O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

…Uma construção (ir)racional?

Sabrina Guedes 14 de agosto de 2018 às 00:52
Tempo de leitura
2 min

Analisar a realidade humana é tecer um padrão estrutural de moral e ética, aos quais o ser humano é submetido, cujo o fim último pensa-se ser a felicidade. Mas que preço pagamos por esta tal felicidade que todos procuram, questionam e desejam ver através dela, seus problemas resolvidos?

Raros são os que conseguem aprofundar e embasar uma teoria racional ou emocional sobre o problema e de fato delimitar o espaço que ocupa na vida de cada indivíduo. Tal reflexão é um dialogar interior com a maneira como nos portamos diante das situações as quais somos inqueridas.


Todos desejam o bem, o bom, o saudável…em suma, a perfeição. Mas o apregoamento dos valores nos leva a enxergar a patologia diante da nossa própria interiorização. Como desejar a ausência da dor, do sofrimento, se há uma inversão de valores onde o sujeito não é respeitado na sua constituição primeira como elemento da espécie humana?

Somos capazes do autoflagelo e de submeter nossos pares ao mais baixo nível da degradação ética, isso sem mencionar ou questionar que valores morais estão por trás de condutas deste porte.

E ainda assim, somos classificados como racionais.

Nos racionalizamos tanto que acabamos nos tornando irracionais, pois nossos atos contradizem a essência da coletividade que é “o bem viver e o bem agir como o ser feliz” (Aristóteles)

Cultuamos a superficialidade das relações, o desprezo por aquele que na essência é igual a nós e ao todo da espécie. Matamos, sim, tiramos o sopro da vida das mais perversas formas. Seja no pensar, no falar, no agir e no apagar das luzes do último suspiro.

Este é o “grand finale” ao qual o último ato está sendo conduzido? A morte do amor, da emoção, da pureza, da sinceridade e do agir em prol do bem pessoal?

Essa é a estrada percorrida pelos seres cognoscentes, racionais, dotados da intelectualidade.

E a beleza emocional, onde encontra-se? Na irracionalidade dos insanos, na imaginação dos artistas, na transmutação da natureza…

Não seria ela a portadora da verdadeira felicidade que desesperadamente procuramos?

Ao estudar as características e a índole dos animais, encontrei um resultado humilhante para mim” Mark Twain

 …Uma construção (ir)racional?

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.