Ouro Preto é uma das cidades mais antigas e charmosas do Brasil, berço da Inconfidência Mineira e do Barroco Mineiro. A cidade foi a primeira do país a ser declarada Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO, em 1980, por sua riqueza arquitetônica, artística e cultural. Ouro Preto preserva parte importante da história, cultura e arte brasileira, tudo regado ao apaixonante tempero e jeitinho mineiro.

Se você está planejando visitar Ouro Preto, saiba que há muito o que fazer e ver na cidade e em seus arredores. Neste guia, vamos sugerir alguns roteiros para você aproveitar ao máximo sua estadia, seja ela de 3, 5 ou 10 dias. Confira!

Roteiro de 3 dias

Se você tem apenas 3 dias para conhecer Ouro Preto, o ideal é se hospedar no centro histórico, onde estão concentradas as principais atrações da cidade. Assim, você pode fazer a maior parte dos passeios a pé, sem perder tempo com deslocamentos.

No primeiro dia, comece pela Praça Tiradentes, o coração da cidade, onde fica o Museu da Inconfidência, que conta a história da conspiração contra o domínio português no século XVIII. O museu funciona de terça a domingo, das 10h às 18h, e a entrada custa R$ 10,00. Ao lado do museu, você pode visitar o Museu de Ciência e Técnica da Escola de Minas, que tem um acervo de minerais, fósseis e instrumentos científicos. O museu funciona de segunda a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados, das 9h às 12h, e a entrada é gratuita.

Centro Histórico de Ouro Preto
Centro Histórico de Ouro Preto

Ainda na praça, você pode admirar a estátua de Tiradentes, o mártir da Inconfidência, e o belo casario colonial que a rodeia. Em seguida, siga pela Rua Conde de Bobadela, também conhecida como Rua Direita, onde estão localizadas a Casa dos Contos, que abriga um museu sobre a economia e a sociedade do período colonial, e a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, que tem uma fachada rococó e um interior decorado com obras de Aleijadinho e Mestre Ataíde. A Casa dos Contos funciona de terça a sábado, das 10h às 17h, e aos domingos, das 10h às 15h, e a entrada é gratuita. A Igreja de Nossa Senhora do Carmo funciona de terça a domingo, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h, e a entrada custa R$ 5,00.

Depois de almoçar em algum dos restaurantes da região, que oferecem a típica comida mineira, você pode continuar seu passeio pela Rua São José, onde fica a Igreja de São Francisco de Assis, considerada uma das mais belas do Brasil, com sua fachada curva e seu interior repleto de talhas douradas, pinturas e esculturas de Aleijadinho e Mestre Ataíde. A igreja funciona de segunda a sábado, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h, e aos domingos, das 12h às 14h30, e a entrada custa R$ 10,00.

Em frente à igreja, você pode visitar o Museu do Oratório, que exibe uma coleção de pequenos altares usados para a oração doméstica, em diferentes estilos e épocas. O museu funciona de terça a domingo, das 9h30 às 17h30, e a entrada custa R$ 10,00.

Para encerrar o dia, você pode subir até o Mirante do Morro São Sebastião, de onde se tem uma vista panorâmica da cidade e das montanhas ao redor. O mirante fica aberto 24 horas e a entrada é gratuita.

No segundo dia, você pode explorar outras igrejas e museus da cidade, como a Igreja de Nossa Senhora do Pilar, que é a mais rica em ouro, com cerca de 400 kg do metal aplicados em sua decoração; a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, que tem uma forma circular e foi construída pelos escravos; a Igreja de Santa Efigênia, que fica no alto de um morro e tem uma vista privilegiada; o Museu da Música, que funciona no antigo Palácio dos Governadores e reúne partituras, instrumentos e documentos sobre a música sacra e profana em Minas Gerais; e o Museu do Aleijadinho, que fica na Igreja de Nossa Senhora da Conceição e homenageia o maior artista do Barroco Mineiro, com peças originais e réplicas de suas obras.

A Igreja de Nossa Senhora do Pilar funciona de terça a domingo, das 9h às 10h45 e das 12h às 16h45, e a entrada custa R$ 10,00. A Igreja de Nossa Senhora do Rosário funciona de terça a domingo, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h, e a entrada custa R$ 5,00. A Igreja de Santa Efigênia funciona de terça a domingo, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h, e a entrada custa R$ 5,00. O Museu da Música funciona de terça a sábado, das 12h às 18h, e aos domingos, das 10h às 15h, e a entrada é gratuita. O Museu do Aleijadinho funciona de terça a domingo, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h, e a entrada custa R$ 10,00.

No terceiro dia, você pode fazer um bate e volta até o distrito de Mariana, que fica a cerca de 15 km de Ouro Preto e também tem um rico patrimônio histórico e cultural. Lá, você pode visitar a Catedral da Sé, que é a mais antiga de Minas Gerais e tem um órgão alemão do século XVIII que ainda toca; o Museu Arquidiocesano de Arte Sacra, que funciona no antigo Palácio dos Bispos e tem um acervo de imagens, pinturas, mobiliário e paramentos religiosos; a Praça Minas Gerais, onde ficam as igrejas de São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo, ambas com obras de Aleijadinho e Mestre Ataíde; e a Mina da Passagem, que é a maior mina de ouro aberta à visitação no mundo, onde se pode descer de trole até 120 metros de profundidade e ver de perto as galerias e os lagos subterrâneos.

A Catedral da Sé funciona de segunda a sábado, das 8h às 17h, e aos domingos, das 8h às 12h, e a entrada é gratuita. O Museu Arquidiocesano de Arte Sacra funciona de terça a domingo, das 8h às 12h e das 13h às 17h, e a entrada custa R$ 5,00. As igrejas de São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Carmo funcionam de terça a domingo, das 8h30 às 12h e das 13h30 às 17h, e a entrada custa R$ 5,00 cada uma. A Mina da Passagem funciona de segunda a domingo, das 9h às 17h, e a entrada custa R$ 60,00.

Roteiro de 5 dias

Se você tem 5 dias para conhecer Ouro Preto, você pode seguir o roteiro de 3 dias e acrescentar mais dois dias para visitar outros distritos e cidades próximas, que também têm atrações interessantes.

No quarto dia, você pode ir até o distrito de Lavras Novas, que fica a cerca de 20 km de Ouro Preto e é um refúgio de natureza, aventura e tranquilidade. Lá, você pode fazer trilhas, cachoeirismo, rapel, tirolesa, passeio de quadriciclo, entre outras atividades radicais. Você também pode aproveitar as belas cachoeiras da região, como a do Castelinho, a dos Namorados, a do Falcão e a do Pocinho. Além disso, você pode conhecer a Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, que tem uma arquitetura simples e uma vista deslumbrante, e o Santuário do Caraça, que é um complexo religioso e ecológico, onde se pode ver animais silvestres, como o lobo-guará, e visitar a igreja, a biblioteca, o museu e as ruínas do antigo colégio.

No quinto dia, você pode ir até a cidade de Congonhas, que fica a cerca de 80 km de Ouro Preto e é famosa pelos seus monumentos religiosos. Lá, você pode visitar o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, que é um conjunto formado pela igreja, pelo adro e pelas seis capelas que abrigam as esculturas dos 12 profetas e dos passos da Paixão de Cristo, todas obras-primas de Aleijadinho. O santuário é outro Patrimônio Mundial da Humanidade reconhecido pela UNESCO, desde 1985. Você também pode visitar o Museu de Congonhas, que fica ao lado do santuário e conta a história, a arte e a devoção relacionadas ao local, com exposições interativas e educativas. O santuário funciona todos os dias, das 7h às 18h, e a entrada é gratuita. O museu funciona de terça a domingo, das 9h às 17h, e a entrada custa R$ 10,00.

Roteiro de 10 dias

Se você tem 10 dias para conhecer Ouro Preto, você pode seguir o roteiro de 5 dias e acrescentar mais cinco dias para visitar outras cidades históricas de Minas Gerais, que formam o chamado Circuito do Ouro. São elas: Tiradentes, São João del Rei, Diamantina e Sabará.

No sexto dia, você pode ir até a cidade de Tiradentes, que fica a cerca de 200 km de Ouro Preto e é uma das mais charmosas e preservadas do estado. Lá, você pode visitar a Matriz de Santo Antônio, que é a segunda igreja mais rica em ouro do Brasil, com cerca de 482 kg do metal; o Museu de Sant’Ana, que funciona no antigo prédio da Câmara Municipal e da Cadeia Pública e exibe uma coleção de imagens da santa padroeira de Minas Gerais; o Chafariz de São José, que é um dos mais belos e antigos do Brasil, construído em 1749; e o Largo das Forras, que é a praça principal da cidade, onde se concentram bares, restaurantes, lojas e eventos culturais.

A Matriz de Santo Antônio funciona de segunda a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos, das 12h às 17h, e a entrada custa R$ 5,00. O Museu de Sant’Ana funciona de terça a domingo, das 10h às 17h, e a entrada custa R$ 10,00. O Chafariz de São José e o Largo das Forras ficam abertos 24 horas e a entrada é gratuita.

No sétimo dia, você pode ir até a cidade de São João del Rei, que fica a cerca de 15 km de Tiradentes e é a maior e mais populosa das cidades históricas de Minas Gerais. Lá, você pode visitar a Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, que tem um interior ricamente decorado com ouro, prata e pedras preciosas; o Museu Regional, que funciona no antigo Solar dos Neves, onde nasceu o ex-presidente Tancredo Neves, e mostra aspectos da vida cotidiana, política e religiosa da região; a Igreja de São Francisco de Assis, que tem uma fachada neoclássica e um interior barroco, com obras de Aleijadinho e Mestre Ataíde; e a Ponte da Cadeia, que é uma das mais antigas do Brasil, construída em 1798, e liga o centro histórico ao bairro de Tejuco, onde fica a antiga cadeia pública.

A Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar funciona de segunda a sábado, das 7h às 11h e das 13h às 17h, e aos domingos, das 7h às 12h e das 14h às 17h, e a entrada é gratuita. O Museu Regional funciona de terça a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados e domingos, das 9h às 14h, e a entrada custa R$ 5,00. A Igreja de São Francisco de Assis funciona de segunda a sábado, das 8h às 11h e das 13h às 17h, e aos domingos, das 8h às 12h e das 14h às 17h, e a entrada custa R$ 5,00. A Ponte da Cadeia fica aberta 24 horas e a entrada é gratuita.

Uma dica é fazer o passeio de trem entre Tiradentes e São João del Rei, que é uma viagem de cerca de 40 minutos em uma locomotiva a vapor do século XIX, que passa por paisagens bucólicas e históricas. O trem funciona de sexta a domingo, com saídas às 10h e às 15h de Tiradentes, e às 13h e às 17h de São João del Rei, e a passagem custa R$ 70,00 (ida e volta) ou R$ 50,00 (só ida).

No oitavo dia, você pode ir até a cidade de Diamantina, que fica a cerca de 300 km de Ouro Preto e é a terra natal de Juscelino Kubitschek, o ex-presidente que construiu Brasília. Diamantina foi o centro da exploração de diamantes no Brasil colonial e tem um patrimônio histórico e cultural impressionante. Lá, você pode visitar a Casa de Juscelino, que foi a residência do ex-presidente até os 18 anos e hoje é um museu que conta sua trajetória; o Museu do Diamante, que funciona no antigo Palácio do Governo e mostra a história, a geologia e a cultura da região diamantina; a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, que tem uma fachada rococó e um interior barroco, com obras de Aleijadinho e Mestre Ataíde; e o Mercado dos Tropeiros, que é um espaço cultural e gastronômico, onde se pode apreciar a culinária e a música típicas da região.

A Casa de Juscelino funciona de terça a domingo, das 9h às 17h, e a entrada custa R$ 10,00. O Museu do Diamante funciona de terça a sábado, das 10h às 18h, e aos domingos, das 9h às 13h, e a entrada custa R$ 10,00. A Igreja de Nossa Senhora do Carmo funciona de segunda a sábado, das 8h às 11h e das 13h às 17h, e aos domingos, das 8h às 12h, e a entrada é gratuita. O Mercado dos Tropeiros funciona de quinta a domingo, das 11h às 23h, e a entrada é gratuita.

No nono dia, você pode ir até a cidade de Sabará, que fica a cerca de 20 km de Ouro Preto e é uma das mais antigas de Minas Gerais, fundada em 1675. Sabará tem um acervo arquitetônico e artístico diversificado, que reflete as diferentes fases da mineração do ouro. Lá, você pode visitar a Igreja de Nossa Senhora do Ó, que é a mais antiga da cidade e tem uma fachada simples e um interior barroco, com pinturas de Mestre Ataíde; o Museu do Ouro, que funciona na antiga Casa de Intendência e Fundição do Ouro e mostra a história, a técnica e a arte da mineração do metal precioso; a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que é a mais rica em ouro da cidade, com cerca de 300 kg do metal; e o Chafariz da Corte Real, que é um dos mais antigos do Brasil, construído em 1756, e abastecia a população com água potável.

A Igreja de Nossa Senhora do Ó funciona de terça a domingo, das 9h às 17h, e a entrada é gratuita. O Museu do Ouro funciona de terça a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados e domingos, das 12h às 17h, e a entrada custa R$ 5,00. A Igreja de Nossa Senhora da Conceição funciona de terça a domingo, das 9h às 17h, e a entrada custa R$ 5,00. O Chafariz da Corte Real fica aberto 24 horas e a entrada é gratuita.

No décimo e último dia, você pode voltar para Ouro Preto e aproveitar para fazer algumas compras de artesanato, joias, doces e queijos, que são típicos da região. Você também pode visitar algum dos ateliês de artistas locais, que mantêm viva a tradição do Barroco Mineiro, com suas esculturas, pinturas e talhas em madeira e pedra-sabão. Alguns dos ateliês mais famosos são o de Geraldo Teles de Oliveira, o GTO, que fica na Rua Padre Faria, 190; o de Leandro Gabriel, que fica na Rua Padre Faria, 50; e o de Murilo Antônio de Faria, que fica na Rua São José, 180.

COMENTÁRIOS
Share.

Perfil publicador de releases e guest posts, sem autoria própria. Consulte a fonte ao final das matérias/artigos.