BolsonaroCidadaniaDireitos HumanosEducaçãoJair BolsonaroManifestaçãoMinas GeraisNotíciasOuro PretoProtestoReforma da PrevidênciaReforma TrabalhistaUniversidade

Ato em defesa da Educação leva manifestantes às ruas de Ouro Preto mais uma vez

Hoje (30) aconteceu uma paralisação nacional em defesa da Educação, devido ao corte de 30% nas verbas das universidades e institutos federais do país. Este foi o segundo ato no mês de maio contra os cortes de verbas das universidades e institutos federais anunciados pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Durante os atos do dia 15 de maio, Bolsonaro chegou a chamar os manifestantes de “idiotas úteis”, afirmando que estes são “massa de manobra”. Porém, no dia (26) voltou atrás e afirmou que exagerou ao denominar os estudantes de tal forma. O presidente do Brasil afirmou que “inocentes úteis” seria um termo mais correto. O político afirmou que os participantes não sabiam o que estavam fazendo ali, estando, portanto, sendo influenciados por, segundo ele, professores “inescrupulosos”.

  Vale suspende operação em usina de Jeceaba (MG)

Após menos de uma semana dos atos pró-Bolsonaro, mais uma vez acontecem manifestações em prol da Educação e contra as medidas do presidente.

Ato em defesa da Educação leva manifestantes às ruas de Ouro Preto mais uma vez
Crédito da foto: Karina Peres/Mais Minas

Manifestação em Ouro Preto

Reunindo estudantes, professores e entidades ligadas à educação, em Ouro Preto, o ato começou às 14h com concentração na portaria da UFOP e saída em direção à portaria lateral do campus. Logo após, saiu pela Rua João Pedro da Silva, parando na Praça da Bauxita, com falas de manifestantes por 20 minutos (vídeo abaixo). Após a fala, o ato segue pela avenida Juscelino Kubitscheck, rua Pandiá Calógeras, Barra, chegando na Praça da Estação, onde aconteceu mais falas e encerramento do ato.

  MEC prorroga prazos do Prouni e Fies

Em conversa com a repórter Karina Peres, o presidente do Conselho Municipal de Educação de Ouro Preto e professor de Geografia na rede municipal de Ouro Preto, Leandro Andrade Cardoso, ressalta: “Se ele (Jair Bolsonaro) não voltar atrás, vai ter que ter grave, porque não vai ter como funcionar. A escola que eu trabalho, por exemplo, ela tem faltado papel pra xerox, giz, papel higiênico, a gente tem que pagar uma cota de xerox se a gente quiser tirar xerox, porque não tem recurso pra isso.”

Maria Cecília, de 16 anos, é estudante do curso técnico de Administração no 2º ano do ensino médio no Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) e também participou da manifestação em “defesa do seu futuro”. Segundo ela, “Desde criança, quando a gente entra na escola, a gente pensa em entrar numa faculdade, e agora que talvez não tenha uma chance de entrar, devido aos cortes, eu estou perdida.”

O Coordenador Geral do Sinasefe, sindicato que representa os servidores da educação do IFMG, diz que se o presidente não voltar atrás nos cortes, “Nós vamos continuar na rua e mostrar a força da população unida, a força da educação, e vamos continuar nos colocando e defendendo isso que é patrimônio: a educação pública gratuita de qualidade, e nós vamos continuar na rua fazendo essa defesa.” 

Ato em defesa da Educação leva manifestantes às ruas de Ouro Preto mais uma vez
Crédito da foto: Karina Peres/Mais Minas

Fechar