30.5 C
Belo Horizonte
quarta-feira, 17 agosto 2022

No ultra liberalismo de Zema nem os Parques Estaduais sobram

Assistimos dia 10/08 em Ouro Preto uma...

Sem você eu não vivo!

Qual seria o nosso combustível para viver?...

Olha a água mineral!

Quem nunca ficou um bom tempo em...
Portal Mais MinasColunasConsumir, ou não, aquele cafezinho após as refeições?

Consumir, ou não, aquele cafezinho após as refeições?

Prática muito comum, sobretudo entre os brasileiros, é o consumo de café após as refeições. Porém, embora possa parecer um costume inofensivo, a ingestão de café pode interferir na absorção de alguns nutrientes.

A cafeína presente no café pode interferir na absorção do cálcio, mineral importante para a saúde óssea. Porém, esse efeito pode ser evitado caso sejam consumidas as quantidades de cálcio conforme as recomendações diárias. Dessa forma, para conservar a saúde dos ossos o mais importante é manter o consumo adequado de cálcio e vitamina D, para que assim o consumo de café após as refeições não seja um hábito consideravelmente preocupante.

Outro nutriente que pode ter sua absorção comprometida, devido ao consumo de café após as refeições, é o ferro, que é um mineral que atua na síntese das células vermelhas do sangue e no transporte de oxigênio para as células. O consumo de uma xícara de 250 ml de café após uma refeição pode reduzir em 40% a absorção do ferro, sendo que esse efeito pode ser maior ou menor conforme variação da quantidade de café consumida.

Entretanto, o hábito de se praticar uma alimentação saudável diariamente, com alimentos fontes de ferro, é capaz de reduzir a interferência do café na nutrição de um indivíduo de estado nutricional saudável. No entanto, é importante lembrar que no caso de pessoas portadoras de anemia por deficiência de ferro, o consumo de café após as refeições deve ser evitado.

Em suma, podemos dizer que uma alimentação equilibrada é a chave para minimizar os efeitos indesejáveis de determinados hábitos comuns do cotidiano, e que não existe uma regra geral para 100% dos indivíduos, portanto não se pode proibir uma prática para toda a população com base em um único parâmetro, pois quando se trata de saúde, antes de tudo deve ser considerada a individualidade de cada um.

* Esse texto é um artigo de opinião do colunista e pode não representar a posição do portal Mais Minas sobre o assunto.

Você pode gostar também:

RECENTES

Veja também sobre: