Nova nuvem de gafanhotos é localizada

Autoridades da Argentina, país que faz fronteira com o Brasil, localizaram uma nova nuvem de gafanhotos. Com pelo menos 900 quilômetros de longitude do Rio Grande do Sul, distância considerada grande, a nova nuvem agora se une a outras três que já estavam na região norte da Argentina. Segundo as autoridades, essas nuvens de gafanhotos são provenientes do Paraguai.

Embora esteja relativamente longe do Brasil, a questão dos coletivos de gafanhotos é preocupante por se tratar de um número grande de insetos. De acordo com biólogos, cada nuvem pode possuir até 800 milhões de gafanhotos, ocupando uma área de 20 quilômetros quadrados, cada uma delas.

O Ministério da Agricultura do Brasil (MAPA) declarou situação de emergência, inclusive definiu uma portaria contendo medidas emergenciais que poderão ser aplicadas, caso a invasão dos insetos de fato ocorra, incluindo defensivos agrícolas que até então não são usados no país. Segundo o MAPA, “a nuvem de gafanhotos continua se deslocando lentamente em direção ao sul”. As nuvens de gafanhoto estão sendo monitoradas.

Pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas também estão monitorando as nuvens de gafanhotos que se encontram na Argentina. Segundo os estudos, mesmo que as condições climáticas sejam favoráveis para que os insetos voem em direção ao Rio Grande do Sul, isso não acontecerá por pelo menos mais cinco dias. Entretanto, na próxima semana as atenções devem ser redobradas, tendo em vista que os gafanhotos podem voar até 150 quilômetros por dia, sendo assim, os 900 quilômetros de distância do Brasil, podem ser encurtados ao longo dos dias.

As nuvens de gafanhoto são preocupantes pois mesmo que os insetos sejam inofensivo ao ser humano, elas são capazes de exterminar plantações. O fenômeno vem sendo acompanhado desde maio desde ano. No Paraguai, os gafanhotos foram capazes de destruir lavouras de mandioca e milho.

Leia também: Busca e apreensão: Polícia Civil realiza ação na sede da Cervejaria Backer.

Comentários