Cruzeiro é acionado pela FIFA por dívida na contratação de Willian
Créditos da foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro

Mais um problema envolvendo dívidas para o Cruzeiro. Foi determinado que o clube perca seis pontos no Campeonato Brasileiro. O motivo? Uma dívida do clube celeste referente à contratação do atacante Willian, que atualmente joga no Palmeiras. O time ucraniano Zorya, ao qual pertencia os direitos econômicos do jogador, acionou a Raposa na FIFA, por um débito de 6 milhões de euros e venceu o julgamento, em vigor desde 2017. O time mineiro, no entanto, recorreu ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) para suspender essa punição.

A FIFA mandou uma carta para o Cruzeiro, Zorya e CBF validando a suspensão da punição. E, em nota, o clube celeste diz não ter perigo algum de perder pontos em qualquer competição:

“O Cruzeiro EC perdeu a causa em primeira instância, mas, em seguida, entrou com um recurso conseguindo uma liminar que foi aceita pela FIFA e pelo CAS – Corte Arbitral do Esporte. Um novo julgamento será marcado  dentro de aproximadamente 10 meses. Segundo nosso advogado internacional, Dr. Breno Tanuri, se houver nova derrota, o Clube terá 90 dias para efetuar o pagamento da dívida.”

Hoje, a Raposa está na 18° posição do Campeonato Brasileiro, com oito pontos. Portanto, caso essa punição fosse efetivada, o Cruzeiro consequentemente assumiria a lanterna do torneio, somando 2 pontos apenas em 27 disputados.

Willian “Bigode” foi xodó da torcida no ano de 2013 e viveu altos e baixos até sua saída, no início de 2017. O jogador disputou 185 jogos com a camisa celeste, marcando 40 gols e dando 24 assistências. O atacante ganhou três títulos pelo Cruzeiro, sendo eles dois Campeonatos Brasileiros (2013 e 2014) e um Mineiro (2014).

Comentários do Facebook

Receba notícias do Mais Minas através do nosso grupo oficial do TELEGRAM. Não se preocupe, somente nosso número conseguirá fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequado. Participe: ENTRAR.

Faça parte também das nossas redes sociaisFacebook e Instagram. Siga o Mais Minas no Google Notícias clicando aqui.