O que você procura?
Renova banner


Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item
Story Item

Minas Gerais tem 90% dos leitos de UTI ocupados e se aproxima de lockdown

Rômulo Soares 24 de junho de 2020 às 16:57
Tempo de leitura
3 min

Nesta quarta-feira (24), Minas Gerais registrou o número recorde de mortes por coronavírus em um dia, sendo 51 óbitos. Além disso, 90,36% de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) já estão ocupados, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) e a taxa de ocupação dos leitos clínicos está em 74,57% no estado. Entretanto, os leitos de UTI específicos para a Covid-19 tem taca de ocupação de 16,28% e o leitos clínicos com a mesma especifidade é de 10,90%.

Com isso, o governador Romeu Zema (NOVO), em entrevista à TV Globo, declarou que tem 90% de chance de decretar um lockdown em Minas Gerais e, além disso, irá orientar a Polícia Militar (PMMG) a abordar as pessoas que não utilizarem máscaras ou descumprindo o isolamento social.


Entretanto, o secretário de Estado adjunto de Saúde, Marcelo Cabral, afirmou, em entrevista coletiva, que, mesmo com 31.343 casos e 771 óbitos confirmados por coronavírus, que lockdown não é cogitado neste momento.

“O lockdown só se cogitaria em uma situação muito grave, em que a gente precisaria providenciar o fechamento e em caso de descontrole. Hoje temos optado pelo diálogo com gestores municipais. Neste momento, apesar do protocolo já preparado e pensado desde o início, dependendo apenas de de ajustes para sua implantação na prática, por ora, não cogitamos lockdown”, declarou Cabral.

A ambiguidade entre as duas declarações mostra a instabilidade que Minas Gerais vive durante o tempo de pandemia. Um estado que há pouco tempo atrás, era considerado como exemplo de combate à Covid-19 e tinha feito leitos até demais, hoje, vive o desgoverno e a verdade escancarada de uma administração que não testa a sua população de maneira adequada.

Estado que menos testa

Apesar da taxa de ocupação de leitos em UTI em Minas Gerais estar próximo de 90%, o estado está realizando poucos testes para diagnosticar a doença. Até a última segunda-feira (22), Minas Gerais tinha 28.918 casos confirmados e 688 mortes, entretanto, de acordo com uma pesquisa realizada pelo G1, Minas é o estado com menos testes em casos suspeitos de infecção pelo coronavírus.

Segundo a pesquisa, o número de testes realizados no estado diz respeito a metade dos feitos pelo Rio de Janeiro, com cerca de 318 exames a cada 100 mil habitantes. Em contrapartida, o estado que realizou mais testes foi o Amapá, com 4.433 análises por 100 mil habitantes, seguido por Amazonas, com 3.344 exames por 100 mil habitantes.

ATENÇÃO: Ao copiar uma matéria do Mais Minas, ou parte dela, não se esqueça de incluir o link para a notícia original.