O que você procura?


Estudo do coquetel de anticorpos da AstraZeneca mostra sucesso no tratamento de COVID-19

A droga, uma combinação de dois anticorpos chamados AZD7442, reduziu o risco de COVID-19 grave ou morte em 50% em pacientes não hospitalizados que tiveram sintomas por sete dias ou menos.

Redação Mais Minas 11 de outubro de 2021 às 16:21
Tempo de leitura
4 min
Foto: Canva
Foto: Canva

Por Ludwig Burger e Yadarisa Shabong/ReutersO coquetel de anticorpos da AstraZeneca contra COVID-19, que provou funcionar como uma injeção preventiva em não infectados, também mostrou salvar vidas e prevenir doenças graves quando administrado como tratamento dentro de um semana dos primeiros sintomas.

A droga, uma combinação de dois anticorpos chamados AZD7442, reduziu o risco de COVID-19 grave ou morte em 50% em pacientes não hospitalizados que tiveram sintomas por sete dias ou menos, disse a farmacêutica anglo-sueca nesta segunda-feira.

A redução do risco foi ainda melhor em pacientes que iniciaram a terapia apenas cinco dias após os sintomas iniciais, mas a AstraZeneca se junta a um campo já lotado de medicamentos que comprovadamente previnem a deterioração em pacientes com doença leve, quando administrados logo após o diagnóstico.

O executivo da AstraZeneca, Mene Pangalos, disse em um comunicado à imprensa que os resultados do tratamento ressaltariam principalmente o uso futuro potencial como uma prevenção não-vacinal.

LEIA TAMBÉM:  Congonhas suspende vacinação contra Covid-19, por falta de Pfizer

“Se e quando for aprovado, será usado no ambiente de tratamento também. Mas o verdadeiro diferencial para esse anticorpo será no ambiente profilático”, disse ele.

Terapias semelhantes feitas com uma classe de drogas chamadas anticorpos monoclonais estão sendo desenvolvidas pelas farmacêuticas Regeneron, Eli Lilly e GlaxoSmithKline com o parceiro Vir. Essas terapias são aprovadas para uso de emergência nos Estados Unidos para o tratamento de COVID-19 leve a moderado.

A terapia de Regeneron mostrou 72% de proteção contra infecção sintomática na primeira semana e 93% depois disso.

GSK-Vir mostrou uma redução de 79% no risco de hospitalização ou morte devido a qualquer causa, enquanto a terapia da Eli Lilly mostrou uma redução de 70% na carga viral no dia sete em comparação com um placebo.

A Merck & Co Inc, por sua vez, está enfatizando a conveniência do uso de seu comprimido anti-COVID-19, que reduz em 50% o risco de ter que ir ao hospital ou morrer em um ensaio de pacientes em estágio que apresentavam pelo menos um fator de risco.

LEIA TAMBÉM:  Prefeitura de Itabirito define retorno das aulas 100% presenciais a partir da próxima semana

A Merck, em colaboração com a Ridgeback Biotherapeutics, solicitou na segunda-feira a liberação de emergência dos EUA para a droga oral.

A AstraZeneca, cuja vacina COVID-19 tem sido amplamente usada em todo o mundo, pediu aos reguladores dos EUA na semana passada que concedessem autorização de uso de emergência para AZD7442 como uma injeção preventiva.

Como tal, é projetado para proteger as pessoas que não têm uma resposta imunológica forte o suficiente às vacinas, principalmente aquelas que receberam transplantes de órgãos ou que estão em tratamento contra o câncer.

Se a liberação total do mercado for obtida após qualquer aprovação de emergência, o mercado poderá se expandir, por exemplo, para incluir tripulantes e passageiros de um navio de cruzeiro, disse Pangalos.

“Você pode dizer o mesmo para as pessoas que não querem ser vacinadas, mas querem um anticorpo”, acrescentou.

LEIA TAMBÉM:  Itabirito é a segunda cidade com mais casos da variante Delta em Minas

A AstraZeneca disse que está submetendo os novos dados de tratamento do AZD7442 aos reguladores de saúde globais.

O ensaio foi realizado em 13 países e envolveu mais de 900 participantes adultos, 90% dos quais sofriam de doenças que tornavam as pessoas particularmente vulneráveis ​​ao COVID-19, como câncer e diabetes. Metade recebendo AZD7442 e o resto um placebo.

Os resultados completos do ensaio serão submetidos para publicação em um jornal revisado por pares, disse a AstraZeneca.

AZD7442 contém anticorpos feitos em laboratório projetados para permanecer no corpo por meses para conter o vírus em caso de infecção. A vacina, em contraste, depende de um sistema imunológico intacto para desenvolver anticorpos direcionados e células que combatem infecções.

Embora os resultados de segunda-feira cubram o uso de AZD7442 em pacientes não hospitalizados, um ensaio separado também está estudando seu uso como tratamento para pacientes COVID-19 hospitalizados.

Última atualização em 11 de outubro de 2021 às 19:55