AnimalCorpo de BombeirosDestaqueMontes Claros

Bombeiros salvam filhotes de cachorro de incêndio; veja vídeo

O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais salvou dois filhotes de cachorro de um incêndio de grandes proporções no interior do parque Guimarães Rosa, na Cidade de Montes Claros. O incêndio, que atingiu a vegetação e deixou várias residências ameaçadas pelas chamas, começou por volta das 12h40 deste domingo (15) e foi encerrado às 21h12 do mesmo dia.

Duas equipes em dois caminhões de combate a incêndios atuaram na ocorrência. Além dos veículos dos Bombeiros, foi necessário contar com o apoio de um caminhão pipa da empresa Copasa. Foram gastos, aproximadamente, 40.000 litros d’água no combate às chamas. A origem do fogo é desconhecida.

Bombeiros salvam filhotes de cachorro de incêndio; veja vídeo
Bombeiro combate as chamas – Crédito da foto: Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais

Apenas cinco minutos após o combate as chamas ser encerrado, o Corpo de Bombeiros foi novamente acionado devido a uma reignição, que é quando o local volta a pegar fogo. Rapidamente a guarnição retornou ao local e extinguiu o novo foco do incêndio. Presume-se que a área queimada foi de cerca de dois hectares.

Os filhotes regatados pelos Bombeiros foram adotados por um morador da região.

Veja o vídeo do combate as chamas:

Prevenção de incêndios florestais

Incêndios florestais acontecem, na maioria das vezes, por ações humanas, sejam elas diretas ou indiretas. A melhor forma de prevenção é tomando alguns cuidados. Veja a lista, de acordo com o site Sintecsys.

1. Não lance pontas de cigarro a esmo

No início do ano, no Chile, uma simples bituca de cigarro devastou mais de 160 mil hectares e matou 10 pessoas. Esse é um gesto aparentemente inocente, mas que resulta em milhares de ocorrências de incêndios florestais por ano em todo o mundo. Na Austrália, a pesquisadora Jennifer Dainer, da Universidade de Tecnologia de Sydney, concluiu, após um curioso experimento com certa quantidade de feno, que o lançamento de uma simples bituca de cigarro, aliado a uma umidade relativa do ar de 14% e ventos de 40 km/h, é capaz de incendiá-lo em, pelo menos, 30% dos casos.

2. Não deixe lixo em áreas florestais

Um dos motivos pelos quais o lixo também é considerado um fator de risco de incêndios florestais é que, geralmente, contém recipientes de vidro. Estes, em contato com os raios solares, funcionam como um canalizador da luz e um eficiente gerador de combustão. Sem contar que, muitas vezes, o lixo pode conter potenciais combustíveis, como caixas de fósforos, restos de brasas, líquidos inflamáveis, entre outros resíduos semelhantes.

3. Tome cuidado com as reuniões em florestas

Algo muito comum nos dias atuais é a realização de festas, eventos e rituais religiosos em regiões de mata fechada, como uma forma original de confraternização. Mas o grande problema é o lixo produzido, onde muitas vezes são utilizadas velas, churrasqueiras, entre outros utensílios, que deveriam ser evitados nessas localidades. No entanto, caso seu uso seja imprescindível, o recomendado para a prevenção de incêndios é o máximo de cuidado na hora de recolher todos os resíduos produzidos.

4. Não solte balões

Muitos não sabem, mas o ato de soltar balões é considerado um crime, de acordo com a Lei dos Crimes Ambientais, nº 9.605/98. Sua criação se deu após uma série de ocorrências gravíssimas, muitas delas comprometendo seriamente inúmeras reservas naturais. De acordo com a lei, é proibido “fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios florestais”. Estando o infrator sujeito a multa ou mesmo a uma pena de 1 a 3 anos de reclusão. O Brasil terminou o ano de 2016 com mais de 120 mil focos de incêndios florestais.

5. Não queime o lixo encontrado nas matas

Muitas vezes, por uma questão de boa vontade e acreditando praticar uma boa ação, alguns indivíduos têm o perigoso hábito de incinerar o lixo que encontram em regiões de mata fechada. Para os especialistas e bombeiros, trata-se de um erro grave, pois dificilmente terão controle sobre as consequências dessa ação. Certamente, o fogo irá acabar se alastrando, e, a depender das condições climáticas, não será contido, por maiores que sejam os esforços.

6. Utilize a técnica dos aceiros

Essa dica é ideal para os pequenos e grandes produtores rurais, que nem sempre têm informação suficiente sobre como prevenir possíveis incêndios florestais resultantes das suas atividades. Os aceiros são trechos de terras sem qualquer tipo de vegetação, que funcionam como uma espécie de “fim da linha”, caso surjam focos de incêndio em determinados trechos das matas. No entanto, é necessário que essas faixas de terra sejam constantemente limpas, livres do acúmulo de lixo e tenham, no mínimo, 5 m de largura, a fim de que o resultado seja realmente eficaz no combate às chamas. A prevenção ainda é a maior arma contra os incêndios.

7. Faça uma barreira com a vegetação

As barreiras vegetais geralmente são compostas por alguns tipos de plantas consideradas pouco inflamáveis, como certas variedades de ciprestes e outras vegetações capazes de resistir bem ao potencial devastador das chamas. Essa é uma forma de atuar na prevenção de incêndios de forma natural e sustentável, além de introduzir novas espécies em determinadas regiões, ação que deve ser tomada com auxílio de um profissional especializado.

8. Utilize a água como um bloqueio

Nesse caso, trata-se de utilizar barragens, pequenos açudes e mananciais de forma estratégica, a fim de torna-las uma espécie de barreira para a propagação de focos de incêndio. Para isso, o recomendado é que esses mananciais não ultrapassem a distância de 5 km uns dos outros, e que sejam constantemente monitorados para que funcionem adequadamente. Além de servirem como uma técnica para a prevenção de incêndios, também funcionarão como uma reserva de água para o combate dos focos e para a sobrevivência em casos mais extremos.

9. Capacite os profissionais

A capacitação dos profissionais responsáveis pelo combate aos incêndios florestais é uma das principais armas contra esse drama, pois serão capazes de se antecipar ao problema. Essa atitude é conhecida como “Detecção do Fogo” ou “Patrulhamento Preventivo”, que consiste em aparelhar adequadamente os profissionais para percorrerem extensas áreas consideradas de risco, como forma de prevenção de incêndios.

10. Promova campanhas de prevenção de incêndios florestais

Por fim, talvez esta seja a dica mais simples de como prevenir incêndios florestais, mas que, infelizmente, é bastante negligenciada pelos poderes públicos. É praticamente um consenso que a educação sobre como portar-se numa região de floresta é a forma mais garantida de evitar esse tipo de tragédia, que, segundo especialistas, em quase 90% dos casos é fruto da negligência humana. Porém, deve-se ter a consciência de que essa educação começa em casa, estende-se para as escolas e completa-se com a participação do poder público, por meio de campanhas de conscientização. É possível ver sobre, também, nos canais de comunicação do Corpo de Bombeiros.

Deixe seu comentário

Etiquetas
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar