CPI de Brumadinho ouve especialistas que anteciparam risco de rompimento da barragem

Publicado: última atualização em 0 comment

A CPI sobre o Rompimento da Barragem de Brumadinho (MG) realiza audiência pública nesta terça-feira (14). Irão depor o chefe do setor de fiscalização de barragens da Agência Nacional de Mineração em Minas Gerais, Wagner Araújo; o engenheiro de recursos hídricos da Vale, Felipe Figueiredo Rocha; e a engenheira civil e consultora da Potamos Engenharia e Hidrologia, Maria Regina Moretti.

O deputado Rogério Correia (PT-MG), relator da CPI, lembra que Wagner Araújo poderá trazer informações sobre o processo de fiscalização da barragem Córrego do Feijão. Já Felipe Figueiredo Rocha é engenheiro e atua na área de recursos hídricos da Vale e, conforme noticiado pelo jornal Folha de S. Paulo de 23 de abril, teria dito que a diretoria da Vale tinha conhecimento dos riscos de rompimento da barragem.

Maria Regina Moretti, por sua vez, é engenheira civil e atua como consultora da empresa Potamos, contratada pela Vale para fazer o cálculo do fator de segurança da barragem Córrego do Feijão. Segundo depoimento na CPI da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, ela foi questionada pela empresa sobre a base do cálculo que atestou o fator de segurança como sendo 1,09. Ou seja, abaixo do mínimo de 1,3, recomendados pelos padrões internacionais para que a barragem possa ser considerada segura.

Hora e local
A audiência será às 14h30, no plenário 14.

Comentários Facebook

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. aceitar LER MAIS