Com provável fim da extração mineral daqui a 20 anos, Catas Altas prepara plano de diversificação econômica

A Prefeitura de Catas Altas, em parceria com a mineradora Vale, vai elaborar um plano de diversificação econômica para o município pensando daqui a 20 anos, quando espera-se a exaustão das cavas existentes, ou seja, quando provavelmente ocorrerá o fim das atividades de extração mineral no município.

A ideia surgiu a partir da discussão da expansão da Mina de Fazendão e da preocupação dos gestores com o pós-mineração.

Para elaborar o Plano, a Vale contratou uma empresa que irá fazer um diagnóstico da atual situação, desenvolver e implementar as ações propostas.

Isso será feito por meio do alinhamento entre as instituições locais e, principalmente, no empoderamento da sociedade civil para a solidificação de uma governança local.

“No início de abril, tivemos uma reunião de alinhamento para falar um pouco das expectativas e necessidades do município. Nossa ideia é que o turismo se transforme em nossa principal fonte de renda e, até por isso, deve ser o foco do plano. Desde 2017 já estamos trabalhando com e esse objetivo, uma vez que é uma das melhores alternativas econômicas para o período de pós-mineração”, esclarece o vice-prefeito Fernando Rodrigues Guimarães.

O Prefeito José Alves Parreira complementa que o município precisa estar preparado para esta nova realidade. “A Mina de Fazendão, por exemplo, tem uma expectativa de funcionar por mais apenas 20 anos. É nossa responsabilidade ajustar isso agora para que nossa população tenha como se sustentar lá nos anos de 2040. Ainda está longe? Pode até parecer que está, mas se continuarmos apenas dependendo da mineração, pode ter certeza, não teremos um futuro promissor para Catas Altas”, explica.

Comentários