O que você procura?

Homenagens marcam nove meses do rompimento da barragem em Brumadinho

Carla Cruz 25 de outubro de 2019 às 21:00
Tempo de leitura
3 min

Com 252 mortos e 18 ainda desaparecidos, o dia 25 de outubro marca nove meses do rompimento da barragem do Feijão, em Brumadinho. Nesta sexta-feira (25), moradores de Brumadinho realizam pela oitava vez uma homenagem à memória das vítimas do rompimento.

Todo dia 25, na entrada da cidade, familiares e amigos prestam homenagens às vítimas às 12h30 – horário em que as vítimas morreram. O horário e data, considerados sagrados pela população, é uma forma de além de homenagear, lutar para não deixar que as pessoas se esqueçam do que aconteceu no dia 25 de janeiro.

A passeata, composta por cerca de 300 pessoas faz um percurso de quase dois quilômetros com cartazes, rosas, faixas, além de falarem o nome das 270 vítimas. Um coral infantil também faz parte da passeata.

LEIA TAMBÉM:  Após 942 dias da tragédia, mais um corpo é encontrado em Brumadinho

Nove meses depois da tragédia, o que resta é luto e um sentimento de justiça.

Homenagens marcam nove meses do rompimento da barragem em Brumadinho

Cartaz de homenagem às vítimas – Crédito da foto: Reprodução/TV Globo

18 corpos ainda desaparecidos em Brumadinho

Nesta sexta-feira (25), completa o 274º dia de operação ininterrupta dos bombeiros em busca dos 18 corpos ainda desaparecidos. Os familiares e manifestantes pedem que o Corpo de Bombeiros não encerre as buscas até que todas as pessoas sejam localizadas em Brumadinho.

Ainda não há previsão de que o trabalho de resgate das vítimas seja encerrado. Muito pelo contrário, o trabalho do Corpo de Bombeiros deve se intensificar neste período pela aproximação de uma temporada de chuva que pode dificultar ainda mais o trabalho dos militares.

LEIA TAMBÉM:  Após 942 dias da tragédia, mais um corpo é encontrado em Brumadinho

Cerca de 130 militares estão trabalhando na área coberta por rejeitos, totalizando aproximadamente 12 milhões de metros cúbicos. Entretanto, o uso de máquinas pesadas chegou ao limite, sendo empregado todos os equipamentos. Além disso, o uso de cães farejadores foram cessados, pois todos os 64 animais disponíveis tiverem a saúde afetada pela exposição ao material presente na lama.

As fases de busca por vítimas da tragédia tem sido a maior do Brasil realizada pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais. Até agora foram realizadas cinco fases, entre elas:

Primeira fase: janeiro e fevereiro. Uso de 630 bombeiros por dia e mais de 30 aeronaves para detectar e transportar corpos.
Segunda fase: fevereiro. O número de militares é reduzido para 250. e cães respondem por um terço da localização de corpos e segmentos.
Terceira fase: março. Quantidade de bombeiros é reduzida para 130 militares, enquanto a quantidade de máquinas é duplicada, com até 60 equipamentos por dia.
Quarta fase: de abril a agosto. É mantido cerca de 130 bombeiros por dia e começa a busca nos locais de maior concentração de vítimas.
Quinta fase: setembro e outubro. Estratégias envolvendo bombeiros e máquinas buscam ampliar a velocidade de buscas, para evitar as dificuldades do período chuvoso.

Inscreva-se no nosso boletim informativo

Inscreva-se para receber as principais notícias veiculadas no nosso site em sua caixa de entrada, uma vez por dia.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

Última atualização em 19 de setembro de 2021 às 12:41