Iniciando a temporada de encontros deste ano no Programa Sílabas e Sons, os museus de Mariana, e Museu Boulieu, em Ouro Preto, recebem, na próxima terça e quarta-feira, dias 16 e 17 de janeiro, os poetas Viviane Mosé, Chacal, Domingos Guimaraens e Vitor Paiva para um bate-papo literário conduzido pelo professor decano da PUC Rio, curador do programa, Júlio Diniz. 

Esta é a primeira edição do programa dedicada somente à poesia. Será um encontro especial entre os poetas convidados e os poetas locais, onde terão a oportunidade de apresentar a sua produção autoral em um momento de troca inesquecível. Além de prestigiarem o lançamento do livro “CEP 20.000 – Uma Utopia Falada”, de Vitor Paiva.

O grupo de poetas convidados integram o Centro de Experimentação Poética CEP 20.000, um acontecimento multimídia mensal que, desde 1990, revela nomes no cenário musical, poético e dramático do Rio de Janeiro.

O evento promete ser uma celebração da poesia, cultura e literatura, marcando o início de um ano repleto de encontros e descobertas artísticas nos Centros Culturais sob a gestão do Instituto Cultural Aurum.

Os ingressos para o “Sílabas e Sons” podem ser trocados nas bilheterias do Museu de Mariana e do Museu Boulieu por 1kg de alimento não perecível, durante o horário de funcionamento das instituições, ou virtualmente pela plataforma Sympla, condicionada a entrega da doação na entrada do evento. 

As instituições contam com o patrocínio master do Instituto Cultural Vale, gestão do Instituto Cultural Aurum e realização do Governo Federal Brasil: União e Reconstrução via Lei Rouanet.

Sobre os convidados

Viviane Mosé

Viviane Mosé é poeta, filósofa, psicóloga e especialista em elaboração e implementação de políticas públicas. Poeta ligada ao movimento CEP 20.000, no Rio de Janeiro, desde o início dos anos 1990, escreveu e apresentou o quadro “Ser ou não ser”, no Fantástico, onde trazia temas de filosofia para uma linguagem cotidiana. Tem diversos livros de poesia, filosofia e psicanálise publicados. Hoje é sócia e diretora de conteúdo da Usina Pensamento, além de ser colaboradora fixa do programa “Encontro”, na Rede Globo.

Chacal

Chacal nasceu no Rio de Janeiro em maio de 1951. Publicou em mimiógrafo, em 1971, o livro “Muito prazer, Ricardo”. Em 72, publicou “Preço da Passagem”, considerado por Silviano Santiago como marco inicial da poesia marginal. Em 73, viu Allen Ginsberg em performance em Londres. Em 75, retoma a oralidade da poesia no Rio. Happenings poéticos chamados Artimanhas foram realizados nesse período pelo Rio e pelo Brasil, pelo grupo Nuvem Cigana, do qual fazia parte. Chacal é co-criador e co-produtor do Centro de Experimentação Poética CEP 20.000. Chacal lançou 14 livros. Em 2007, lançou “Belvedere”, com suas poesias reunidas, pela Editora Cosacnaify (Prêmio APCA 2008). Em 2012 saiu pela Companhia das Letras, o livro para adolescentes, “Murundum”. Em 2012, estreou como ator e autor, no monólogo autobiográfico “Uma História à Margem”. Em 2013 apresentou-a em Frankfurt, na Alemanha e em abril de 2014, em Harvard, nos Estados Unidos. Em 2015, estreou a performance XXV no Espaço Sesc Copacabana, com histórias dos 25 anos do CEP 20.000. Em 2016, performou no Cabaret Voltaire, em Zurich, na Suiça. Em 2019, diplomou-se no mestrado de Letras (PUC / Rio de janeiro). Em 2021 lançou “Brotou capivara” pela Editora Zazie.

