‘As Aventuras de Pi’: uma jornada espiritual de um jovem indiano e um tigre-de-bengala

Destaques

Número de morte por coronavírus em Minas Gerais chega a dezessete

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou, na manhã deste sábado (10), mais um Informe...

Sons of Anarchy: a apaixonante série que une motocicletas, ação e muito drama

O período de isolamento social é uma ótima oportunidade para colocar as séries em dia ou começar a acompanhar...

Zema afirma que primeira parcela será paga para servidores na próxima quarta-feira (15)

O Governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), anunciou ontem (9), em coletiva no Palácio do Planalto, em Brasília,...

Programação de lives desta sexta-feira (10/04); shows na quarentena

Continuando com o trabalho de entreter os brasileiros que estão em casa por recomendação da Organização Mundial da Saúde...

Sexta-feira Santa: memória da Paixão e Morte de Jesus Cristo

Na Sexta-feira Santa, os cristãos relembram o sofrimento e a morte de Jesus. Segundo a tradição bíblica, naquele dia...

O livro “As Aventuras de Pi” (“Life of Pi”), do escritor canadense Yann Martel, foi publicado em 2001. No ano seguinte, o autor ganhou o Prêmio Man Booker, um dos prêmios literários mais importantes do Reino Unido, e depois o livro se tornou um filme. Antes disso, o romance chegou a ser rejeitado em cinco editoras.

Piscine Molitor Patel, ou Pi, como é chamado, cresce na Índia com seus pais e irmão. Seu pai é dono de um zoológico e sua mãe é dona de casa. Além de ir à escola, Pi passa algum tempo nadando. A vida está indo bem, mas um dia a diversão cotidiana se quebra quando os pais dizem à família que vão se mudar para o Canadá.

A viagem com o navio japonês Tsimtsum parte de Madras e deve ir diretamente para a América do Norte, mas no meio do Pacífico, o navio fica perdido e Pi acaba em um barco salva-vidas. A princípio, ele tem esperanças de ser resgatado, mas essa esperança desaparece à medida que as horas se transformam em dias sem que qualquer embarcação de resgate seja vista. Em sua companhia estão um orangotango e uma zebra ferida, além de uma hiena e um tigre-de-bengala.

Curiosamente, a palavra “tsimtsum” (ou tzimtzum ) descreve uma ideia dos ensinamentos judaicos da Cabala de Isaac Luria, um rabino e místico. O conceito de tsimtsum diz que Deus retirou ou contraiu sua luz infinita para criar o universo e todas as coisas.

Pi está lutando por sua sobrevivência contra os predadores e o mau tempo, bem como contra a fome e os danos físicos. O embate entre os animais é crucial. A zebra ferida não tem chance contra a hiena e, portanto, logo é vítima de seu ataque. O mesmo destino afeta o orangotango. E quando a batalha é finalmente entre a hiena e o tigre, é o primeiro que fica sem chance. Depois disso, Pi está sozinho com o tigre-de-bengala a quem ele chama de Richard Parker.

Richard Parker é um dos personagens do livro “O relato de Arthur Gordon Pym”, de Edgar Allan Poe. Ele é um dos tripulantes sobreviventes da embarcação “Grampus”, que sofre um motim e naufraga em alto-mar

O desespero cresce à medida que o suprimento de emergência começa a acabar. Ao pescar, ele consegue manter a si próprio e Richard Parker vivos por 227 dias.

A história de Pi começa com um prólogo em que um narrador descreve o encontro com um homem que afirma ter uma história que pode fazer qualquer um acreditar em Deus. Após o prólogo, a história segue três partes distintas. Na primeira parte, a vida de Pi é descrita na década de 1970 na Índia, treinamento de natação, o relacionamento com a água e a vida cotidiana na escola, onde ele é frequentemente criticado por seu nome. Pi costuma visitar o zoológico e o respeito pela natureza é claramente refletido na história. Ele também procura respostas para questões religiosas. A pesquisa resulta nele, eventualmente, professando o cristianismo, o islamismo e o hinduísmo.

A segunda parte do livro trata da viagem pelo Pacífico. Esta parte se concentra na luta de Pi pela sobrevivência. Ele luta para conseguir que a comida e a água potável sejam suficientes e anseia pela família. Ele também luta para obter vantagem sobre Richard Parker e é afetado pelas mudanças climáticas. Finalmente, o barco salva-vidas chega ao México.

 

A terceira e última parte consiste em apenas seis capítulos em que a razoabilidade da história é questionada. Pi realmente atravessou o Pacífico em um barco salva-vidas com um tigre-de-bengala? Onde, então, o tigre tomou a estrada? O que realmente aconteceu na noite em que o navio afundou e alguém pode ser responsabilizado pelo que aconteceu?

A maior parte da história é contada pelo próprio Pi, mas ocasionalmente o narrador retorna do prólogo. A história é então movida para os tempos modernos e serve como um tipo de história sobre o protagonista e sua nova vida e lar no Canadá.

Um tema claro no livro é a solidão. Embora Pi quase nunca esteja sozinho em seu sentido real, sua existência é caracterizada pela solidão. O fato de haver falta de companhia em um barco salva-vidas em operação não é surpreendente, mas a solidão o segue por mais tempo do que isso. Na primeira parte do livro, apenas alguns colegas são mencionados e geralmente são descritos como agressores. Aqui, sua experiência de solidão é clara.

A segunda parte do livro se aprofunda na solidão. Pi passa de se mover sozinho pelo pátio da escola para se mover sozinho pelo oceano. Nos dois casos, ele tem apenas predadores para companhia. Outra expressão de solidão é que ele escolhe não se livrar de Richard Parker, apesar de ter a oportunidade.

Outro tema do livro é religião e crenças. Esse tema já é mencionado no prólogo e na primeira parte do livro, onde o leitor pode acompanhar a busca de Pi pela crença correta. Ele decide seguir o hinduísmo, a religião com a qual cresceu, enquanto professa o cristianismo e o islamismo. Após a primeira parte, no entanto, esse tema cai, em partes, no esquecimento. Às vezes, as orações são mencionadas e a prática de outros rituais religiosos, mas isso é mais ou menos apenas de passagem, de modo que o leitor tem todos os motivos para se perguntar por que a história inevitavelmente faria alguém acreditar em Deus.

Os temas da visão da vida também são abordados de maneira mais sutil, levantando perguntas. No México, Pi é visitado por dois funcionários do Ministério das Comunicações do Japão, encarregados de determinar o que realmente aconteceu quando o navio afundou. A explicação que ele dá é a mesma apresentada na segunda parte do livro. Eles não acreditam nisso. Parte do conteúdo da história é simplesmente incrível demais. Pi diz, por exemplo, que ele chegou a uma ilha botânica em um ponto. Ele argumenta que não é possível estabelecer que uma alegação é falsa simplesmente porque não há testemunhas que possam confirmar que ela é verdadeira. Isso está de acordo com algumas questões filosóficas clássicas.

Em síntese, “As Aventuras de Pi” mostra uma solidão com a qual a maioria das pessoas se relaciona, enquanto ao mesmo tempo, de uma maneira bastante assustadora, mostra do que a natureza humana é capaz em situações desesperadoras. Martel combina formulações inovadoras com puro texto fatual, o que torna a linguagem interessante. Há também uma emoção no livro que certamente pode agradar a quem gosta de romances de aventura clássicos. Uma mistura de aventura e relaxamento fácil de ler que flui a imaginação e atiça a filosofia de forma ponderada e instigante.

Leia também: O limite da traição’, nova produção da Netflix, no limite da exaustividade

- Advertisement -