID-19?

O cuidado com a fertilidade requer interação com muitos indivíduos e quaisquer interações entre pessoas aumentam a probabilidade de você ser infectado. Cada indivíduo reage de uma forma ao vírus, que pode levar à morte dependendo da presença ou não de fator de risco.

5- Meus embriões, óvulos ou espermatozoides estão seguros?

Não há ameaça imediata à segurança de óvulos, esperma ou embriões criopreservados. As clínicas têm políticas e procedimentos para manter os tanques de nitrogênio líquido que contêm embriões, óvulos e espermatozoides congelados.

6- Devo evitar a gravidez durante a pandemia de COVID-19?

Não estamos dizendo que as mulheres não devem engravidar durante esta pandemia. Também não estamos dizendo que não há riscos. Os riscos de adquirir o coronavírus no primeiro trimestre não são conhecidos e não serão conhecidos por algum tempo. O que sabemos é que doenças graves podem levar a complicações na gravidez. Se você já estiver grávida, é importante tomar todas as precauções possíveis para reduzir o risco de exposição ao coronavírus.

7- O que posso fazer agora?

Se sua clínica oferecer uma opção de telessaúde, considere agendar uma consulta on-line e comece a se preparar para o seu ciclo de tratamento. Algumas pessoas podem querer usar esse tempo para se concentrar em melhorar sua saúde geral como parar de fumar ou perder peso, que podem melhorar o sucesso do tratamento de fertilidade. Esta é uma boa oportunidade para se concentrar em nutrição e reduzir ou eliminar hábitos que são prejudiciais à saúde geral.

8- Quando posso retomar o tratamento médico?

Tão logo for considerado clinicamente seguro e a probabilidade de transmissão da COVID-19 for bastante reduzida.

9- Acho que estou grávida; devo fazer o ultrassom e os exames laboratoriais para confirmar a gravidez?

Sim! Os exames de ultrassom e de laboratório são necessários e a possibilidade de gravidez é assunto urgente. Nesse caso, recomenda-se, claro, que os procedimentos de segurança sejam seguidos.

10- Fui diagnosticado com câncer e a quimioterapia é recomendada. Ainda posso tentar congelar meus óvulos (ou esperma se for homem)?

Sim! As pessoas que enfrentam uma necessidade urgente de preservação da fertilidade podem prosseguir durante a pandemia, se isso for considerado razoável após consulta com seu médico.

11- Se eu ficar doente ou tiver um teste positivo para COVID-19, quando é seguro engravidar?

A infecção por COVID-19 pode durar semanas. É prudente esperar até que você não tenha mais sintomas para tentar engravidar.

12- Estou grávida. Existe o risco de uma infecção por COVID-19 afetar minha gravidez?

Com base nas informações atualmente disponíveis, as mulheres grávidas infectadas com COVID-19 não parecem estar em risco aumentado. No entanto, sabe-se que as grávidas correm maior risco de complicações graves de outras infecções virais respiratórias, como influenza e SARS.

13- Qual é o risco de uma infecção por COVID-19 afetar meu feto?

Algumas complicações na gravidez foram relatadas em bebês nascidos de mães positivas para COVID-19, como parto prematuro e baixo peso ao nascer. No entanto, ainda não está claro se esses resultados foram relacionados à infecção materna. É possível que outras complicações imprevistas possam ser descobertas no futuro.

14- O que posso fazer para lidar com tudo isso?

  • O tratamento da infertilidade pode ser estressante. As condições criadas pela pandemia do COVID-19 certamente contribuem para isso e há coisas que você pode fazer para ajudar a reduzi-lo. Sua clínica pode fornecer um encaminhamento a um profissional de saúde mental que pode consultá-lo à distância sobre como gerenciar o estresse e as emoções que envolvem esse conjunto extremamente difícil de circunstâncias.
  • Além disso, obtenha informações precisas e atuais para reduzir a ansiedade. Utilize fontes confiáveis, como OMS, Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida e Ministério da Saúde.
  • Limite o uso de mídias sociais e outras fontes de notícias. Defina uma determinada hora do dia para ler notícias.
  • Utilize aplicativos de relaxamento ou atenção plena para reduzir a ansiedade e a tensão e melhorar o sono. Concentre-se no momento presente.
  • Distraia-se com tópicos não relacionados ao COVID-19. Concentre pelo menos meia hora por dia em outras coisas.
  • Fique em contato com outras pessoas. Use a conexão virtual via telefone ou chat por vídeo para fazer isso. Isso reduz a sensação de isolamento.

Sobre Cláudia Navarro

Cláudia Navarro é especialista em reprodução assistida e diretora clínica da Life Search. Graduada em Medicina pela UFMG em 1988, Cláudia titulou-se mestre e doutora em medicina (obstetrícia e ginecologia) pela instituição federal. Atualmente, atua na área de reprodução humana, trabalhando principalmente os seguintes temas: infertilidade, reprodução assistida, endocrinologia ginecológica, doação e congelamento de gametas.

Veja também:

Assembleia Legislativa determina uso obrigatório de máscaras em comércios de Minas Gerais

Comentários