Mais um impasse sobre hidrometração aconteceu em Ouro Preto. Na última quarta-feira, 3 de novembro, moradores do distrito de Rodrigo Silva impediram os funcionários da Saneouro de instalarem hidrômetros nas casas da comunidade.

De acordo com populares que estavam presentes no local, a empresa chegou pela manhã para instalar os hidrômetros e cerca de 20 pessoas impediram a instalação dos instrumentos de medição. Com o impasse, a empresa chamou a Polícia Militar (PMMG) e, segundo o Comitê Sanitário de Defesa Popular de Ouro Preto, Mariana e região, mais 40 pessoas estavam na rua para impedir a hidrometração no local. Assim, a Saneouro não conseguiu hidrometrar as casas do distrito.

Ainda de acordo com o comitê, os moradores de Rodrigo Silva estão fazendo um levantamento de toda a estrutura de água na comunidade e exigem a retirada do distrito do contrato de concessão, querendo, assim, gerir sua própria água, de forma independente.

Segundo os populares, a polícia pegou nomes de supostas lideranças do grupo de pessoas que impediram a hidrometração e fez um boletim de ocorrência.

A reportagem do Mais Minas entrou em contato com a Saneouro e a Polícia Militar (PMMG), mas não teve resposta até o momento desta publicação.

Reajuste

Ainda sem finalizar a hidrometração em todo o município de Ouro Preto, a Saneouro quer aplicar um reajuste na estrutura tarifária de 21,83%. Com isso, foi feito uma consulta pública, através da Agência Reguladora intermunicipal de Saneamento Básico de Minas Gerais (Arisb-MG).

Porém, os vereadores Renato Zoroastro (MDB) e Júlio Gori (PSC) se manifestaram contrários ao reajuste na tarifa praticada pela Saneouro, em reunião na Câmara Municipal. Inclusive, Júlio protocolou uma petição na Arisb-MG para impedir a alteração da estrutura tarifária prevista no Contrato 110896/2019.

COMENTÁRIOS
Share.

Jornalista pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e repórter de política, esporte e cidades no Portal Mais Minas.