Domingos Guimaraens

Nasceu em 1979 no Rio de Janeiro. Poeta e artista visual, doutor em Literatura Cultura e contemporaneidade pela PUC-Rio, pesquisando arquivos e memórias da literatura brasileira. De 2003 a 2006 foi um dos organizadores do CEP 20000, Centro de Experimentação Poética, que existe no Rio desde 1990. Em 2018 publicou “Agora também antes” pelo selo Mega Mini da Editora 7letras. Em 2011 publicou Um épico, pela Cartoneira cArAtApA. Em 2008 juntamente com Os Sete Novos, lançou o livro Amoramérica. Em 2006 publicou A Gema do Sol também pela editora 7 Letras. Tem textos publicados em antologias de poesia como É agora como nunca (org. Adriana Calcanhoto), Garganta (editoura Azougue). Além de estar incluído na antologia internacional En la otra orilla del silencio, poetas brasileños contemporáneos, publicada no México, pela Libera/Unam, em 2012. Desde 2008 trabalha com o coletivo OPAVIVARÁ! viajando e expondo com o grupo por todo Brasil e no exterior.

Vitor Paiva

Vitor Paiva é jornalista, pesquisador e escritor. Nascido no Rio de Janeiro e formado em jornalismo pela PUC-Rio, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela mesma instituição. Colaborou com diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo sobre música, literatura, política e história da arte, para revistas e jornais como Jornal do Brasil, Revista Bundas, O Pasquim 21, Revista da MTV, e para os sites Brasil 247 e Hypeness, entre outros. É um dos fundadores do evento de arte CEP 20.000, no Rio de Janeiro, e seu mais recente livro, “CEP 20.000 – Uma Utopia Falada”, conta a história dos 30 anos deste movimento. Lançou diversos livros de poesia, e trabalhou como roteirista e apresentador no programa de TV “Comentário Geral”, na TVE, e como criador, roteirista e apresentador do podcast “Falapalavra”. Atualmente trabalha na equipe de conteúdo do Partnerships for Forests (P4F), programa do governo britânico de aceleração de empreendimentos florestais sustentáveis.

Júlio Diniz – Curador 

Júlio Diniz é Doutor em Literatura Brasileira pela PUC-Rio, com Pós-Doutorado em Literatura Comparada pela Universidad de Salamanca, Espanha. Foi diretor do Departamento de Letras da PUC-Rio onde é professor associado na Área de Estudos de Literatura. Desde 2016 exerce a função de decano do Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH). Realiza consultorias e coordena projetos para instituições públicas e privadas, ONGs e empresas. Publicou inúmeros artigos, ensaios e livros no Brasil e no exterior. Foi membro do Conselho Estadual de Cultura do Rio de Janeiro (2004-2006), é assessor da Diretoria de Relações Internacionais da CAPES e bolsista de produtividade do CNPq.

Sinopse do livro “CEP 20.000 – Uma Utopia Falada”

Construindo um retrato inédito, profundo e detalhado de uma das mais interessantes e longevas cenas culturais do Brasil, o livro CEP 20.000 – UMA UTOPIA FALADA, de Vitor Paiva, percorre as três décadas de atividades do Centro de Experimentação Poética, ou CEP 20.000. O evento de poesia falada e experimentação artística ocupa mensalmente, desde sua criação, em agosto de 1990, o Espaço Cultural Sérgio Porto, teatro localizado na Zona Sul do Rio de Janeiro, tornando o ponto em um local especialmente pulsante, ao convidar artistas consagrados e estreantes a apresentarem suas criações nas mais variadas formas de expressão artística, diante de uma plateia formada por jovens de todas as idades. O livro também detalha a surpreendente trajetória pessoal do poeta e agitador cultural Guilherme Zarvos, desde seu aristocrático berço familiar, passando por suas experiências pela política como braço direito de Darcy Ribeiro, suas viagens desbravadoras à Índia e à Alemanha, seus diversos encontros e mergulhos em cenas culturais históricas desde os anos 1960 até os anos 1990, como partes essenciais do que o CEP viria a ser.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Museu de Mariana

COMENTÁRIOS
Share.

Perfil publicador de releases e guest posts, sem autoria própria. Consulte a fonte ao final das matérias/artigos.