DestaqueO Queijo vai na MalaTurismo

Conheça Catas Altas, uma joia da região Entre Serras de Minas

Em primeiro lugar: mas por quê Entre Serras? Dizemos assim de toda a região que vai da Serra da Piedade à Serra do Caraça, e Catas Altas está justamente aos pés da imponente Serra do Caraça. É considerada a única cordilheira do Brasil, por sua singular formação.

Foi ao longo do período colonial que a mineração mais explorou esta serra, rica em ferro, manganês, bauxita e ouro. E justamente ao redor dela grandes núcleos urbanos se formaram, como Ouro Preto e Mariana.

Assim como as demais cidades históricas mineiras, Catas Altas também se formou em meio ao boom do ciclo do ouro. Sua constituição data do  final do século XVII, por volta de 1694, com a descoberta de ricas minas auríferas. A maior parte destas riquezas estavam nas regiões mais altas da cidade e por isto ela recebeu o nome de “Catas Altas”.

Crédito: Vanessa Barreto/ O Queijo vai na Mala

Tudo começa no centro histórico. Além da magnífica serra, que se vê de praticamente qualquer ponto da cidade, o conjunto arquitetônico barroco formado não só pela Igreja da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, mas também por casas antigas ao redor da Praça Monsenhor Mendes, entre outras construções, tornam Catas Altas uma cidade de alto valor cultural e histórico. O Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA) tombou todo o perímetro urbano da cidade. O conjunto arquitetônico e paisagístico do Santuário do Caraça, a Praça Monsenhor Mendes e a Igreja Nossa Senhora da Conceição são tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). O Parque Natural do Caraça foi transformado em Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), medida que visa preservar a área.

Vou te contar mais sobre o Santuário do Caraça em posts próximos, fique ligado aqui na na nossa coluna 😉

Leia também: Logo ali de BH: Santuário da Serra da Piedade, a padroeira de Minas Gerais

O QUE VER EM CATAS ALTAS

Santuário do Caraça

Partimos de carro de Catas Altas guiados por César, da empresa Circuitos Turismo.

A primeira parada foi na Pousada Fazenda do Engenho, uma área de atividade agropecuária que compõe o Complexo do Santuário. Ela é responsável pelo fornecimento de queijo, leite, hortifrutigranjeiros e animais de pequeno porte ao Santuário. Hoje funciona como uma pousada autônoma. Conta com quartos com cama de casal e solteiro e até mesmo cozinha, para atender a famílias e grupos. Como fica um pouco mais retirada, é a escolha ideal para quem quer curtir o Santuário, mas não abre mão da calmaria durante o dia ou busca isolamento e reflexão.

Pousada Fazenda do Engenho – Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

De lá fomos conhecer a produção de queijo do Caraça, que ocorre em área próxima.

Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala
Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

Seguindo mais um “cadim” de carro pela estrada chegamos à parte principal do Santuário.  A imponente Igreja Nossa Senhora Mãe dos Homens já pode ser avistada ao longe.

A imponente Igreja Nossa Senhora Mãe dos Homens- Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

A igreja é suntuosa! Estamos falando da primeira igreja do Brasil em estilo neogótico, com uma  torre de 48 metros de altura. Em seu interior obras de arte, como a famosa pintura da Santa Ceia de Mestre Ataíde (1828). O altar possui uma imagem barroca de Nossa Senhora Mãe dos Homens talhada na madeira em peça única, com roupas pintadas a ouro, vinda de Portugal em 1784.

Leia mais: Maria da Fé: uma noite na cidade mais fria de Minas Gerais

Terminamos o passeio na lojinha do Santuário. Lá degustamos os vinhos de produção local e claro, os queijos. Obviamente trouxemos um na mala! 😀

O queijo produzido no Santuário – Crédito da foto: Vanessa Barreto/ O Queijo vai na Mala
Fazenda produtora de queijo e leite do Caraça, ao fundo a Pousada Fazenda Engenho – Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

Apesar do rápido passeio nós ficamos maravilhados com a beleza do lugar. Tanto que voltamos depois, mas isto fica para um próximo post. 😉

Centro Histórico e Igreja Matriz

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição- Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

O casario histórico fica muito charmoso com a Serra do Caraça ao fundo. É super fácil parar o carro perto da Igreja e a pé a gente percorre todo o seu entorno.

Além do Centro Histórico (Igreja matriz da cidade e todo o entorno da praça principal) e do Santuário do Caraça, destacamos três outros pontos da cidade que conseguimos ver e merece registro:

Bicame de Pedra

Bicame de Pedra – Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

O Aqueduto foi construído por escravos em 1792, para captar água da Serra do Caraça para a atividade de extração e lavagem do ouro. Hoje restam aproximadamente 100 metros da obra. Fica a 12 km de Catas Altas, o GMaps localiza corretamente.

Igreja Nossa Senhora do Rosário

Localizada na Rua do Rosário é uma igreja em estilo barroco construída no Séc XVIII – Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

A igreja ficava no caminho da nossa pousada à praça principal, demos uma parada rápida para conhecê-la, mas estava fechada. O site da prefeitura de Catas Altas indica que as visitas são agendadas.

Capela de Santa Quitéria

Crédito da foto: Leonardo Oliveira/ O Queijo vai na Mala

Um dos cartões postais mais queridos de Catas Altas, a capela do Séc. XVIII está localizada no alto de uma colina e tem como moldura de fundo a Serra do Caraça. Não tem como ir a Catas Altas e não tirar uma foto nela!

Apesar do pouco tempo conseguimos ver boa parte dos pontos turísticos da cidade especialmente pela ajuda do César da Circuitos Turismo, que nos guiou pessoalmente ao Santuário do Caraça. Se você pretende visitar a cidade e busca um passeio guiado é com ele que você deve falar!

E vamos a mais algumas dicas importantes para quem quer turistar pela cidade.

COMO CHEGAR:

De carro: Partindo de BH  via BR 040, Itabirito, Ouro Preto e Mariana ou pela BR 381 via Caeté e Barão de Cocais. Apesar da primeira opção aumentar o trajeto em quase 70 km nos pareceu a melhor: a estrada pela BR 381 é bem pior e o tempo de viagem acaba sendo praticamente o mesmo.

De ônibus: Tem ônibus direto de BH. No site da prefeitura tem todos os horários e itinerários (baldeações por outras cidades) possíveis: Horários de Ônibus

De trem: Trem de passageiros da Vale que faz a linha VITÓRIA-MINAS – descer na estação de Barão de Cocais – de lá, dá pra ir de ônibus até Santa Bárbara e de lá pegar outro ônibus para Catas Altas. A Circuitos Turismo faz transfer da estação de trem em Barão até Catas Altas.

Catas Altas é uma cidade linda, perfeita para descanso e contemplação das belíssimas montanhas mineiras. Ficou com alguma dúvida? Escreve pra gente!

Leia também: A Rota do Café Especial, em Carmo de Minas

Deixe seu comentário

Etiquetas
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar