Além da lama conta os bastidores do salvamento da tragédia em Mariana

NEWSLETTTER

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:

Escolha o tipo e/ou às localidades que você deseja receber notícias -

Destaques

Coronavírus: crianças homenageiam profissionais da saúde de Congonhas

Os profissionais de saúde de Congonhas foram surpreendidos com palavras e desenhos de gratidão de dezenas de crianças congonhenses....

Incêndio em fábrica de Ribeirão das Neves deixa uma pessoa ferida

Um senhor de idade ainda não divulgada foi vítima das chamas que atingiram a fábrica de tecido Ematex, localizada...

Vale é obrigada a retirar animais de área de barragem em Ouro Preto

Após elevação do nível 2 de emergência na mina Doutor, em Ouro Preto, ocorrida na última quarta-feira, 1º de...

Cadastro para receber auxílio emergencial de R$ 600 começará na terça-feira (7)

O Governo Federal lança na próxima terça-feira (07.04) um aplicativo para os trabalhadores sem cadastro nos programas sociais inserirem...

Como higienizar compras feitas por delivery durante a quarentena

Os brasileiros que já estavam se adaptando aos aplicativos que oferecem o serviço de delivery de comida pronta, como...

5 de novembro de 2015: o país inteiro assiste ao desaparecimento de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, subdistritos de Mariana, em Minas Gerais, até então pouco conhecidos pela maior parte dos brasileiros. O rompimento da barragem de Fundão, administrada por um dos maiores grupos de exploração mineral do mundo, despejou milhões de metros cúbicos de rejeito tóxico na região, tingindo de marrom a paisagem local e causando a morte de dezenove pessoas.

Mas essa catástrofe poderia ter sido ainda maior. É o que descobrimos em Além da lama – O emocionante relato do capitão dos Bombeiros que atuou nas primeiras horas da tragédia em Mariana (Editora Vestígio | Grupo Autêntica). O livro foi escrito por Leonard Farah, comandante da Companhia Operacional de Busca e Salvamento do BEMAD (Batalhão de Emergências Ambientais e Respostas a Desastres), que liderou a equipe especializada responsável pela operação.

O lançamento oficial acontecerá no dia 5 de novembro (terça-feira), no Sempre um Papo. A conversa, mediada pelo criador do projeto, Afonso Borges, acontecerá a partir das 19h, no Auditório da Faculdade de Direito da UFMG (Av. João Pinheiro, 100 – Centro), em Belo Horizonte.

Esta é a primeira vez que o comandante da operação relata com tantos detalhes, em um livro, os bastidores da tragédia. Nele são apresentadas as minúcias das 15 primeiras horas de atuação dos Bombeiros, desde o recebimento da ocorrência no quartel até o salvamento dos quinhentos moradores ilhados. No total, mais de setecentas pessoas foram resgatadas em uma operação que representou uma verdadeira corrida contra o tempo, em função da ameaça de rompimento de uma segunda barragem, de capacidade muito superior à da primeira.

Farah também discorre sobre diferentes aspectos do ofício de bombeiro, como os anos formativos, as dificuldades enfrentadas nesse período, a importância da união da corporação e o duro treinamento que atualmente ministra no Curso de Salvamento em Soterramento, Enchentes e Inundações (CSSEI), que trabalha, além dos aspectos estratégicos, o equilíbrio necessário entre a razão e a emoção para que os salvamentos sejam bem-sucedidos.

Além de sua experiência em Mariana, o capitão comandou uma das equipes de atendimento à ocorrência do colapso da barragem de Brumadinho, cidade cuja tragédia humana foi ainda maior. Recentemente, também chefiou uma missão composta por vinte militares do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, enviada a Moçambique após os ciclones Idai e Kenneth causarem devastação no país africano em março e abril deste ano, respectivamente.

“Este livro não é apenas um rico documento existencial. A experiência dos Bombeiros de Minas Gerais nesse tipo de desastre fez deles uma referência internacional no socorro a vítimas de rompimento de barragens. Depois de Mariana, veio Brumadinho, e de novo os bombeiros foram o grande auxílio que os moradores encontraram. Cobri esses desastres e visito esses lugares de vez em quando. O quadro é desolador. Mas seria muito pior se o Brasil não contasse com a competência e a coragem desses heróis.” – Fernando Gabeira

 

Sobre o autor: Leonard de Castro Farah é capitão do Corpo de Bombeiros Militares de Minas Gerais e atua como comandante da Cia. Operacional de Busca e Salvamento da corporação. É especialista em Redução de Risco e Desastres pela ONU; especialista em Gestão de Desastres pela UNESCO; graduado em Ciências Militares com ênfase em Catástrofes (APM-MG); pós-graduado em Gestão de Emergência e Desastres (UFF-RJ); mestre em Engenharia Geotécnica de Desastres Naturais (UFOP-MG); e especialista em Gestão de Desastres (JICA TOKYO, Japão).

 

- Advertisement -