‘Não há vírus aqui’: presidente da Bielorrússia zomba dos bloqueios

Quando o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, saiu do gelo depois de jogar mais um jogo de hóquei em um torneio amador no final de março, o líder afastou as perguntas ansiosas dos repórteres sobre a pandemia de coronavírus.

“Não há vírus aqui”, disse o presidente, apontando para a arena lotada. “Você vê algum deles voando por aí? Também não os vejo”.

No momento em que alguns países da Europa, como a Alemanha e a Dinamarca, depois de conter o surto inicial do vírus, estão experimentando aberturas cautelosas de empresas e escolas, a Bielorrússia é uma exceção, pois nunca impôs nenhum tipo de restrição.

Restaurantes, cafeterias e cinemas permanecem abertos. No fim de semana passado, as igrejas estavam lotadas para a Páscoa ortodoxa. O futebol profissional está em pleno andamento, embora o público no início de abril tenha diminuído. Na capital, Minsk, o metrô está lotado. A maioria das empresas exigem que os trabalhadores apareçam.

Nem o número bruto de infecções, quase 9 mil, nem o total de mortes, 63, sugerem que a epidemia da Bielorrússia é grosseiramente desproporcional, embora a Ucrânia, com quatro vezes mais população, tenha menos casos relatados.

No entanto, poucas pessoas acreditam nos registros oficiais; há alguma evidência de que os números verdadeiros estão sendo fraudados

* Com informações do The New York Times

Comentários