27.9 C
Belo Horizonte
terça-feira, 16 agosto 2022
Portal Mais MinasAgenda CulturalCom Paula Fernandes, Nenhum de Nós e Oswaldo Montenegro, Festival de Inverno de Congonhas começa nesta sexta-feira (8/7)

Com Paula Fernandes, Nenhum de Nós e Oswaldo Montenegro, Festival de Inverno de Congonhas começa nesta sexta-feira (8/7)

Atrações para todas as idades e gostos é o que promete o 27º Festival de Inverno de Congonhas que vai movimentar a cena cultural do município, que fica a 70 km de Belo Horizonte, durante o mês de julho. A programação, gratuita, inclui shows, espetáculos de teatro e dança, incluindo Grupo Galpão, Toninho Horta, Nenhum de Nós, Orquestra Filarmônica, bate-papos e oficinas (que tiveram inscrições antecipadas). E para abrir essa edição do evento que já é tradicional na Cidade dos Profetas, a cantora Paula Fernandes irá se apresentar no dia 8 de julho, às 21h, na Praça de Eventos. O festival multicultural seguirá até o dia 31 de julho, com show de Oswaldo Montenegro, na Romaria.

O 27º Festival de Inverno de Congonhas é uma realização da Prefeitura de Congonhas, por meio da Secretaria de Cultura, Esportes, Turismo, Lazer e Eventos (Seculte) e apoio Fumcult, H2 Hotéis e Farid Supermercados. “Após dois anos, o Festival de Inverno retorna ao formato presencial fortalecendo a nossa cultura, valorizando os artistas locais, atraindo visitantes para a nossa cidade e movimentando não só o setor cultural, mas também a economia de Congonhas. Esse ano, homenageamos o artista Washington de Souza Gonçalves, conhecido por todos como “Ciel”. Um artista conhecido pelos seus grafites e que fazia um trabalho cheio de carinho com crianças da cidade”, diz Jean Angelo de Oliveira, secretário municipal de cultura de Congonhas.

Para a abertura, o Festival traz a cantora, compositora e instrumentista Paula Fernandes. A mineira de Sete Lagoas é referência musical no segmento sertanejo. Ao longo de sua trajetória, já vendeu mais de 5,6 milhões de cópias de CDs e DVDs, fez parcerias com grandes nomes da música internacional como Plácido Domingo, Juanes, Alejandro Sanz, Taylor Swift, Shania Twain e Michael Bolton, entre outros. Emplacou mais de 20 músicas em trilhas sonoras de novelas e filmes, recebeu importantes prêmios e indicações, além de realizar turnês internacionais.

Paula Fernandes em Congonhas
Paula Fernandes – Foto: divulgação

A Filarmônica de Minas Gerais, uma das iniciativas culturais mais bem-sucedidas do país, vai se apresentar no Festival, no dia 10, domingo. O concerto será realizado às 16 horas, na Romaria, importante espaço turístico e religioso da cidade. Sob a batuta do maestro José Soares, Regente Associado da Filarmônica, a Orquestra leva um repertório totalmente brasileiro, destacando a variedade de estilos e as influências das nossas raízes na música orquestral feita no país, com obras de Alberto Nepomuceno, Eleazar de Carvalho, Francisco Mignone, Gilberto Mendes, Guerra-Peixe, Lorenzo Fernandez e Carlos Gomes.

Dentre as atrações de teatro está o Grupo Galpão, com apresentação do espetáculo “De tempo somos – um sarau do grupo Galpão”, na sexta-feira, 15 de julho, às 20h, na Praça JK. Com direção musical e arranjos de Luiz Rocha, nesta montagem os atores cantam e executam, ao vivo, 25 canções de trabalhos mais antigos celebrando o encontro da música com o teatro. A cantoria vem acompanhada de textos escolhidos por Eduardo Moreira e Lydia Del Picchia que falam da passagem do tempo e do estado embriagado e libertador que é inerente à criação artística. Reflexões e poemas de Eduardo Galeano, Anton Tchékhov, Olga Knipper, Calderón de la Barca, Charles Baudelaire, Manuel Bandeira, Nelson Rodrigues, Jack Kerouac, Paulo Leminski e José Saramago compõem esse caleidoscópio em que os atores do Galpão compartilham, com o público, suas indagações e vivências artísticas.

Grupo Galpãp
Grupo Galpão – Fotos: André Fossati

A diversificada programação também vai contar com uma palestra com Ronaldo Fraga. “A música como um insumo importante com a produção de vestir. Conexão sobre o conceito da música projetada na moda e artesanato” será o tema da conversa a ser conduzida por Ronaldo Fraga, no sábado, 16 de julho, às 16h, no Museu de Congonhas. Resgatando a tradição dos grandes saraus das cidades históricas mineiras, Toninho Horta & Petrônio Souza anunciam o lançamento do Projeto de Música e Poesia na Estrada Real.

“Sarau de Música e Poesia”, de Toninho Horta & Petrônio Souza, é outro projeto que integra a programação do Festival. O sarau da dupla começou em novembro de 2015 e chega ao ano de 2022 com os autores lançando novas obras, produzidas durante os últimos anos, sendo que o CD duplo de Toninho Horta foi vencedor do Grammy Latino de 2020 como melhor álbum de Música Popular Brasileira e Petrônio Souza apresenta o livro Dia Nublados, todo ele escrito durante a pandemia. Antes da sessão de autógrafos, os autores farão um bate-papo, quando abordarão detalhes e características de suas obras, além da poesia na música popular brasileira, histórias do Clube da Esquina, bastidores do mundo literário, e as eternas parcerias de Toninho Horta e suas gravações. Haverá, ao final, espaço para perguntas do público. O Sarau será realizado no dia 21 de julho no Museu de Congonhas.

Para encerrar o 27° Festival de Inverno de Congonhas, o cantor Oswaldo Montenegro vai apresentar sua nova turnê “Lembrei de Nós”, no dia 31 de julho, às 20h, na Romaria. A entrada é gratuita. No espetáculo além da música que dá título ao show, outras canções conhecidas como “Não há Segredo Nenhum”, “Lua e Flor”, “Bandolins”, “A Lista”, “Estrelas”, “Estrada Nova” vão embalar a noite de domingo. O show conta ainda com a participação especial da flautista Madalena Salles, musicista que o acompanha desde a adolescência. Oswaldo Viveiros Montenegro é um músico brasileiro que nasceu no Rio de Janeiro no dia 15 de março de 1956. Além de cantor, compõe trilhas sonoras para peças teatrais, balés, cinema e televisão.

ACESSE AQUI A PROGRAMAÇÃO COMLPLETA DO FESTIVAL DE INVERNO DE CONGONHAS

Homenageado

O Festival de Inverno de Congonhas deste ano homenageia o artista Washington de Souza Gonçalves, popularmente conhecido como “Ciel”. O congonhense era um anjo que arriscava voos em manobras audaciosas com seu skate, sua motocicleta e o seu intrépido e estilizado fusca. Como grafiteiro deixou sua marca em nossa cidade e como professor do Projeto Arte na Escola dividiu seu talento com os alunos. Ciel era um pintor de flores, borboletas e elefantes e implantava sua arte em muros onde antes haviam apenas sombras e deixava-os com mais luz e alegria. Ele amava as crianças, e sempre promovia festas e brincadeiras com elas, chegando a realizar o sonho de levá- las para conhecer o mar.

Serviço:

  • 27.º Festival de Inverno de Congonhas
  • De 8 a 31 de julho
  • Diversos locais de Congonhas

Fonte: Luz Comunicação

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: