The news is by your side.

Poupar ou não poupar, eis a questão

Rogério Ceni vive um dilema, talvez seu primeiro no assunto, para os dois próximos jogos do Cruzeiro: poupar ou não poupar? O time celeste, atualmente, briga contra o rebaixamento no Brasileirão e enfrenta o Vasco, um rival direto na briga contra o descenso. Mas, na quarta-feira, joga contra o Internacional, fora de casa, na segunda partida da semifinal da Copa do Brasil. Uma classificação à final, garantiria ao time mineiro pelo menos R$ 20 milhões de reais em premiação. Dinheiro que seria muito bem-vindo na situação financeira atual da Raposa.

Com evidentes problemas físicos, mesmo após três semanas seguidas sem jogos na quarta, a condição de jogo dos atletas celestes preocupa. Por isso, o assunto poupar ou não poupar passou a ser discutido nas rodas de conversa em Minas Gerais.

Os que defendem que se entre com força máxima no Brasileirão, para evitar o rebaixamento, afirmam que a prioridade tem de ser a manutenção na Série A. Afinal, mesmo com a alta premiação da Copa do Brasil, um rebaixamento faria as receitas caírem vertiginosamente. Alguns, inclusive, pedem que o Cruzeiro poupe atletas contra o Inter, na quarta-feira, visando a difícil sequência que se aproxima, no Campeonato Brasileiro.

Por outro lado, alguns torcedores defendem que o Cruzeiro foque na Copa do Brasil, nesse primeiro momento. Afinal, com a chance de mais um título, o tricampeonato, mais a compensação financeira, o risco a ser corrido é válido. Outro ponto de argumentação é que o Brasileirão ainda está nem chegou na metade. Sendo assim, haveria tempo para uma recuperação, independentemente da partida de domingo, contra o Vasco.

O Cruzeiro deve ou não poupar contra o Vasco, no domingo?
Dedé e Léo não jogaram o último jogo do Cruzeiro, por problemas físicos – Crédito da foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

O Inter

A eliminação do Inter da Copa Libertadores, para o Flamengo, nesta quarta-feira (28), também é um argumento. Mas, dessa vez, utilizado pelos dois lado. Muitos acreditam que com a eliminação, a Copa do Brasil passa a ser o que resta para o Colorado no ano. E que isso fará o time gaúcho vir com “sangue nos olhos”. Outros já acreditam que a saída do continental mostra que o time do Sul não é esse bicho que sete cabeças e tem inúmeros defeitos. Além de a derrota baixar a moral do clube, principalmente do jeito que foi, com dez minutos finais da partida sendo, de certa forma, humilhantes para a torcida.

Força máxima sempre

Também há quem defenda que o Cruzeiro não poupe. Para este, os resultados ruins na temporada e as três semanas sem jogos na quarta-feira criam a obrigação do time estar apto a sequência que vem pela frente. Isso realmente parece ser o ideal. Mas, se o time sofre na parte física, este seria um risco para o resto da temporada. Jogadores importantes, como Léo, Dedé e Pedro Rocha, já sentiram problemas e perderam partidas, nessa nova fase celeste.

Sequência difícil

O que se sabe é que o time precisa vencer, urgentemente, no Brasileirão. Primeiro pela evidente necessidade de somar pontos. Segundo pelo próximo rival ser um concorrente direito na luta contra o rebaixamento. E terceiro pela sequência que vem pela frente. O Cruzeiro enfrenta, após o Vasco, Grêmio, Palmeiras e Flamengo, pelo Brasileirão.

E mesmo envolvidos nas semis da Libertadores, o Tricolor Gaúcho e o Rubro-Negro carioca virão com time completo, provavelmente. Os jogos do continental acontecem somente no mês de outubro. O Alviverde Paulista, por sua vez, foi eliminado da “Liberta” e agora, pressionado, só tem o Campeonato Brasileiro para disputar. Ou seja, mais um que não estará para brincadeiras.

O Cruzeiro deve ou não poupar contra o Vasco, no domingo?
No empate com o CSA, no último domingo (25), o Cruzeiro sentiu a parte física no segundo tempo – Crédito da foto: Thiago Parmalat/ Lightpress/ Cruzeir

Já na Copa do Brasil, outra pedreira. Restando apenas o torneio para disputar, o Inter provavelmente virá com tudo. E, com a vantagem do empate, o Colorado deve evocar a veia defensiva da sua equipe e dificultar muito a criação do Cruzeiro. Jogando fora, a Raposa precisará de uma criatividade que não apareceu muitas vezes esse ano. Mas, quem sabe, um gol no início da partida não desestabilize os gaúchos?

Bom, a decisão é toda de Rogério Ceni. A nós, espectadores, só resta aguardar. O Cruzeiro entra num momento decisivo e crítico, na temporada. Portanto, para sair fortalecido deste, é preciso de talento, inteligência e uma pitada de sorte.

Veja também: Joias celestes: um time com os jovens mais promissores do Cruzeiro