BolsonaroJair BolsonaroJustiçaPolítica

65% não aprovam indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada, aponta pesquisa

Foram entrevistados 2.118 brasileiros em 26 Estados e no Distrito Federal

De acordo com um levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas, divulgado nesta quinta-feira (18), cerca de 65% dos 2.118 brasileiros entrevistados em 26 Estados e no Distrito Federal são contra a indicação de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), pelo seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, à embaixador do Brasil em Washington (EUA). Os dados apontam ainda que apenas 28,7% dos entrevistados concordam com a indicação e 6,5% não souberam responder. A margem é de erro é de 2 pontos percentuais, com o nível de confiança de 95%. Veja pesquisa na íntegra.

 

65% não aprovam indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada
Gráfico da porcentagem de reprovação/aprovação da indicação de Eduardo Bolsonaro a embaixador – Fonte: Paraná Pesquisas/Poder 360

Bolsonaro declarou sua intenção de indicar um dos seus filhos ao cargo na última quinta-feira (11). Com isso, a pesquisa foi feita nos dias 13, 14, 15, 16 e 17 de julho de 2019.

  Bolsonaro suspende radares de fiscalização em rodovias federais

Por faixa etária, a maior parte das pessoas que discordam são de pessoas de 60 anos ou mais e a menor, na faixa de 45 a 59 anos. Na classificação por região, o Nordeste é responsável pela maior parte da rejeição (66,8%), e o Norte/Centro-Oeste a menor parte (62,5%).

Se Eduardo Bolsonaro assumir o posto de embaixador, poderá configurar crime de nepotismo, segundo o ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello.

A indicação foi alvo de críticas por parte de políticos e artistas, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o cantor Caetano Veloso. As críticas foram feitas em tom cômico e de deboche.

Processo de nomeação

Para um embaixador ser nomeado, primeiro é necessário que ele seja indicado pelo presidente no Diário Oficial da União.

  Polarização política pode pautar eleições municipais de 2020 em Ouro Preto

Após ser indicado, o nome deve ser apresentado à Comissão de Relações Exteriores do Senado. Logo após, será submetida a uma sabatina na Comissão. Os senadores é quem decidirão, em votação secreta, se o indicado é apto ou não ao cargo.

Caso a maioria seja favorável, o nome segue para o plenário da Casa. A votação também é secreta e por maioria simples.

O último caso de veto à indicação foi quando Dima Rousseff indicou Guilherme Patriota para o cargo de embaixador na Organização dos Estados Americanos, em 2015. Na Comissão de Relações Exteriores, o nome dele foi aprovado, porém, no plenário, foi derrotado por 38 a 37 votos.

Fechar