Os robôs acabarão com algumas profissões no futuro?

Destaques

Mineirão projeta mensagens para profissionais de serviço essencial em sua fachada

O Mineirão tem projetado em sua fachada depoimentos para os trabalhadores de serviços essenciais que precisam ir às ruas...

Juiz de Fora registra primeira morte por coronavírus, além de 58 confirmações

A cidade de Juiz de Fora, na Zona da Mata, registou a sua primeira morte confirmada por conta do...

Live de Marília Mendonça já ultrapassa 3 milhões de visualizações, assista!

Marília Mendonça está realizando neste momento um "Show Live", da sala de sua casa. Com uma iluminação verde e...

Incêndio criminoso atinge uma casa em Tiradentes; veja fotos

Uma casa foi incendiada na manhã desta quarta-feira (8), por volta das 11h20, no bairro Recanto da Serra, em...

Em Ouro Branco, dois óbitos por coronavírus que estavam em investigação foram descartados

Após ter dois óbitos por coronavírus em investigação, a Prefeitura de Ouro Branco, por meio da Secretaria Municipal de...

É muito comum achar pela internet listas com profissões que serão realizadas por robôs futuramente, em substituição aos seres humanos. É verdade que robôs cada vez mais ágeis, inteligentes, flexíveis e assustadores estão sendo desenvolvidos, mas para que eles tomem os empregos dos humanos, ainda falta muito, principalmente no Brasil. Isso por diversos fatores: os robôs já existentes ainda estão em fase de testes, só realizam funções básicas e de auxílio aos humanos e alta tecnologia custa caro para ser implementada e difundida.

Máquinas e humanos juntos

Ainda estamos na fase em que tecnologias como a inteligência artificial (IA) auxiliam as pessoas em tarefas simples do dia a dia, como limpar a casa, escutar música no Spotify e escolher um filme na Netflix.

Por outro lado, há a implementação de máquinas eficientes e automatizadas nas indústrias, que já acontece desde a revolução industrial. Para quem trabalha nesse ramo, não é necessário desespero: máquinas falham, precisam ser consertadas, não trabalham totalmente sozinhas e necessitam do auxílio humano.

Somente algumas empresas isoladas pelo mundo de fato usam robôs para fazerem atividades comumente feitas por pessoas. Com isso, pode-se concluir que não é possível haver desemprego em grande escala, outros tipos de emprego surgirão e haverá sim a integração entre máquinas e humanos.

Robôs assustadores

Exemplo da integração são os robôs da empresa estado-unidense Boston Dynamics, conhecida por produzir e testar robôs de inteligência avançada. Um dos robôs criado pela empresa, chamado Spot, tem visão de 360 graus, anda sozinho, sobe escadas, abre portas e levanta sozinho se cair. O cão-robô custa o equivalente ao preço de um carro. A companhia diz que ele serve para carregar objetos, inspecionar obras e ajudar a resgatar pessoas em desastres. Mas ele só faz isso se for controlado por alguém, através de aplicativos e controle remoto. O vídeo abaixo mostra as peripécias que o Spot sabe fazer:

No final do ano passado, vídeos e GIFs de robôs da Boston Dynamics sendo “maltratados” surgiram na internet, principalmente no Twitter. Muitos internautas se compadeceram da suposta situação de humilhação em que os robôs eram submetidos, levando pancadas, chutes e empurrões de vários homens. Outros ficaram assustados com as cenas, temendo que os robôs se rebelem no futuro e dominem a raça humana, algo bastante apocalíptico e surreal para o mundo atual. No entanto, é importante ressaltar que os vídeos são falsos e foram feitos por computação gráfica, ou seja, através de imagens geradas por computador (CGI). Os vídeos foram feitos por um canal de paródias no YouTube. Se você ficou curioso (a) para ver, assista abaixo:

Mas, voltando ao assunto, a discussão é interminável: há quem defenda que os robôs acabarão substituindo até um quinto de toda a mão de obra humana, afetando negativamente a sociedade e o mercado de trabalho. Mas uma coisa é certa: o profissional do futuro terá que ampliar os conhecimentos técnicos e aprender a lidar diariamente com as novas tecnologias.

Leia também: Internet, fake news e a era da desinformação

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail:


 

- Advertisement -

RECEBA O NOSSO BOLETIM DE NOTÍCIAS DIARIAMENTE
Digite seu Nome:

Digite seu E-mail: