Médicos no combate à covid-19 lutam contra outro flagelo: a desinformação

Um médico do pronto-socorro de Illinois (EUA) foi acusado em abril de lucrar ao apontar o coronavírus como a causa da morte de um paciente. Um boato que está se espalhando online.

Em maio, um clínico geral tratou de um paciente com vômito que bebeu uma mistura de alvejante como parte de uma falsa cura para vírus encontrada no YouTube.

E em junho, um paramédico na Grã-Bretanha ajudou um homem claramente doente que se recusou a ir ao hospital depois de ler advertências enganosas sobre o tratamento inadequado do coronavírus nas redes sociais.

Os médicos na linha de frente da pandemia global dizem que estão lutando não apenas contra o coronavírus, mas também combatendo cada vez mais um flagelo interminável de desinformação sobre a doença que está afetando os pacientes.

Antes da pandemia, os profissionais médicos se acostumaram a lidar com pacientes enganados por informações online, um fenômeno que chamaram de Dr. Google. Mas em entrevistas, mais de uma dúzia de médicos e pesquisadores de desinformação nos Estados Unidos e na Europa disseram que o volume relacionado ao vírus era diferente de tudo que eles haviam visto antes. Eles culparam líderes como o presidente Trump por amplificar teorias duvidosas, e as plataformas de mídia social por não fazerem o suficiente para eliminar informações falsas, além dos indivíduos por serem rápidos demais em acreditar no que veem online.

Na semana passada, os pesquisadores disseram que pelo menos 800 pessoas em todo o mundo morreram nos primeiros três meses do ano, e milhares mais foram hospitalizadas, devido a alegações infundadas online de que a ingestão de álcool altamente concentrado mataria o vírus. Suas descobertas, baseadas em rumores que circulam na web, foram publicadas no American Journal of Tropical Medicine and Hygiene .

A frustração dos médicos enche os grupos do Facebook e fóruns online. A American Medical Association e outros grupos que representam os médicos dizem que a divulgação de informações falsas online está prejudicando a resposta da saúde pública à doença. A Organização Mundial de Saúde (OMS) está desenvolvendo métodos para medir os danos da desinformação online relacionada a vírus e, durante duas semanas em julho, o grupo organizou uma conferência online com médicos, especialistas em saúde pública e pesquisadores da Internet sobre como lidar com o problema.

Os médicos dizem que os pacientes regularmente resistem a seus conselhos, estando mais inclinados a acreditar no que leem no Facebook do que no que um profissional médico lhes dizem. As mentiras, dizem eles, minaram os esforços para fazer as pessoas usarem máscaras e alimentaram a crença de que a gravidade da doença é exagerada. Alguns médicos afirmam que enfrentam abusos quando participam de discussões online para corrigir o registro.

Comentários