“Filmar professores é um direito dos alunos”, diz ministro da Educação

No último final de semana, o ato de filmar professores durante as aulas voltou a ganhar repercussão quando Jair Bolsonaro compartilhou um vídeo que exibia uma discussão entre uma aluna e uma professora. “Professor tem que ensinar, e não doutrinar”, diz a legenda tuíte.

Confira:

Endossando a polêmica, nesta segunda-feira (29), o ministro da Educação, Abraham Weitraub, declarou que filmar professores é um direito dos alunos. Ainda segundo o ministro, os conteúdos que chegaram a Bolsonaro e a seu filho Carlos serão analisados e investigações afim de apurar se houve alguma irregularidade por parte dos educadores serão feitas.

Mais tarde, Weitraub usou seu perfil no Twitter para reafirmar que o conteúdo compartilhado por Bolsonaro será investigado e todos os envolvidos no caso terão seus direitos assegurados. “O importante é que o contribuinte tenha o dinheiro gasto da melhor forma. O objetivo é melhorar o ambiente escolar”, escreveu.

Depois disso, o ministro voltou a tocar no assunto ao publicar um vídeo afirmando que o ministério da Educação quer que as escolas, as faculdades as universidades cumpram o seu papel que é ensinar, principalmente as públicas, onde, de acordo com ele, o dinheiro do pagador dos impostos é utilizado.

No vídeo, Abraham Weitraub ainda afirmou que “tem gente que passa do ponto. Que em vez de dar aula, fica doutrinando o tempo inteiro.  Que não respeita o aluno, ou tem aluno também que não vai respeitar o professor”.

“Acho que nosso papel é mandar uma mensagem de respeito. Tanto professor respeitar o aluno quanto o aluno respeitar o professor.  Se nós fizermos isso, com certeza o ambiente em sala de aula vai ficar muito melhor e a gente vai conseguir gerar mais resultados com o dinheiro do pagador de impostos e de todos nós com a educação”, finalizou o ministro.

Confira:

Comentários